Mercados

Decolar supera ômicron: reservas cresceram 118% no 1° trimestre

Plataforma digital de viagens se beneficiou de uma recuperação no turismo, embora não tenha conseguido retomar lucro

Decolar comprou a brasileira Viajanet no início de maio
19 de Maio, 2022 | 04:06 PM

Buenos Aires — A Decolar (DESP), unicórnio argentino de viagens, registrou um aumento de 118% no primeiro trimestre deste ano nas receitas brutas com as reservas no primeiro trimestre de 2022, que atingiram US$ 803,9 milhões. A companhia atingiu 69% das reservas que registrou nos primeiros três meses de 2019, último ano antes do início da pandemia de coronavírus.

PUBLICIDAD
  • Como a ação reage? O ADR da Decolar subia 2,7% às 15h40 do horário de Brasília

“Devido à disseminação da variante ômicron e à sazonalidade na América Latina, as reservas brutas foram mais lentas em janeiro, mas recuperaram 40% em março, quando os casos de covid caíram”, disse a empresa em comunicado.

“Com a ômicron superada e as restrições de viagem praticamente suspensas, esperamos que a demanda continue a se recuperar, com base nas tendências predominantes que vimos em abril e início de maio. Estamos ainda mais encorajados pela oportunidade substancial apresentada pela retomada das viagens internacionais, dada a liderança regional da Decolar”, acrescentou.

PUBLICIDAD

Em seu balanço trimestral, a companhia, no entanto, registrou prejuízo líquido de US$ 30,9 milhões, o que representou uma melhora em relação ao prejuízo de US$ 37,6 milhões do primeiro trimestre de 2021. No mesmo período de 2019, a empresa liderada atualmente por Damián Scokin reportou um lucro líquido de US$ 1,9 milhão.

O faturamento, por sua vez, foi de US$ 112,4 milhões no período, um crescimento de 117% ano a ano, e representando 84% do que foi alcançado entre janeiro e março de 2019.

PUBLICIDAD

Com relação às despesas operacionais, a Decolar dobrou o investimento em vendas e marketing, desembolsando US$ 30,5 milhões no período, ante US$ 15,4 milhões no ano passado. No total, as despesas operacionais cresceram 35% ano a ano, para US$ 79,3 milhões.

      • O fato principal: A empresa conseguiu tirar o Ebitda do vermelho: registrou US$ 6,8 milhões, contra uma perda de US$ 20,0 milhões um ano atrás
      • Número de transações: Os clientes da Decolar realizaram 1,955 milhão de transações, 59% a mais que um ano atrás, mas 26% a menos que no primeiro trimestre de 2019

Compra da ViajaNet

Sobre a recente aquisição da brasileira ViajaNet, o CEO da Decolar, Damián Scokin, afirmou que continua a “identificar oportunidades para consolidar o mercado de viagens altamente fragmentado na América Latina”.

“A recém-anunciada aquisição da Viajanet do Brasil, plataforma de viagens online focada no segmento aéreo, nos dará a oportunidade de vender produtos não aéreos auxiliares de maior margem da Decolar para sua grande base de clientes.”

PUBLICIDAD

“Além disso, pretendemos gerar outras sinergias, aproveitando esta última aquisição com a sofisticada plataforma de tecnologia da Decolar”, acrescentou. “A aquisição da Viajanet adiciona uma nova marca ao nosso portfólio, bem como uma talentosa equipe de desenvolvimento de tecnologia local.”

Leia também

PUBLICIDAD

Airbnbs superam apartamentos disponíveis para morar em Nova York

Risco de estagflação assombra mundo abalado pela guerra

Bloomberg LíneaTurismoÚltimas BrasilDecolar
Francisco  Aldaya

Francisco Aldaya

Periodista argentino con 10 años de experiencia. Francisco cubrió al sector financiero latinoamericano en S&P Global Market Intelligence, y trabajó en las secciones de economía y política del Buenos Aires Herald. También ha colaborado con el Buenos Aires Times.

PUBLICIDAD