Internacional

AO VIVO: Chanceler da Áustria sai pessimista após falar com Putin em Moscou

Comitê militar da União Europeia realizou uma reunião no domingo para discutir a próxima fase da guerra na Ucrânia

Presidente Volodymyr Zelenskiy fala com parlamentares desenvolvimentos da guerra
Por Bloomberg News
11 de Abril, 2022 | 09:11 PM

Bloomberg — Os países da União Europeia pediram urgentemente que mais armas fossem enviadas para a Ucrânia o mais rápido possível, e o primeiro-ministro da Polônia previu que a Europa em breve verá sua maior batalha de tanques desde a Segunda Guerra Mundial.

PUBLICIDAD

O chanceler austríaco, Karl Nehammer, tornou-se o primeiro líder da União Europeia a visitar o presidente Vladimir Putin em Moscou desde o início da guerra e pediu que ele acabe com o conflito. A Ucrânia espera que a Rússia amplie sua ofensiva no leste esta semana, disse o presidente Volodymyr Zelenskiy.

O chefe do banco central da Rússia também disse que a economia de seu país pode se recuperar de uma desaceleração desencadeada por sanções.

PUBLICIDAD

Veja mais atualizações no horário de Brasília:

Irlanda barra navios registrados na Rússia, diz RTE (20h45)

O governo da Irlanda disse a todos os portos do país que negassem a entrada de navios registrados na Rússia a partir do próximo domingo, informou a RTE. O país está implementando uma decisão da UE de sancionar navios russos e restringir o acesso, disse a emissora.

PUBLICIDAD

Líder austríaco pessimista após conversas com Putin (17h20)

O chanceler austríaco, Karl Nehammer, disse estar “bastante pessimista” sobre as perspectivas de paz na Ucrânia depois de se encontrar com Putin em Moscou nesta segunda-feira, citando uma espiral de violência que está surgindo no leste da Ucrânia.

Falando a repórteres após a reunião, Nehammer defendeu sua decisão de se encontrar com o presidente russo como forma de confrontá-lo com crimes de guerra cometidos na Ucrânia. Ele chamou as negociações de “diretas, honestas e duras” e sinalizou a solidariedade europeia. Nehammer é o primeiro líder europeu a se encontrar pessoalmente com Putin desde o início da guerra.

França expulsa diplomatas russos acusados de espionagem (16h16)

O Ministério das Relações Exteriores da França disse em comunicado que seis funcionários russos sob cobertura diplomática devem deixar o país depois que uma investigação de inteligência descobriu que suas atividades eram contrárias aos “nossos interesses nacionais”.

PUBLICIDAD

EUA veem fase ‘mais prolongada’ e sangrenta na guerra (15h03)

Os EUA fizeram uma avaliação sombria de que a invasão da Rússia provavelmente entrará em “uma fase mais prolongada e muito sangrenta”, pois se concentra na região de Donbas, na Ucrânia, nas palavras do porta-voz do Pentágono, John Kirby.

“Pelo que vimos no passado, provavelmente estamos virando outra página no mesmo livro da brutalidade russa”, disse Kirby em entrevista coletiva no Pentágono.

PUBLICIDAD

Enquanto isso, Kirby disse que uma remessa inicial de 100 drones Switchblade chegou à região. Ele disse que o número total de drones armados de bombardeio que os EUA enviarão para a Ucrânia será de cerca de centenas.

Prefeito diz que mais de 10 mil pessoas morreram em Mariupol (14h07)

O prefeito de Mariupol disse à Associated Press que mais de 10 mil civis morreram na cidade na Ucrânia desde a invasão russa.

PUBLICIDAD

O prefeito Vadym Boychenko disse à AP por telefone que os cadáveres foram “tapetados pelas ruas de nossa cidade” e que o número de mortos pode ser superior a 20 mil. Na semana passada, ele citou uma estimativa preliminar de que cinco mil pessoas morreram.

Boychenko também disse que as forças russas trouxeram crematórios móveis para a cidade para descartar os corpos. Ele os acusou de se recusarem a permitir a entrada de comboios humanitários na cidade na tentativa de disfarçar a carnificina.

PUBLICIDAD

Funcionário russo endossa a revogação da cidadania de ‘traidores’ (14h02)

Um aliado de Putin, Vyacheslav Volodin, presidente da câmara baixa do parlamento, disse na segunda-feira que seria “certo” revogar a cidadania de pessoas consideradas “traidoras”, de acordo com um post em seu canal Telegram.

Volodin mencionou especificamente Marina Ovsyannikova, uma jornalista que interrompeu o noticiário de televisão mais assistido da Rússia no mês passado com um protesto contra a guerra e desde então foi contratada pelo alemão Die Welt.

PUBLICIDAD

“Infelizmente, não há procedimento legal para revogar a cidadania”, reconheceu. “Mas possivelmente seria a coisa certa a fazer.” Putin prometeu no mês passado limpar a Rússia da “escória e dos traidores”.

Biden otimista após conversas com Modi da Índia (13h10)

O presidente dos EUA, Joe Biden, adotou um tom otimista em uma reunião virtual com o primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, em meio às crescentes tensões sobre a invasão da Ucrânia pela Rússia, dizendo que as duas nações continuarão trabalhando juntas para combater as consequências da guerra do Kremlin.

