Internacional

7 gráficos da transformação do Reino Unido nos 70 anos de coroação da Rainha

Do poderio no comércio global ao boom imobiliário, veja o que mudou na economia britânica desde que Elizabeth II ascendeu ao trono

A inflação no Reino Unido estava em 11,2% quando Elizabeth II se tornou rainha, um nível próximo ao que economistas esperam ver ainda este ano
Por Bloomberg News, David Goodman y Andrew Atkinson
03 de Junho, 2022 | 10:05 AM

Bloomberg — A economia do Reino Unido de 2022 é quase irreconhecível diante daquela que recebeu a rainha Elizabeth II há 70 anos.

PUBLICIDAD

Manteiga, bacon e carne foram racionados em 1952, enquanto a escuridão deixada pela Segunda Guerra Mundial ainda pairava sobre a economia do país, que tinha apenas um quinto do tamanho atual. A moeda era a xelim (shilling, em inglês), os homens usavam gravatas mesmo nos dias de folga e quem frequentava pubs podia encontrar canecas de cerveja por algo como apenas 6 libras.

Hoje, ternos e dinheiro em papel são coisas cada vez menos comuns nos pubs, ainda mais porque os vinhos e os gins se tornaram muito mais populares com o tempo. Casas que antes podiam ser compradas com a renda de uma única pessoa agora exigem duas.

PUBLICIDAD

Mas alguns problemas daquela época continuam familiares. A inflação estava em 11,2% quando Elizabeth se tornou rainha, um nível que os economistas esperam ver ainda este ano - a taxa chegou a 9% nos 12 meses até abril.

A seguir estão sete gráficos (seis gráficos e uma tabela) que descrevem as grandes mudanças que a economia viu desde sua coroação em 1952.

PUBLICIDAD

1. Geração mais rica

Britânicos nascidos em 1952 têm renda 6% superior do que a média da população dfd

O Reino Unido como um todo é agora mais rico e saudável. Aqueles nascidos em 1952 têm rendimentos superiores à média dos cidadãos ao longo da vida, segundo o Instituto de Estudos Fiscais.

Por outro lado, agora homens e mulheres podem viver sete anos a mais do que sete décadas atrás.

2. Economia maior, menor produtividade

Crescimento desde 1952 | A economia é 5 vezes maior, mas a produtividade diminuiudfd

Com o passar dos anos, a economia teve uma série de altos e baixos. Choques envolvendo o petróleo, crises cambiais e financeiras, juntamente com a saída do Reino Unido da União Europeia e a pandemia, contrastam com os períodos de rápido crescimento. Mas a tendência predominante tem sido de expansão.

PUBLICIDAD

3. Menos industrializado

A indústria viu sua participação total no mercado de trabalho no Reino Unido cair de 29% para 7% desde a coroação de Elizabeth IIdfd

Os números refletem um boom no setor de serviços, que cresceu à medida que o setor manufatureiro recuou. A parcela de empregos em nas fábricas caiu para apenas 7%, de quase 30% em 1952.

4. Boom imobiliário

Preços de casas cresceram quatro vezes na comparação com os valores de 70 anos atrásdfd

Em nenhum setor a transformação do país foi mais evidente do que no mercado imobiliário. O preço médio de uma casa saltou de menos de £ 2 mil - o equivalente a cerca de £ 60 mil nos dias de hoje - para um recorde de £ 270 mil, de acordo com a Nationwide Building Society.

PUBLICIDAD

Isso significa que a habitação ultrapassou amplamente a inflação e, em alguns anos, gerou mais riqueza para os proprietários de imóveis do que eles ganharam com o mercado de trabalho. Esses aumentos prejudicaram as finanças dos novos proprietários de imóveis. Muitas famílias precisam agora de duas rendas para ter a casa própria, enquanto em 1952 o salário dos homens era o suficiente para tal.

5. Casas próprias

A aquisição de imóveis cresceu na segunda metade do século passado. A mudança acelerou ainda mais sob a gestão de Margaret Thatcher como primeira-ministra, que promoveu a visão de uma “democracia de propriedade”, incentivando a compra de casas na década de 1980.

PUBLICIDAD

No entanto a tendência se inverteu nos últimos 20 anos devido ao forte aumento dos preços do setor imobiliário.

Volta do aluguel | Ter uma casa própria está cada vez menos acessível no Reino Unidodfd

6. Taxas de juros mais altas

O boom nos preços dos imóveis na última década foi impulsionado por taxas de juros recorde. Desde que os primeiros registros em 1694, a taxa de empréstimo de referência do Banco da Inglaterra - o banco central local - nunca havia ficado abaixo de 2% até 2009.

PUBLICIDAD
Índices de inflação | A inflação está na máxima em anosdfd

A crise financeira atual veio depois de um período de crescimento lento e da pandemia de coronavírus. O Banco da Inglaterra respondeu levando as taxas para perto de zero e comprando títulos em uma estratégia para diminuir as taxas do mercado. Mas agora a inflação atingiu uma variação máxima em 40 anos.

7. Comércio exterior perdeu força

O Reino Unido perdeu parte de sua relevância no comércio global
dfd

O Reino Unido não é mais a força comercial que era. Em 1960, o país representava quase 9% das exportações mundiais de mercadorias. Agora, sua participação fica um pouco acima de 2%.

PUBLICIDAD

A queda aconteceu depois que a atividade manufatureira global, de modo geral, mudou para economias de baixo custo de produção, como a China. Além disso, a saída do Reino Unido da União Europeia, o Brexit, fez com que a recuperação da pandemia acontecesse com menos força do que a de seus países vizinhos.

– Esta notícia foi traduzida por Melina Flynn, Content Producer da Bloomberg Línea.

PUBLICIDAD

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também

PUBLICIDAD

Presidente do Goldman Sachs alerta para ‘choques sem precedentes’

Apple atualizará sistema do iPad para que fique mais parecido com MacBook

Últimas BrasilReino UnidoBrexit
PUBLICIDAD