Brasil

Cinco assuntos quentes para o Brasil na próxima semana

FGV divulga o IGP-10 de maio no dia 17 e a estimativa é de desaceleração acentuada, para 0,37%, contra dado anterior de 2,48%

Mesmo com a greve estendida dos funcionários, o Banco Central divulgará o resultado primário consolidado de março na segunda-feira
Por Josue Leonel
15 de Maio, 2022 | 03:10 PM

Bloomberg — Números de inflação como o IGP-10 podem mostrar até que ponto a desaceleração da inflação é suficiente para aliviar o ciclo de alta dos juros. Banco Central deve divulgar dado fiscal, mas greve põe em dúvida IBC-Br, que deve mostrar expansão. No exterior, falas de Jerome Powell, Christine Lagarde e Andrew Bailey podem influenciar os mercados. Dados do varejo e indústria saem nos EUA e na China - onde a previsão de atividade fraca gera expectativa sobre juros do PBoC.

PUBLICIDAD

Bolsas monitoram Eletrobras (ELET3) no TCU, fim do lock-up do Nubank (NU) e dividendos da Petrobras (PETR4) (PETR3).

Inflação e juro

A FGV divulga o IGP-10 de maio no dia 17 e a estimativa é de desaceleração acentuada, para 0,37%, contra dado anterior de 2,48%. IPCA de abril divulgado esta semana mostrou desaceleração, mas seguiu acima de 1% e não impediu o aumento nas apostas em prolongamento da alta de juros para além de junho. Ainda saem nos próximos dias as parciais do IPC-S - também com estimativa de desaceleração - e IPC-Fipe. Um eventual alívio na inflação pode ser ameaçado pela alta do petróleo, que voltou a se aproximar dos US$ 110 em Nova York, além da desvalorização recente do real.

PUBLICIDAD

BCs globais

Após reafirmação de Powell de que a alta do juro não deve acelerar para 0,75 ponto percentual aliviar os mercados na sexta-feira (13), o presidente do BC americano volta a falar em entrevista ao Wall Street Journal no dia 17. Dirigentes do Fed como James Bullard e Charles Evans também farão pronunciamentos numa semana que terá ainda falas dos presidentes do BCE e BoE, que enfrentam processos de alta da inflação. Agenda importante de indicadores começa ainda neste domingo com dados do varejo e indústria na China. Índices similares saem nos EUA dia 17. Zona do euro e Japão divulgarão PIB e CPI na semana.

Juros na China

A China provavelmente divulgará neste fim de semana os indicadores econômicos mensais mais fracos desde o início da pandemia, há dois anos, o que pressionará o Banco Central do país a aumentar o estímulo para apoiar o crescimento. Mas os economistas ainda estão divididos sobre se o Banco Popular da China vai agir já na segunda-feira com corte de juros.

PUBLICIDAD

O PBoC está tendo que pesar a necessidade da economia de mais estímulos monetários contra a preocupação de que uma flexibilização excessiva em um momento em que o Federal Reserve dos EUA está elevando as taxas alimentará as saídas de capital.

Fiscal, IBC-Br e greve no BC

Mesmo com a greve estendida dos funcionários, o Banco Central divulgará o resultado primário consolidado de março na segunda-feira, com estimativa de déficit de R$ 3,2 bilhões. O IBC-Br deveria ser divulgado na semana que vem, mas ainda não foi confirmado, diante da greve do BC. A estimativa é que fique em +0,7% em março, acima da alta de 0,34% em fevereiro. O número corroboraria dados anteriores do varejo e serviços que superaram as estimativas, em meio à melhora das projeções dos bancos para o PIB deste ano.

Outros indicadores do BC, como as projeções da pesquisa Focus e as contas externas também seguem pendentes. O CMN se reunirá na quinta-feira. Na política, mercado monitora as pesquisas eleitorais e terceira via pode lançar candidato único para presidente.

PUBLICIDAD

Eletrobras, Nubank, Petrobras

Na semana em que está prevista a divulgação dos resultados da Eletrobras no 1º trimestre de 2022, se encerra o prazo de 20 dias pedido pelo ministro do TCU Vital do Rêgo para analisar o processo de privatização da companhia. Outras empresas que divulgam balanços na semana incluem Magazine Luiza (MGLU3), Banco Inter (BIDI11) e Vibra.

O Nubank também divulga balanço dia 16, um dia antes de terminar o lock-up de suas ações. As ações do banco recuperam terreno desde quinta (12), mas ainda acumulam queda de mais de 20% em maio. A Petrobras pagará dividendos complementares, em 16 de maio, referentes ao exercício de 2021, com base na posição acionária de 13 de abril de 2022.

PUBLICIDAD

Veja mais em bloomberg.com

Leia também

PUBLICIDAD

Brasília em Off: A má vontade com Sachsida e Petrobras

EXCLUSIVO: Procuradoria apura se apps usam acordos trabalhistas para distorcer jurisprudência

Últimas Brasil
PUBLICIDAD