Negócios

Demissões na Tesla incluem funcionários contratados há poucas semanas

Funcionários foram ao LinkedIn para compartilhar que foram demitidos depois de terem sido contratados recentemente

Musk descreveu as novas fábricas abertas recentemente perto de Berlim e em Austin, no Texas, como “gigantescas fornalhas de dinheiro”
Por Dana Hull
25 de Junho, 2022 | 09:28 am

Bloomberg — Alguns funcionários demitidos pela Tesla nas últimas semanas foram ao LinkedIn para compartilhar que saíram da empresa depois de terem sido contratados recentemente. Um deles, que estava na Tesla há apenas duas semanas, considerou sua demissão um “soco no estômago”. Em contradição com o memorando da empresa de Elon Musk, alguns funcionários horistas também foram demitidos.

PUBLICIDAD

Musk disse nesta semana ao editor-chefe da Bloomberg News, John Micklethwait, que os cortes de empregos assalariados ocorreriam em cerca de três meses. Ele minimizou a importância de um processo de ex-funcionários que alegam que a Tesla violou a lei federal ao não fornecer aviso prévio sobre os cortes de empregos, chamando o processo de “trivial “.

A Tesla (TSLA) superou as demais montadoras nos últimos anos, expandindo sua produção e entregas em ritmo acelerado, já que grande parte do restante da indústria diminuía o ritmo diante dos bloqueios causados pela covid e da escassez de suprimentos. Mas a demissão em massa sugere que esse momento chegou ao fim.

PUBLICIDAD

Daqui a cerca de uma semana será possível saber quantos veículos elétricos a Tesla construiu e entregou aos clientes neste trimestre. A empresa foi prejudicada pelas restrições em Xangai, na China, que custaram caro à sua fábrica mais produtiva.

Nos últimos dias, Musk tem dado declarações alusivas ao assunto. Em uma entrevista aos proprietários da Tesla no Vale do Silício em 31 de maio, ele descreveu as novas fábricas abertas recentemente perto de Berlim e em Austin, no Texas, como “gigantescas fornalhas de dinheiro”, que resultam na perda de bilhões de dólares.

PUBLICIDAD

Dias depois, a Reuters informou que Musk tinha enviado um e-mail aos executivos da Tesla dizendo que queria demitir 10% dos funcionários. Ele então escreveu um e-mail para toda a equipe dizendo que o corte se aplicaria apenas aos trabalhadores assalariados. Em seguida, escreveu em seu Twitter que o número total de funcionários da Tesla vai aumentar no próximo ano.

– Esta notícia foi traduzida por Melina Flynn, Content Producer da Bloomberg Línea.

Veja mais em Bloomberg.com

PUBLICIDAD

Leia também

Estimativa de lucro para empresas segue inabalada, mesmo com alerta de recessão

Suprema Corte dos EUA reverte decisão Roe v. Wade que protege direitos ao aborto

Últimas BrasilElon MuskTesla
PUBLICIDAD