Tech

Twitter tem salvação? Duas empresas de capital de risco apostam que sim

Embora seu alvo seja tradicionalmente startups, as empresas vêm diversificando seus investimentos e portfólios

Acordo com o Twitter está entre os maiores das empresas de capital de risco
Por Lizette Chapman
06 de Maio, 2022 | 02:55 pm

Bloomberg — É estranho pensar que o Twitter (TWTR) está na mira das venture capitals. A empresa já tem 16 anos, vem crescendo lentamente e tem capital aberto – o contrário do que as empresas de capital de risco buscam. No entanto, Elon Musk de alguma forma convenceu duas das empresas de capital de risco mais proeminentes do mundo, a Andreessen Horowitz e a Sequoia Capital, a investir em seu esforço para fechar o capital do Twitter.

PUBLICIDAD

O acordo pode ter sido um fracasso para essas empresas há alguns anos, mas mudanças recentes em como elas operam permitiriam mais desses tipos de investimentos não tradicionais no futuro. Embora cada empresa tenha começado como uma empresa de capital de risco, agora ambas são chamadas de consultoras de investimentos registrados, o que permite que se envolvam em transações de private equity ou ações públicas e detenham criptomoedas.

As mudanças foram um reflexo de uma mentalidade relativamente nova no setor de capital de risco: investir em startups não é mais suficiente para muitas empresas. As empresas de capital de risco competem cada vez mais e investem ao lado de empresas de private equity com foco em crescimento e fundos de hedge. A ascensão das criptomoedas também foi um grande fator, e agora, deixar os limites do capital de risco tradicional permite que a Andreessen Horowitz e a Sequoia participem do acordo de tecnologia mais notável do ano.

PUBLICIDAD

Para a Andreessen Horowitz, a transformação de empresa de capital de risco em empresa de investimento diversificada começou em 2019. Foi quando renovou sua estrutura, começou a investir em criptomoedas e buscou uma série de startups em estágio inicial a avançado. O cheque de US$ 400 milhões para Musk está entre os maiores acordos recentes e ocorre após semanas de tweets de apoio dos fundadores dizendo que o homem mais rico do mundo melhoraria a plataforma e traria mudanças muito necessárias.

Elon é a única pessoa que conhecemos e talvez a única no mundo com coragem, brilhantismo e habilidades para consertar tudo isso e construir a plataforma que todos esperávamos e merecemos”, Ben Horowitz, fundador da empresa, escreveu na quinta-feira (5). “Embora o Twitter seja uma grande promessa como praça pública, ele sofre de uma miríade de problemas difíceis, desde bots a abuso e censura. Ser uma empresa de capital aberto e depender apenas de um modelo de negócios de publicidade exacerba tudo isso.”

PUBLICIDAD

A Sequoia se reestruturou como consultora de investimentos no ano passado. O investimento no Twitter, de US$ 800 milhões, é um dos maiores em seus 50 anos de história. A empresa retirará o dinheiro de três fundos separados: Sequoia Capital Global Equities, Sequoia Heritage Fund e Sequoia Capital, disse uma pessoa familiarizada com a transação que pediu para não ser identificada porque os detalhes são privados.

O recém-nomeado líder de Musk e da Sequoia, Roelof Botha, tem uma longa história. Os dois homens são da África do Sul, e Musk contratou Botha para sua startup digital precursora do PayPal.

“Por mais de duas décadas, vimos de camarote as proezas comerciais e técnicas de Elon, desde a X.com, que se tornou o PayPal (PYPL), até SpaceX e à Boring Company”, escreveu uma porta-voz da Seqouia em comunicado por e-mail. “Vemos, assim como ele vê, a oportunidade de impulsionar inovações significativas de produtos que ajudarão a liberar todo o potencial do Twitter como uma plataforma global que conecta o mundo.”

PUBLICIDAD

Musk enviou sinais contraditórios sobre suas intenções para o Twitter. Ele disse que não se importa com a economia do negócio – o que geralmente é algo que um investidor não quer ouvir – mas também descreveu formas que ele acredita que poderiam melhorar o serviço. Musk sugeriu que poderia adicionar um “pequeno custo” para usuários corporativos e governamentais e criptografar mensagens diretas na plataforma para que não sejam facilmente hackeadas.

Outro futuro possível para o Twitter poderia envolver a descentralização de sua infraestrutura usando a tecnologia blockchain. O universo das criptomoedas é um interesse compartilhado de Musk, Andreessen Horowitz e Sequoia, bem como de outro investidor no negócio, a exchange de criptomoedas Binance, que entrou com US$ 500 milhões. “Esperamos poder desempenhar um papel na união das mídias sociais e da Web 3.0″, disse Changpeng Zhao, CEO da Binance, em comunicado.

PUBLICIDAD

--Com a colaboração de Katie Roof e Sarah McBride.

--Este texto foi traduzido por Bianca Carlos, localization specialist da Bloomberg Línea.

PUBLICIDAD

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também

PUBLICIDAD

Inflação implícita se aproxima de 7% no Brasil com novo avanço do petróleo

Nespresso encontra 500 kg de cocaína em sacas vindas do Brasil

Últimas BrasilTechTwitterElon MuskVenture Capital
PUBLICIDAD