Mercados

Ações dos EUA caem após ganhos de gigantes de tecnologia frustrarem expectativas

Segundo especialistas, tanto a Amazon quanto a Apple deram guidances decepcionantes em seus relatórios de lucros do 1º tri ontem

Índice caiu 10% até agora em abril, o pior desempenho desde novembro de 2008.
Por Cecile Gutscher y Vildana Hajric
29 de Abril, 2022 | 11:06 AM

Bloomberg — As ações dos Estados Unidos ampliaram as perdas provocadas por lucros menores que o esperado divulgados por gigantes da tecnologia, enquanto a promessa da China de aumentar o estímulo ajudou a restaurar a confiança na segunda maior economia do mundo e a impulsionar a demanda por commodities.

PUBLICIDAD

O S&P 500 caiu 1%, enquanto o Nasdaq 100 recuou 1,4% em meio a quedas pós-lucro na Amazon (AMZN) e Apple (AAPL). O Stoxx Europe 600 Index subiu, liderado por ações de mineração. Já a Tesla Inc. (TSLA) subiu depois que Elon Musk disse que não planeja vender mais ações.

“Tanto a Amazon quanto a Apple deram guidances decepcionantes em seus relatórios de lucros ontem à noite e isso tirou o fôlego do avanço da tarde de ontem”, escreveu Matt Maley, estrategista-chefe de mercado da Miller Tabak + Co. “É sempre bom ver o mercado fechar com um ganho forte, mas a experiência nos diz que esses tipos de movimentos intradiários selvagens (e movimentos selvagens do dia-a-dia) que experimentamos em muitos dias nas últimas semanas são sinais de um mercado insalubre, não saudável.”

PUBLICIDAD

A movimentada temporada de resultados ajudou em grande parte a moderar as perdas durante um ano turbulento, mesmo com as decepções notáveis. O crescimento dos lucros do S&P 500 está acompanhando 4,3% ano a ano, com 86% das empresas superando as estimativas, de acordo com estrategistas do Barclays.

O índice Nasdaq 100 caiu 10% até agora em abril, o pior desempenho desde novembro de 2008, já que os temores de aumento das taxas prejudicaram as ações de crescimento e alimentaram os riscos para lucros futuros.

PUBLICIDAD
Indicador de dólar da Bloomberg deve registrar melhor semana desde 2021dfd

Os investidores estão avaliando os riscos dos contínuos desafios da covid e oscilações econômicas da China para o impacto do Federal Reserve na economia dos EUA e a guerra da Rússia na Ucrânia.

A curva de rendimentos dos EUA caiu nesta sexta-feira, com os traders precificando uma ação mais agressiva do Fed depois que os dados mostraram que os gastos dos EUA foram maiores do que o esperado. Isso se seguiu a um relatório na quinta-feira apontando para uma sólida demanda do consumidor, apesar de uma surpreendente contração no crescimento econômico no último trimestre.

Os números ressaltam o debate sobre quanto espaço o banco central dos EUA tem para apertar a política antes que a economia rache. Os mercados continuam projetando um aumento de meio ponto do Fed na próxima semana, embora um coro crescente de investidores esteja cético de que os formuladores de políticas dos EUA continuarão com os aumentos de juros mais agressivos desde a década de 1980 para domar a inflação.

PUBLICIDAD

“O Fed está no fogo cruzado entre matar a inflação com o risco de desencadear uma recessão agora, ou ganhar mais tempo para o crescimento nominal aumentar, com um preço potencialmente alto a ser pago mais tarde”, escreveu em nota Pascal Blanque, presidente do Instituto Amundi. “É provável, e humano, que eles se inclinem para o último.”

Os títulos do Tesouro caíram, levando o rendimento de 10 anos dos EUA para 2,93%. Nos mercados de câmbio, o iene caiu, mantendo-se perto de mínimos de 20 anos. O euro, a libra e as moedas vinculadas a commodities obtiveram ganhos enquanto o dólar caiu.

PUBLICIDAD

Enquanto isso, o petróleo subiu, com os futuros do West Texas Intermediate em cerca de US$ 106 o barril, a caminho de seus maiores ganhos mensais desde o início de 2018, com as consequências da guerra da Rússia na Ucrânia e a disseminação do vírus na China.

Veja mais em bloomberg.com

PUBLICIDAD

Leia também:

Vale a pena? Bancos cobram taxas de até 3% por fundo de uma única ação

Últimas BrasilEstados UnidosBalançosWall StreetAções
PUBLICIDAD