Reunião Biden-Powell e outros 4 fatos para você saber para começar o dia

Veja os assuntos que devem marcar o sentimento dos mercados ao redor do mundo nesta terça-feira (31)

Biden se reúne hoje com Powell, do Federal Reserve, para discutir o estado da economia americana e mundial
Por Bloomberg News y Nour Al Ali
31 de mayo, 2022 | 09:12 AM

Bloomberg — A terça-feira (31), último dia do mês de maio, começa com um novo embargo ao petróleo russo, uma rara reunião entre o presidente americano, Joe Biden, e do Federal Reserve, Jerome Powell, e uma agenda econômica agitada.

PUBLICIDAD

1. Raro encontro entre Biden e Powell

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, terá uma rara reunião com o presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, ainda nesta terça-feira (31), diante da inflação mais alta das últimas quatro décadas, o que enfurece os americanos e prejudica sua situação também diante das eleições legislativas no fim deste ano.

Segundo um comunicado da Casa Branca, os dois discutirão sobre o estado da economia americana e da economia mundial. A Secretária do Tesouro, Janet Yellen, também vai participar da reunião. Christopher Waller, diretor do Federal Reserve, disse que quer continuar a aumentar as taxas de juro em um ritmo de meio ponto percentual até que a inflação se aproxime do objetivo do banco central dos EUA. Waller é o membro votante deste ano do Comitê Federal de Mercado Aberto (FOMC, na sigla em inglês) para a decisão sobre novas taxas.

PUBLICIDAD

2. Embargo ao petróleo russo

Depois de semanas de negociações, os líderes da União Europeia concordaram na noite de segunda-feira (30) em buscar uma nova proibição parcial para importações do petróleo russo como parte de um sexto pacote de sanções.

A proposta, que entraria em vigor seis meses após a sua resolução, impede a compra de petróleo bruto e produtos petrolíferos da Rússia entregues aos Estados membros por via marítima (que representa cerca de dois terços das importações de petróleo da Rússia), mas inclui uma isenção temporária para o petróleo bruto através de oleodutos.

PUBLICIDAD

Depois da notícia, o petróleo engatou a mais longa série de ganhos mensais em mais de uma década. Os detalhes técnicos estão ainda em discussão e o acordo final deve ser formalmente adotado pelos 27 estados membros da UE. Os embaixadores voltam a se encontrar nesta quarta-feira (1).

3. Pesquisa Pulse MLIV

A incrível experiência de liquidez da era pandêmica parece ter acabado. Agora que o Fed começa suas reduções de balanço patrimonial, as reavaliações dos preços dos ativos acabou ou há muito mais pela frente?

O aperto quantitativo começa oficialmente na quarta-feira (1), e este é o tema da pesquisa Pulse MLIV desta semana. A pesquisa da semana passada revelou que a maioria dos 540 participantes projetou que Pequim se manteria fiel às suas rígidas políticas de restrições à circulação por causa do avanço da pandemia no país e que a estratégia de covid zero permaneceria em vigor durante o resto do ano todo. Mas mais de metade dos participantes e mais de dois terços dos gestores de carteiras disseram que devem aumentar sua exposição ao país durante os próximos 12 meses.

PUBLICIDAD

4. Futuros em queda

Os futuros americanos caíam por volta das 6h45 de hoje, no horário de Brasília, hora de Nova Iorque, freando o rali recente, enquanto o otimismo com a reabertura da China desmanchou-se em meio a preocupações com a inflação. Na Europa, as ações não mostravam uma direção clara.

Ações dos setores de viagens, construção e serviços financeiros concentravam os piores desempenhos. O Stoxx 600 caía 0,5% enquanto o FTSE 100 do Reino Unido superou os seus pares regionais, subindo 0,3%. Os rendimentos do Tesouro avançavam de forma generalizada, se juntando às liquidações dos títulos de dívidas alemães e europeus. O rendimento dos bônus do Tesouro americano de 10 anos subia 8 pontos base, a 2,8206%. O dólar e o petróleo também subiam, enquanto o Bitcoin voltou a ser negociado acima dos US$ 31.000.

PUBLICIDAD

5. Também hoje...

O dia de hoje reserva uma agenda agitada em termos de dados econômicos, começando com a divulgação dos números da FHFA e da S&P Corelogic Case-Shiller, do índice de preços de casas para o mês de março, às 10 da manhã, também no horário de Brasília. Atualização: o S&P CoreLogic Case-Shiller apontou que os preços de casas subiram 20,6% em março na base anual.

O Índice Chicago PMI, do setor manufatureiro para maio, será divulgado às 10h45 da manhã. A confiança dos consumidores do Conference Board será divulgada às 11h00, e o Índice de Manufatura do Fed de Dallas sai às 10h30. O Canadá divulgará os dados do PIB de março e do primeiro trimestre às 9:30 da manhã. A Salesforce e a HP estão entre as empresas que vão reportar seus resultados ainda hoje.

PUBLICIDAD

– Esta notícia foi traduzida por Melina Flynn, Content Producer da Bloomberg Línea.

Veja mais em Bloomberg.com

PUBLICIDAD

Leia também

Mercados recuam com disparada do petróleo e inflação recorde na Europa

Gestora de Soros diz que mercado erra ao prever recessão imediata

Últimas BrasilMercadosFederal ReserveRússiaPetróleo
PUBLICIDAD