Mercados

Medo de retração econômica derruba os mercados mundiais

Juros altos, covid-19 e guerra conduzem à percepção de que economias globais perderão impulso; recuam as bolsas na Europa e os futuros de índices nos EUA

As variáveis que orientarão os mercados
25 de Abril, 2022 | 08:59 AM

Barcelona, Espanha — A semana começa no vermelho. São muitos os fatores de influência: juros, covid-19, guerra e os primeiros indícios de enfraquecimento de dados macroeconômicos e corporativos. A boa notícia para o mercado foi a constatação de continuidade política na França com a vitória de Emmanuel Macron, que venceu a candidata de extrema-direita Marine Le Pen na disputa pela presidência.

PUBLICIDAD

Instantes atrás, tanto as bolsas europeias como os futuros de índices dos EUA exibiam queda. O europeu Stoxx 600 cedia cerca de 2%, com as ações de mineradoras e energia encabeçando as perdas. Os futuros de ações dos EUA indicavam o prolongamento das perdas das últimas sessões, depois que o S&P 500 perdera quase 2,8% e alcançara o nível mais baixo desde mediados de março. O S&P 500 está prestes a cair drasticamente, Mike Wilson, da Morgan Stanley, advertiu, já que os investidores lutam para encontrar refúgio em meio a temores de que a ação agressiva do Fed possa engendrar uma recessão.

Perdas também para o mercado de petróleo. Os contratos futuro indexados ao barril tipo West Texas Intermediate desabava quase 5%, abaixo dos US$ 98 por barril.

PUBLICIDAD

Em sentido inverso, os títulos soberanos recuperam parte do valor nominal que foi apagado nas últimas jornadas, com os investidores aceitando prêmios menores.

Leia também o Breakfast, uma newsletter da Bloomberg Línea: Fintechs na onda do dólar barato

PUBLICIDAD
O nível de valorização do Índice S&P 500 pode estar em risco à medida que os rendimentos dos títulos aumentamdfd

💸 Dinheiro mais caro

O Federal Reserve (Fed) já deu as cartas e outros bancos centrais mundiais estão no mesmo rumo: o aumento dos juros faz parte do tratamento para controlar a inflação. O mercado reage à expectativa de que este remédio seja aplicado de forma mais imediata e em doses maiores. Esta semana o banco central do Japão arbitra sobre sua política monetária (quinta-feira).

🦠 Covid, o retorno

O receio de lockdowns mais amplos na China, que está firme na sua política de covid zero, alarma os investidores sobre o risco de uma desaceleração global. As ações chinesas caíram para o nível mais baixo em quase dois anos.

🪖 A guerra

Os EUA prometeram à Ucrânia nova ajuda com armas e uma presença diplomática intensificada, como a do secretário de Estado Antony Blinken e o secretário de Defesa Lloyd Austin, que visitaram Kyiv ontem para conversas com o presidente Volodymyr Zelenskiy. A Turquia fechou seu espaço aéreo para jatos russos voando para a Síria, uma mudança na política destinada a aumentar o custo da guerra na Ucrânia para o Presidente Vladimir Putin.

PUBLICIDAD

📊 Balanços e dados macro

A agenda semanal está cheia. Os dados do PIB dos EUA (na quinta-feira) e da Zona do Euro (sexta-feira) refletirão os primeiros efeitos da guerra. Também há uma bateria de balanços corporativos e os números de algumas companhias já dão mostras de enfraquecimento.

Investidores temerososdfd

🟢 As bolsas na sexta-feira: Dow Jones (-2,82%), S&P 500 (-2,77%), Nasdaq Composite (-2,55%), Stoxx 600 (-1,79%), Ibovespa (-2,86%)

O efeito do discurso de Jerome Powell, durante um painel organizado na semana passada pelo FMI, ainda ecooou nos mercados de ações, já que incitou os investidores a aguardar uma política monetária ainda mais restritiva pelo banco central norte-americano. O golpe foi tal que o S&P 500 e o Nasdaq Composite exibiram a queda mais pronunciada desde março.

PUBLICIDAD

Na agenda

Esta é a agenda prevista para hoje:

• EUA: Índice de Atividade Nacional Fed Chicago (Mar)

• Europa: Zona do Euro (Produção do Setor de Construção/Fev); Alemanha (Índice Ifo de Clima de Negócios/Abr; Expectativas de Negócios/Abr); Espanha (IPP/Mar)

PUBLICIDAD

• Ásia: Japão (Índice de Indicadores Antecedentes; Taxa de Desemprego/Mar)

• América Latina: Brasil (Confiança do Consumidor FGV/Abr; Boletim Focus; Investimento Estrangeiro Direto/Fev; Transações Correntes/Fev; Receita Tributária Federal); México (Atividade Econômica/Fev)

PUBLICIDAD

• Balanços: Coca-Cola, Roche, Hyundai Motor, Sun, Vivendi SA PK, Whirlpool

📌 E para amanhã:

• EUA: Pedidos de Bens Duráveis/Mar; Índice Redbook; Índice de Preços de Imóveis/Fev; Confiança do Consumidor CB/Abr; Venda de Casas Novas/Mar; Índice de Manufatura Fed Richmond/Abr; Perspectiva do Setor de Serviços de Texas/Abr; Estoques de Petróleo Bruto Semanal API

PUBLICIDAD

• Europa: Reino Unido (Dívida Líquida do Setor Público/Mar; Necessidade de Financiamento Líquido do Setor Público/Mar)

• Ásia: China (Lucro Industrial chinês/Fev)

PUBLICIDAD

• América Latina: México (Vendas no Varejo/Fev); Argentina (Vendas no Varejo)

• Bancos centrais: Discursos de Sam Woods (vice-presidente do BoE) e Sabine Mauderer (Bundensbank)

PUBLICIDAD

• Balanços: Microsoft, Alphabet, Atlas Copco, Visa, PepsiCo, Novartis, UPS, Texas Instruments, Raytheon Technologies, Ganfeng Lithium, HSBC, General Electric, Mondelez, 3M, UBS, General Motors, Capital One, Warner Bros Discovery, Santander, ADM, Valero, Chipotle, MSCI

--Com informações da Bloomberg News

MercadosÚltimas BrasilBloomberg LíneaEuropaEstados UnidosNo radar dos mercados
Michelly Teixeira

Michelly Teixeira

Jornalista com mais de 20 anos como editora e repórter. Em seus 12 anos de Espanha, trabalhou na Radio Nacional de España/RNE e colaborou com a agência REDD Intelligence. No Brasil, passou pelas redações do Valor, Agência Estado e Gazeta Mercantil. Tem um MBA em Finanças, é pós-graduada em Marketing e cursa um mestrado em Digital Business na Esade.

PUBLICIDAD