Finanças pessoais

Fundos de ações e multimercados têm pior desempenho dos últimos 5 anos no 1º tri

Cenário de maior volatilidade e incerteza, marcado ainda pela alta da Selic, tem levado a uma rotação nas carteiras de investimento

Entre janeiro e março, os fundos de renda fixa registraram captação líquida de R$ 109,2 bilhões.
07 de Abril, 2022 | 12:43 PM

Bloomberg Línea — Mesmo com a alta de 14,5% do Ibovespa no primeiro trimestre de 2022, os fundos de ações registraram o pior desempenho dos últimos cinco anos, acumulando resgates de R$ 31,9 bilhões. O mesmo aconteceu com os multimercados, que tiveram uma captação líquida negativa de R$ 41 bilhões. Os dados foram divulgados pela Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima) nesta quinta-feira (7).

PUBLICIDAD

De acordo com Pedro Rudge, diretor da Anbima, o movimento é explicado pela mudança de preferência dos investidores em meio à alta da taxa Selic, bem como diante de um cenário mais incerto e volátil.

No primeiro trimestre de 2020, em meio à queda dos juros, os fundos de ações tiveram captação líquida de R$ 46,1 bilhões e os multimercados, de R$ 25,3 bilhões. Já os fundos de renda fixa registraram saída líquida de R$ 61,7 bilhões. Agora, com a Selic em 11,75% ao ano e perspectivas de novas altas da taxa básica, o jogo virou.

PUBLICIDAD

“Em um momento de maior incerteza e alta dos juros, produtos mais conservadores tendem a ganhar mais relevância – e foi isso o que vimos no primeiro trimestre”, disse Rudge, durante conversa com jornalistas.

Entre janeiro e março, os fundos de renda fixa registraram captação líquida de R$ 109,2 bilhões, segundo a Anbima, ante R$ 63,8 bilhões um ano antes. E a expectativa é de que esse movimento de rebalanceamento das carteiras continue.

PUBLICIDAD

Com os juros em patamares elevados, o apetite a produtos de renda fixa vai continuar tendo participação importante. Lembrando que temos eleições este ano, o que adiciona volatilidade e pode fazer com que o apetite ao risco cresça ou diminua, à medida que as coisas fiquem mais claras, assim como o discurso dos candidatos”, afirmou o executivo da Anbima.

Captação da indústria de fundos cai 57%

Diante de um ambiente mais volátil, a indústria de fundos de investimento teve, no acumulado dos três primeiros meses de 2022, uma captação líquida de R$ 46,1 bilhões. O resultado representa uma queda de 57% em relação ao apresentado no mesmo período de 2021, quando houve entrada líquida de R$ 107 bilhões.

No período, o patrimônio líquido cresceu 11,7%, para R$ 7,2 trilhões, enquanto o número de contas e fundos cresceu 17,4% e 15,8%, respectivamente.

PUBLICIDAD

Segundo Rudge, a expectativa é de que a indústria de fundos continue a apresentar crescimento, possivelmente em uma velocidade menor do que a observada nos últimos trimestres. “Temos visto cada vez mais produtos, fundos e novos gestores no mercado e o investidor já entendeu que é importante diversificar o patrimônio. São alternativas mais interessantes para o investidor quando se compara a poupança ou aos CDBs, por exemplo”, completou.

Leia também:

Alta do dólar contra moedas globais pode estar chegando ao fim

Últimas BrasilBloomberg LíneaAnbimaInvestimentosFundo de investimentoAçõesSelic
Mariana d'Ávila

Mariana d'Ávila

Redatora na Bloomberg Línea. Jornalista brasileira formada pela Faculdade Cásper Líbero, especializada em investimentos e finanças pessoais e com passagem pela redação do InfoMoney.

PUBLICIDAD