PUBLICIDAD
PUBLICIDAD
Negócios

Com desaceleração das vendas, Amazon quer sublocar galpões e encerrar aluguéis

Segundo pessoas próximas ao assunto, empresa deve se livrar de pelo menos 900 mil metros quadrados em galpões e espaços de armazenamento

Contêineres da Amazon ao lado de um armazém em Redlands, Califórnia, nos Estados Unidos, em novembro de 2021
Por Spencer Soper
21 de Maio, 2022 | 04:41 pm

Bloomberg — A Amazon, presa com galpões demais agora que o crescimento das vendas online causado pela pandemia diminuiu, está tentando sublocar pelo menos 900 mil metros quadrados de espaço e pode desocupar ainda mais ao encerrar os arrendamentos com os proprietários, segundo pessoas com conhecimento da situação.

PUBLICIDAD

O excesso de capacidade inclui armazéns em Nova York, Nova Jersey, sul da Califórnia e Atlanta, disseram as pessoas, que pediram anonimato porque não estão autorizadas a falar sobre os negócios. O excesso de espaço pode ser de bem mais de 900 mil metros quadrados, disseram duas das pessoas, com uma dizendo que poderia ser o triplo disso. Outra pessoa próxima às deliberações disse que ainda não se tem uma estimativa final sobre a metragem quadrada a ser desocupada e que o número permanece incerto.

A Amazon poderia tentar negociar rescisões de arrendamentos com os proprietários, incluindo a Prologis, uma incorporadora imobiliária industrial que tem a gigante do comércio eletrônico como sua maior inquilina, disseram duas das pessoas.

PUBLICIDAD

Os 900 mil metros quadrados que a empresa pretende sublocar são equivalentes a cerca 5% da metragem adicionada durante a pandemia, ou 12 de seus maiores centros de atendimento, o que pode ser um sinal de que a empresa está tomando cuidado para não fazer cortes muito profundos em seus galpões. Outro sinal de que a Amazon está protegendo suas apostas é que alguns dos termos de sublocação durariam apenas um ou dois anos.

A empresa se recusou a dizer qual espaço planeja sublocar ou confirmar o valor.

PUBLICIDAD

“A sublocação é uma prática imobiliária muito comum”, disse a porta-voz Alisa Carroll. “Isso nos permite aliviar as obrigações financeiras associadas a um edifício existente que não atende mais às nossas necessidades. Sublocação é algo que muitas corporações estabelecidas fazem para ajudar a gerenciar seu portfólio imobiliário.”

A Prologis não quis comentar.

Caixas com produtos em um centro de abastecimento da Amazon em Robbinsville, Nova Jersey, EUA, em novembro de 2021dfd

A Amazon assustou os investidores no mês passado depois de reportar desaceleração do crescimento e perspectiva de lucro fraca, que atribuiu ao excesso de construções durante a pandemia, quando os compradores domésticos invadiram a internet. No final de 2021, a Amazon arrendou 3,5 milhões de metros quadrados de galpões industriais em seu mercado doméstico, duas vezes mais do que dois anos antes.

PUBLICIDAD

No balanço de abril, a empresa disse que esperava que o excesso de espaço contribuísse para US$ 10 bilhões em custos extras no primeiro semestre de 2022. A empresa não divulgou quanto excesso de capacidade tinha, onde estava localizado ou o que planejado fazer com isso. A sublocação de espaço excedente é uma maneira de a Amazon reduzir custos no espaço que não precisa mais.

A Amazon encarregou a imobiliária KBC Advisors de avaliar a rede de armazéns e determinar onde sublocar e onde rescindir os arrendamentos, disseram duas das pessoas. Ambas as opções têm custos. A sublocação do espaço do armazém exige que a Amazon remova todos os seus equipamentos para que o novo ocupante possa adaptá-los às suas próprias necessidades. As rescisões de arrendamento normalmente exigem que o inquilino pague uma porcentagem do aluguel que seria devido durante todo o prazo do contrato.

PUBLICIDAD

Não deve ser difícil encontrar inquilinos. A taxa de vacância para espaços industriais está abaixo de 4%, um recorde histórico, e os aluguéis aumentaram 17,6% no final de 2021, de acordo com um relatório de fevereiro da Prologis.

Leia também:

PUBLICIDAD

Série conta ascensão, queda e polêmica do criador da Uber

Êxodo reverso? Londrinos voltam para suas casas

AmazonÚltimas Brasil