Internacional

BCE cria ‘instrumento de crise’ para conter rendimento de títulos na Europa

Plano de contingência deverá ser usado em caso de estresse no mercado de dívida

Especula-se que medida envolva compra de títulos
Por Jana Randow
08 de Abril, 2022 | 05:32 PM

Bloomberg — O Banco Central Europeu está criando um mecanismo de crise para usar no caso de um salto nos prêmios de risco dos títulos das economias mais fracas da zona do euro, segundo autoridades familiarizadas com os planos.

PUBLICIDAD

A equipe da instituição está elaborando um apoio que ficaria disponível para a autoridade monetária usar contra o estresse do mercado de dívida causado por choques fora do controle de governos individuais, disseram os funcionários, que pediram para não serem identificados porque o assunto é confidencial.

Não está claro como seria a ferramenta, embora se presuma que o instrumento envolva a compra de títulos de alguma forma para conter os yields.

PUBLICIDAD

Embora a próxima decisão sobre a taxa de juros do BCE ocorra em menos de uma semana, não há indicação de que uma medida esteja prestes a ser revelada em breve. Os formuladores de políticas ainda não decidiram se divulgarão a ferramenta ou se a manterão em segredo a menos que se torne necessária, disseram as autoridades.

  BCE segue de olho no mercado de títulosdfd

Um porta-voz do BCE não quis comentar sobre o planejamento de contingência da instituição.

PUBLICIDAD

Os títulos italianos reduziram seu declínio após a notícia ser divulgada. O rendimento da dívida italiana de 10 anos foi negociado em torno de 2,35%, ante cerca de 2,40% mais cedo.

Os preparativos nos bastidores do BCE sugerem como as autoridades estão se preparando para o momento em que os mercados de títulos precisarão lidar com a ausência de intervenções em grande escala pela primeira vez após mais de sete anos de compras de ativos quase ininterruptas.

Os formuladores de políticas interromperam a compra de títulos de emergência no mês passado e pretendem suspender a flexibilização quantitativa regular no terceiro trimestre.

PUBLICIDAD

A criação de uma nova ferramenta de crise em um cenário de mercado relativamente benigno pode marcar um raro momento em que o BCE está um passo à frente, e não se recuperando sob pressão.

O programa de compra de títulos de 2012 do ex-presidente da instituição e atual primeiro-ministro italiano, Mario Draghi, e o de compra de emergência na pandêmica em 2020 foram revelados depois que a turbulência financeira tomou conta da região.

PUBLICIDAD

Já no ano passado, os formuladores de políticas discutiram um instrumento de precaução para se prepararem para os chamados riscos de fragmentação, com autoridades da periferia da região fazendo lobby por um mecanismo de compra incondicional, enquanto países centrais insistiam em algumas restrições.

O debate foi resolvido quando o Conselho do BCE considerou em dezembro que a flexibilidade no reinvestimento em títulos com vencimento em sua carteira de emergência seria suficiente.

PUBLICIDAD

Mas o fim iminente da flexibilização quantitativo e o aumento da incerteza sobre as implicações da guerra da Rússia na Ucrânia reacenderam temores entre alguns formuladores de políticas.

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também

Últimas BrasilBCE
PUBLICIDAD