Mercados

Ibovespa cai e dólar sobe com mau humor no exterior e recuo de commodities

Mercado continua a ser moldado por um Fed agressivo, interrupções no mercado de commodities e perspectiva de desaceleração econômica

Ibovespa cai e dólar sobe com mau humor no exterior e recuo de commodities
11 de Abril, 2022 | 03:22 PM

Bloomberg Línea — O Ibovespa (IBOV) seguiu o pessimismo nos mercados internacionais de ações na tarde desta segunda-feira e recua junto com as ações de Vale (VALE3), Petrobras (PETR3; PETR4) e commodities em geral.

PUBLICIDAD

Já o dólar continua pressionado no Brasil, no patamar de R$ 4,70, seguindo as taxas de juros mais curtas depois que o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, admitiu “surpresa” com os últimos dados de inflação, o que foi interpretado pelo mercado como possibilidade de aumento de juros depois de maio.

Segundo Campos Neto, o BC vai analisar se as surpresas no IPCA divulgado sexta mudam tendência, e “comunicar no momento mais apropriado”.

PUBLICIDAD

Nos EUA, os rendimentos dos títulos de dez anos do Tesouro (GT10) atingiram 2,75%, o maior patamar desde março de 2019, pressionando os mercados de ações e de risco em geral. O Nasdaq 100 (NDX) chegou a cair mais de 2% no final da manhã em Nova York.

O petróleo recuava cerca de 3,6%, uma reação aos riscos da demanda provocados pelos lockdowns na China, bem como após afirmações de lideranças do Irã de que o acordo nuclear de 2015 se encontra na “sala de emergência”. Nos Estados Unidos, destaque para o anúncio de Elon Musk de que não irá se juntar ao conselho do Twitter. Após o anúncio, as ações da companhia caíram mais de 7% em Nova York.

PUBLICIDAD

Confira o desempenho dos mercados nesta segunda-feira (11):

  • Por volta das 15h20 (horário de Brasília), o Ibovespa recuava cerca de 0,8%, aos 117.431 pontos;
  • O dólar à vista operava estável, a R$ 4,6973;
  • Entre os juros futuros, o DI com vencimento em janeiro de 2023, que reflete a política monetária neste ano, subia de 12,96% para 13,12%, enquanto o DI para janeiro de 2025 passava de 11,77% para 11,95%;
  • Nos EUA, o Dow Jones (INDU) caía 0,8%, o S&P 500 (SPX) tinha baixa de 1,1%, enquanto o Nasdaq 100 (NDX) recuava 1,9%;

O sentimento do mercado continua a ser moldado por um Fed agressivo, interrupções no mercado de commodities causadas pela invasão da Ucrânia pela Rússia e a perspectiva de uma desaceleração econômica. As restrições à covid na China ameaçam exacerbar os problemas da cadeia de suprimentos, alimentando ainda mais os riscos de inflação. Os investidores estão aguardando os balanços corporativos referentes ao primeiro trimestre deste ano para restaurar a confiança nas perspectivas para as ações.

-- Atualizado às 15h22 com cotações mais recentes

PUBLICIDAD

Com informações da Bloomberg News

Leia também:

A aposta de Bezos no Brasil: Stark Bank levanta US$ 45 milhões

Últimas BrasilBloomberg LíneaAçõesIbovespaDólarJuros
Mariana d'Ávila

Mariana d'Ávila

Redatora na Bloomberg Línea. Jornalista brasileira formada pela Faculdade Cásper Líbero, especializada em investimentos e finanças pessoais e com passagem pela redação do InfoMoney.

Toni Sciarretta

Toni Sciarretta

News director da Bloomberg Línea no Brasil. Jornalista com mais de 20 anos de experiência na cobertura diária de finanças, mercados e empresas abertas. Trabalhou no Valor Econômico e na Folha de S.Paulo. Foi bolsista do programa de jornalismo da Universidade de Michigan.

PUBLICIDAD