Saúde

Como o Brasil se prepara para a chegada da varíola dos macacos

Anvisa nega ter recomendado isolamento, enquanto o Ministério da Saúde cria uma Sala de Situação

Ministério da Agricultura ainda não notificou setor de produtos agrícolas sobre riscos da varíola dos macacos, segundo a Agrícola Famosa, maior exportadora de melão para a Europa
25 de Maio, 2022 | 04:23 AM

São Paulo — O Brasil, importante exportador de produtos agrícolas e commodities, começou a monitorar o cenário da varíola dos macacos, que se torna a cada dia motivo de preocupação mundial. O setor de logística e comércio exterior do país acompanha, com apreensão, a evolução dos casos fora do país, temendo possíveis impactos nos procedimentos e rotinas das companhias, segundo a Logcomex, startup de soluções de big data e automação para o setor.

PUBLICIDAD

Na segunda-feira (23), o Ministério da Saúde criou uma Sala de Situação para monitorar a doença viral endêmica no continente africano, com transmissibilidade moderada entre humanos. Até o momento, não há notificação de casos suspeitos da doença no país.

“A medida tem como objetivo elaborar um plano de ação para o rastreamento de casos suspeitos e na definição do diagnóstico clínico e laboratorial para a doença.

PUBLICIDAD

A vigilância de doenças com potencial para emergência em saúde pública é monitorada pelo Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde (CIEVS Nacional), que atua de forma permanente, detectando informações 24 horas por dia”, informou a pasta em comunicado.

A experiência com a pandemia da covid-19, decretada em março de 2020, serve para tornar a varíola dos macacos um ponto de atenção de exportadores e importadores no Brasil.

PUBLICIDAD

A pandemia de covid-19 fez com que o setor de logística e comércio exterior ficassem atento as questões sanitárias dos países, por isso, em um primeiro momento a varíola dos macacos assusta”, comentou Helmuth Hofstatter, CEO da Logcomex, startup que oferece soluções de big data e automação para o segmento de comércio exterior.

Questionado se há uma região que mereça mais preocupação, Hofstatter disse que chama a atenção a evolução dos casos na Europa e a possível chegada da América do Sul. “O ideal é acompanhar e entender a evolução dos casos, procurando fontes científicas para isso”, afirmou o CEO da Logcomex.

Por enquanto, o setor agrícola ainda não recebeu nenhuma notificação do Ministério da Agricultura sobre alguma restrição aos embarques brasileiros. É o que diz o CEO da Agrícola Famosa, uma das maiores exportadoras de frutas do Brasil, Luiz Roberto Barcelos, que integra a Abrafruta (Associação Brasileira dos Produtores Exportadores de Frutas e Derivados).

PUBLICIDAD

“A doença não foi ainda detectada no Brasil, mas com certeza vai acabar acontecendo [registro de caso]. É complicado porque nem saímos de uma pandemia e já podemos entrar em outra crise sanitária”, comentou o empresário.

O setor de turismo, que está em processo de recuperação do faturamento após mais de dois anos de pandemia da covid, também acompanha a situação da varíola dos macacos. “Ainda é muito cedo para falar o que vai acontecer ou quando a situação estará resolvida. Temos de esperar. Não podemos ser alarmistas”, disse o presidente da Braztoa, entidade que reúne mais de 50 operadoras de turismo no Brasil, Roberto Haro Nedelciu.

PUBLICIDAD

Isolamento

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) negou, na terça-feira (24), que tenha recomendado isolamento como medida para o enfrentamento à varíola dos macacos, desmentindo notícias sobre uma nota emitida pelo órgão no dia anterior.

A Anvisa apenas reforçou a adoção das medidas já vigentes em aeroportos e aeronaves destinadas a proteger o indivíduo e a coletividade não apenas contra a covid-19, mas também contra outras doenças”, disse a agência em nota publicada no fim da tarde.

PUBLICIDAD

A nota cita que, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), a varíola dos macacos pode ser transmitida aos seres humanos através do contato próximo com uma pessoa ou animal infectado, ou com material contaminado com o vírus. “O vírus pode ser transmitido de uma pessoa para outra por contato próximo com lesões, fluidos corporais, gotículas respiratórias e materiais contaminados, como roupas de cama”, detalha a agência.

Mesmo negando ter recomendado o isolamento, a Anvisa diz que atua seguindo as ações de organismos de saúde mundiais e que “tão logo se justifique serão propostas as medidas sanitárias quando cabíveis, em aditamento às regras existentes e vigentes no Brasil”.

PUBLICIDAD

A agência brasileira acrescentou que “autoridades de referência como o CDC dos EUA e a Agência de Segurança Sanitária do Reino Unido apontam que a transmissão do vírus ocorre, preferencialmente, por meio da pele lesionada (mesmo que não seja visível), mas também do trato respiratório ou das membranas mucosas (olhos, nariz ou boca). Nesse sentido, a prevenção e a cautela para evitar a transmissão da infecção por vias respiratórias e de contato são indicadas, assim como o cuidado no manuseio de roupas de cama, toalhas e lençóis utilizados por uma pessoa infectada. A higiene das mãos em ambos os casos é recomendada”, informou a Anvisa.

Leia também

Conselheiro vê risco zero para política de preços da Petrobras

Últimas BrasilBloomberg Línea
Sérgio Ripardo

Sérgio Ripardo

Jornalista brasileiro com mais de 25 anos de experiência, com passagem por sites de alcance nacional como Folha e R7, cobrindo indicadores econômicos, mercado financeiro e companhias abertas.

PUBLICIDAD