Agro

Guerra na Ucrânia remodela comércio agrícola global de US$ 120 bilhões

Países estão tentando buscar alternativas para produtos agora escassos; Brasil exporta a países pela primeira vez em quatro anos

País não consegue escoar o produto devido ao conflito com a Rússia
Por Megan Durisin y Pratik Parija e Irina Anghel
09 de Abril, 2022 | 08:43 PM

Bloomberg — No cinturão agrícola da Ucrânia, os silos estão abarrotados com 15 milhões de toneladas de milho da safra de outono. O alimento deveria estar chegando aos mercados mundiais.

PUBLICIDAD

Esses estoques representam aproximadamente metade do que a Ucrânia deveria exportar nessa temporada, mas está cada vez mais difícil fazer o milho chegar aos compradores. A guerra iniciada pela Rússia tumultuou o comércio mundial de grãos, que movimenta US$ 120 bilhões.

Esse mercado, que já estava abalado devido aos gargalos nas cadeias de suprimentos, ao encarecimento dos fretes e aos eventos climáticos agora se prepara para mais turbulência. Juntas, a Ucrânia e a Rússia respondem por um quarto do comércio global de grãos, e as entregas desses países estão cada vez mais complicadas, ameaçando causar escassez de alimentos.

PUBLICIDAD

A Ucrânia é uma das maiores exportadoras mundiais de milho, trigo e óleo de girassol. O escoamento desses produtos está em grande parte paralisado. As exportações de grãos caíram para 500 mil toneladas por mês – antes da guerra, eram 5 milhões de toneladas, representando uma perda de US$ 1,5 bilhão, segundo dados oficiais. Os produtos agrícolas da Rússia líder global na exportação de trigo ainda estão sendo escoados, mas há dúvidas sobre entregas e pagamentos por cargas futuras.

Os preços dispararam com as interrupções nos fluxos de grãos e oleaginosas alimentos essenciais para pessoas e animais em todo o mundo. Países que se veem diante da perspectiva da escassez de comida tentam encontrar fornecedores alternativos, e novos acordos comerciais estão surgindo.

PUBLICIDAD

A Índia tradicionalmente mantinha sua gigantesca produção de trigo no mercado doméstico por meio de um mecanismo de preço. Agora, o país está distribuindo quantias recordes por toda a Ásia. As exportações de trigo pelo Brasil no primeiro trimestre ultrapassaram de longe o volume vendido para o exterior durante todo o ano passado. Cargas de milho dos Estados Unidos estão chegando à Espanha pela primeira vez em cerca de quatro anos. O Egito estuda trocar fertilizantes por grãos da Romênia e negocia trigo com a Argentina.

Esses esforços todos podem não bastar, segundo Dan Basse, presidente da firma de pesquisas agrícolas AgResource. “Podemos mover as peças no tabuleiro hoje”, mas haverá problemas se o conflito se prolongar até o verão no Hemisfério Norte, quando as exportações de trigo do Mar Negro historicamente se aceleram. “É aí que o mundo começará a enfrentar escassez”, afirmou Basse.

Com o choque da guerra, os contratos futuros de milho e trigo em Chicago acumulam alta de mais de 20% desde o início do ano.

PUBLICIDAD

Os preços dos alimentos já estão em nível recorde, e a Organização das Nações Unidas alertou que podem subir mais 22%. Uma grande queda nas exportações do Mar Negro pode deixar mais 13,1 milhões de pessoas desnutridas, segundo a ONU, agravando a fome em um mundo que ainda sofre com os efeitos da pandemia.

Comércio no Brasil

O Brasil é importador líquido de trigo, mas a expectativa é que as exportações do produto atinjam o maior volume em uma década. O baixo nível das hidrovias na Argentina dificultou o escoamento e desviou demanda para o Rio Grande do Sul. A colheita abundante, o real desvalorizado e o atraso da safra de soja favorecem as vendas de trigo brasileiro, explicou Walter Von Muhlen Filho, trader da Serra Morena Commodities. A exportação de trigo pelo Brasil no primeiro trimestre provavelmente chegou a 2,1 milhões de toneladas, quase o dobro de todo o volume embarcado em 2021. Turquia, África do Sul e Sudão receberam trigo brasileiro pela primeira vez em pelo menos quatro anos, segundo dados da Secretaria de Comércio Exterior.

PUBLICIDAD

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também

Últimas BrasilAgroGuerra na Ucrânia
PUBLICIDAD