PUBLICIDAD

Biden elogiou os esforços da Índia para fornecer assistência humanitária à Ucrânia, sem mencionar a pressão dos EUA para que a Índia adote uma linha mais dura. As tensões entre os EUA e a Índia aumentaram nas últimas semanas devido à relutância de Modi em criticar Putin. Isso complicou uma parceria de segurança emergente entre os EUA e a Índia com o objetivo de combater a influência da China.

Primeiro-ministro polonês prevê batalha de tanques iminente (12h24)

O primeiro-ministro polonês Mateusz Morawiecki disse que os membros da UE devem oferecer rapidamente mais apoio militar a Kiev, enquanto a Rússia prepara um novo ataque à região leste de Donbass, na Ucrânia. “A batalha mais decisiva está prestes a começar e, ao mesmo tempo, a maior batalha de tanques nesta parte do mundo desde a Segunda Guerra Mundial”, disse ele.

PUBLICIDAD

Ele também criticou o chanceler da Áustria por se encontrar com Putin, dizendo que, em vez de falar com um “criminoso de guerra”, os líderes europeus deveriam se concentrar em ampliar rapidamente as sanções.

Líder austríaco pede que Putin acabe com a guerra (11h45)

O chanceler austríaco Karl Nehammer pediu a Putin que encerre a guerra, de acordo com um comunicado enviado por e-mail da chancelaria em Viena após discussões entre os dois líderes em Moscou.

Nehammer disse a Putin que os responsáveis pelos potenciais crimes de guerra sob investigação no norte da Ucrânia Bucha serão responsabilizados e disse que as sanções permanecerão e serão reforçadas enquanto as pessoas estiverem morrendo na Ucrânia, segundo o comunicado. Nehammer disse que informará seus parceiros da UE sobre a discussão.

Guerra exige repensar a reforma de carbono da UE (10h04)

A revisão mais profunda do mercado de carbono da União Europeia deve ser adaptada ao cenário energético drasticamente alterado causado pela invasão da Ucrânia pela Rússia, de acordo com Jos Delbeke, um dos principais arquitetos do sistema de cap-and-trade do bloco.

Os governos europeus e o Parlamento da UE estão atualmente negociando um conjunto de reformas climáticas e energéticas para implementar uma meta mais dura de redução de emissões para 2030. Alguns elementos, como limitar o fornecimento de direitos de poluição, precisam ser revistos porque a turbulência nos mercados de gás natural e carvão devido à guerra provavelmente permanecerá por mais tempo do que se pensava, disse Delbeke em entrevista.

Jornal alemão contrata russa que interrompeu transmissão de TV (10h)

O jornal alemão Die Welt contratou Marina Ovsyannikova, a jornalista russa que interrompeu um noticiário no horário nobre do Canal Um com um pôster antiguerra no mês passado.

Ovsyannikova, 43, servirá como correspondente freelance para o jornal e seu canal de televisão, reportando da Rússia e da Ucrânia, de acordo com um comunicado do pai do Die Welt, Axel Springer.

Ovsyannikova foi detida por 14 horas depois de interromper o noticiário de TV mais assistido da Rússia em uma rara demonstração de dissidência no canal estatal. Ela foi multada em 30 mil rublos (US$ 370).

Vários membros da UE pedem embargo de petróleo, dizem autoridades (9h22)

Vários países pressionaram por um embargo às importações de petróleo russo em uma reunião de ministros das Relações Exteriores da União Europeia em Luxemburgo, segundo autoridades que não quiseram ser identificadas.

Os países da UE que pediram a proibição do petróleo incluem a Polônia e os países bálticos, disseram as autoridades. A ministra das Relações Exteriores da Alemanha, Annalena Baerbock, disse aos ministros que a Alemanha não é contra um embargo de petróleo, mas o bloco precisa evitar medidas que prejudiquem mais os europeus do que a Rússia, disseram eles.

Baerbock disse a repórteres na chegada para a reunião na segunda-feira: “Como governo alemão, já deixamos claro que haverá uma saída completa de todos os combustíveis fósseis, começando com carvão, depois petróleo e gás”. Ela acrescentou: “Para que isso seja viável em conjunto na União Europeia, precisamos de um plano unificado e coordenado”.

Ucrânia busca ativos da Rússia e apreensão da frota de petróleo (9h54)

A Ucrânia está pressionando os países aliados a confiscar e vender ativos russos, incluindo petroleiros, para que os lucros possam ser usados para pagar a reconstrução de cidades e infraestrutura destruídas.

A Ucrânia sofreu mais de US$ 1 trilhão em danos físicos desde que a Rússia invadiu em fevereiro e seu governo já estava conversando com aliados sobre a possibilidade de vender ativos russos, segundo Oleg Ustenko, principal assessor econômico de Zelenskiy.

“Acreditamos que podemos prender seus ativos no exterior”, disse Ustenko. “Sabemos que é possível encontrar esses ativos escondidos em todo o mundo.”

Grupo de franceses chega para investigação de crimes de guerra (9h52)

Um grupo de franceses chegou à Ucrânia para ajudar a investigar alegações de crimes de guerra cometidos por tropas russas perto de Kiev, disse nesta segunda-feira o embaixador da França na Ucrânia, Etienne de Poncins.

A Ucrânia diz que tropas russas mataram centenas de civis e saquearam casas enquanto ocupavam cidades e vilarejos próximos à capital. Eles recuaram no final do mês passado com tropas e policiais ucranianos entrando nas áreas e descobrindo valas comuns. A Rússia nega que suas forças tenham como alvo civis na Ucrânia, apesar das evidências de imagens de satélite.

Últimas BrasilUcrâniaRússia
PUBLICIDAD