Mercados

Ibovespa amplia queda e dólar sobe após Fed mostrar plano de combate à inflação

Documento divulgado nesta tarde mostrou a disposição do banco central americano em aumentar as taxas em 50 pontos-base na reunião de maio

Sello de la Fed
06 de Abril, 2022 | 03:32 PM

Bloomberg Línea — O Ibovespa (IBOV) acompanhou Wall Street e ampliou suas perdas na tarde desta quarta-feira (6) após o Federal Reserve divulgar seus planos de aumentar a velocidade do aperto monetário nos Estados Unidos para combater a inflação, levantando preocupações em relação à uma desaceleração da economia.

PUBLICIDAD

Na ata da última reunião, divulgada nesta tarde, o banco central americano sinalizou que irá reduzir suas enormes participações em títulos a um ritmo máximo de US$ 95 bilhões por mês, apertando ainda mais o crédito em toda a economia à medida que oa autoridade monetária aumenta as taxas de juros para esfriar a inflação mais alta em quatro décadas.

O documento também mostrou que “muitas” autoridades teriam preferido aumentar as taxas em meio ponto percentual – em vez do movimento de 0,25 ponto que fizeram – mas decidiram não fazê-lo à luz da invasão da Ucrânia pela Rússia.

PUBLICIDAD

O comentário foi amplamente alinhado com o que as autoridades do Fed disseram nos últimos dias, mostrando a disposição de aumentar as taxas em 50 pontos-base na reunião de maio e começar a reduzir o balanço rapidamente. O Nasdaq 100, pesado em tecnologia, caiu 2,8% e o S&P 500 caiu 1,6%.

“O Fed terá que apertar as condições financeiras o suficiente para aumentar a taxa de desemprego e, quando o Fed fez isso no passado, sempre resultou em uma recessão”, disse mais cedo William Dudley, ex-presidente do Federal Reserve de Nova York, à Bloomberg TV. “Essa não é a intenção deles. Eles farão um pouso suave, mas as chances de conseguir são muito, muito baixas.”

PUBLICIDAD

No Brasil, o dólar ampliou os ganhos nesta tarde, sendo negociado próximo dos R$ 4,70.

  • O dólar tinha alta de 1,27%, cotado a R$ 4,71, perto das 15h30;
  • O Ibovespa recuava 1,36%, marcando 117.142 mil pontos;
  • Nos EUA, o índice Dow Jones (INDU) recuava 0,94% e o S&P 500 (SPX) tinha baixa de 1,47%; o Nasdaq (NDX) tinha perda de 2,73%;
  • Na Europa, o índice Dax, da Alemanha, caiu 1,89%, enquanto o CAC-40, de Paris, recuou 2,21%;

Também contribuía para o sentimento de maior aversão ao risco nesta quarta as novas sanções à Rússia, após alegações de assassinatos de civis em cidades ucranianas agora recapturadas das forças russas. Até o momento, comenta-se a intenção da União Europeia de proibir a importação de carvão mineral russo.

Por aqui, as atenções recaem sobre o noticiário corporativo e sobre a Petrobras (PETR3; PETR4). Segundo um empresário ouvido pela Bloomberg Línea sob a condição de não ser identificado, o nome de Caio Paes de Andrade, cotado para presidir a estatal, sofre oposição de lideranças do setor de óleo e gás.

PUBLICIDAD

-- Com informações da Bloomberg News

Leia também:

Flutuação das commodities veio para ficar, diz chefe da Cargill

Últimas BrasilBloomberg LíneaAçõesIbovespaJurosDólar
Mariana d'Ávila

Mariana d'Ávila

Redatora na Bloomberg Línea. Jornalista brasileira formada pela Faculdade Cásper Líbero, especializada em investimentos e finanças pessoais e com passagem pela redação do InfoMoney.

Toni Sciarretta

Toni Sciarretta

News director da Bloomberg Línea no Brasil. Jornalista com mais de 20 anos de experiência na cobertura diária de finanças, mercados e empresas abertas. Trabalhou no Valor Econômico e na Folha de S.Paulo. Foi bolsista do programa de jornalismo da Universidade de Michigan.

PUBLICIDAD