Internacional

Bachelet diz à China que medidas antiterroristas devem respeitar direitos

Visita de principal autoridade de direitos humanos da ONU já havia sido criticada por não ter garantias de acesso irrestrito a Xinjiang

Chefe de direitos humanos da ONU disse que viagem não seria uma “investigação” das práticas chinesas na região de Xinjiang ou em outros lugares
Por Bloomberg News
29 de Maio, 2022 | 09:11 am

Bloomberg — A principal autoridade de direitos humanos das Nações Unidas disse que quaisquer ações do governo da China para lidar com o suposto terrorismo e o radicalismo reverso não devem ocorrer à custa dos direitos humanos.

PUBLICIDAD

Michelle Bachelet falou em uma coletiva de imprensa no final de sua viagem de seis dias à China, na qual ela disse repetidamente não ser uma “investigação” das práticas chinesas na região de Xinjiang ou em outros lugares.

“Eu encorajei o governo a realizar uma revisão de todas as políticas de contraterrorismo e desradicalização para garantir que cumpram plenamente os padrões internacionais de direitos humanos e, em particular, que não sejam aplicados de maneira arbitrária e discriminatória”, disse Bachelet.

PUBLICIDAD

Seus comentários foram rapidamente criticados por defensores dos direitos humanos nas redes sociais.

“É absolutamente impressionante”, disse Adrian Zenz, pesquisador sênior em estudos da China na Fundação Memorial das Vítimas do Comunismo, à Bloomberg News sobre os comentários. “Isso revela uma falta de compreensão ou desejo de entender o que está acontecendo na região.”

PUBLICIDAD

Bachelet disse que levantou “a falta de supervisão judicial independente” do sistema VETC, ou o que a China chama de Centros de Educação e Treinamento Vocacional em Xinjiang, mas que são efetivamente campos de detenção. No entanto, ela não foi capaz de “avaliar a escala completa” dos VETCs, acrescentou.

Bachelet evitou principalmente a controvérsia em sua coletiva de imprensa, quando respondeu a perguntas de repórteres em inglês e chinês. Sua resposta mais detalhada foi a uma pergunta sobre violência armada e racismo nos Estados Unidos de um repórter da mídia estatal chinesa.

A visita de Bachelet já havia sido criticada por não ter garantias de acesso irrestrito a Xinjiang, onde uma avaliação de 2019 das Nações Unidas disse que cerca de 1 milhão de pessoas foram detidas.

PUBLICIDAD

Bachelet disse no sábado (28) que conseguiu falar “sem supervisão” com o povo chinês. Ela disse que visitou uma prisão e um antigo centro de treinamento e educação vocacional e interagiu com uma série de organizações da sociedade civil, acadêmicos e líderes comunitários e religiosos.

O embaixador dos EUA, Nicholas Burns, expressou anteriormente a Bachelet “profundas preocupações” sobre as tentativas de Pequim de manipular sua viagem, segundo pessoas que participaram em uma ligação nesta semana com diplomatas da China e que pediram anonimato porque não estavam autorizadas a falar publicamente.

PUBLICIDAD

Ligação com Xi

No início da semana, o presidente Xi Jinping conversou por telefone com Bachelet, uma atitude incomum para uma líder que fala principalmente com outros chefes de Estado que ressaltam a importância que a China atribui à sua visita.

A mídia estatal chinesa disse mais tarde que Bachelet elogiou, na ligação, o histórico da China em direitos humanos – algo que seu escritório mais tarde pareceu negar em um “esclarecimento” enviado por e-mail sobre suas observações “reais”.

PUBLICIDAD

Ela também conheceu o ministro das Relações Exteriores chinês Wang Yi, que foi fotografado segurando uma cópia do livro de Xi sobre direitos humanos, e falou com estudantes da Universidade de Guangzhou, no sul da China, sobre uma ampla gama de tópicos, incluindo direitos humanos e desenvolvimento sustentável.

Philip Alston, professor de direito da Faculdade de Direito da Universidade de Nova York, disse em um webinar na sexta-feira (27) que, apesar das críticas, a viagem foi “extremamente importante” porque colocou os holofotes em Xinjiang.

PUBLICIDAD

A ex-relatora especial do Conselho de Direitos Humanos da ONU rejeitou as alegações de que ela estava sendo usada por Pequim.

“Ela é altamente experiente, muito sofisticada”, disse ele sobre a mulher de 70 anos, que foi a primeira mulher eleita para liderar uma nação sul-americana. “Ela está totalmente ciente de todas as diferentes dimensões políticas do que está realizando.”

PUBLICIDAD

Zenz, no entanto, disse que “será muito fácil para a propaganda estatal chinesa retratar isso pelo menos como uma absolvição parcial de suas políticas em Xinjiang”.

Veja mais em bloomberg.com

PUBLICIDAD

Leia também:

Rolex: alta demanda por relógios de luxo faz faltar modelos no mercado

Últimas BrasilChinaTerrorismoONU
PUBLICIDAD