Negócios

Cliente pode esperar até 10 meses para receber caminhão

Indústria automobilística ainda enfrenta dificuldades no recebimento de componentes e normalização pode acontecer apenas em 2023

Clientes podem ter que esperar até 10 meses para serem atendidos
28 de Abril, 2022 | 09:41 AM

Bloomberg Línea — Quem tentou comprar um carro nos últimos meses, seja ele popular ou de luxo, percebeu que os prazos de entrega aumentaram. A falta de microprocessadores e outros componentes vindos da China deixou a indústria automobilística em uma verdadeira sinuca de bico, enxergando a demanda crescer de um lado, mas sua capacidade de oferta ser limitada pelas consequências da pandemia.

PUBLICIDAD

Agora, empresas que alugam frotas de caminhões e máquinas pesadas enfrentam uma situação semelhante. Os contratos que têm sido renovados para a atualização das frotas estão prevendo prazos mais largos de entrega junto às empresas de locação dos veículos.

“No mercado, a entrega de um caminhão novo hoje pode demorar de oito a 10 meses ao cliente. Em condições normais de mercado esse prazo seria de 60 dias”, disse Gustavo Moscatelli, CFO da Vamos (VAMO3), maior empresa de locação de caminhões e máquinas pesadas do Brasil, em entrevista à Bloomberg Línea.

PUBLICIDAD

A estratégia adotada pela companhia para enfrentar o cenário foi a antecipação da compra de caminhões no ano passado, mesmo sem haver contratos fechados que demandassem os veículos. Hoje, a empresa tem em estoque R$ 1,3 bilhão em ativos, dos quais R$ 270 milhões já estão negociados com clientes. O restante está disponível para locação imediata de novos contratos que venham a ser fechados.

Segundo o executivo, a demanda por veículos continua mais forte do que a capacidade de entrega das montadoras e ele não enxerga uma volta à normalidade no curto prazo. “O que temos ouvido dos nossos fornecedores é que a situação deve se normalizar apenas no fim deste ano ou início do ano que vem”, disse.

PUBLICIDAD

A disponibilidade em atender a demanda de imediato foi um dos motivos que fez a empresa assinar 266 novos contratos de locação no primeiro trimestre do ano, encerrando o período com um total de 1.689 contratos fechados no período. Com isso, a empresa elevou o capex contratado em 58% no primeiro trimestre do ano, em comparação ao mesmo período do ano passado, para R$ 1,6 bilhão, valor que representa um terço do investimento que deve ser realizado neste ano, de R$ 4,5 bilhões. Desse total, R$ 846 milhões em veículos já foram entregues aos clientes de janeiro a março, o que representa um crescimento de 75% ante os primeiros três meses de 2021.

Resultados do 1º trimestre

A Vamos encerrou o primeiro trimestre do ano com um lucro líquido de R$ 121,9 milhões, resultado que representa um crescimento de 66,4% em comparação ao mesmo período do ano passado. A companhia registrou uma receita líquida de R$ 945,2 milhões (+81,6%) e um Ebitda de R$ 361,5 milhões (+77,2%).

No segmento de locação de veículos, a Vamos fechou o período de janeiro a março com receita líquida de R$ 352,5 milhões, 45,6% a mais do que a registrada no mesmo período do ano passado. Já o Ebitda do negócio cresceu 64% no trimestre para R$ 286,8 milhões.

PUBLICIDAD

As vendas de caminhões e máquinas pelas concessionárias que também fazem parte da companhia tiveram uma receita líquida de R$ 578,2 milhões, desempenho mais do que duas vezes superior aos R$ 278,4 milhões registrados no mesmo período do ano passado. Já o Ebitda das concessionárias fechou o trimestre em R$ 73 milhões, com crescimento de 150% sobre o primeiro trimestre do ano passado.

“Para as concessionárias, o primeiro trimestre geralmente não é o melhor por uma questão sazonal, mas, neste ano, foi o melhor que já tivemos na história. Isso sinaliza que devemos crescer ainda mais nos próximos trimestres, aumentando não apenas a receita, mas também a rentabilidade”, afirma Moscatelli.

PUBLICIDAD

Novo concorrente

O projeto ainda é pequeno, mas a intenção é crescer. A JBS (JBSS3) anunciou hoje (27) seu novo negócio de aluguel de caminhões elétricos, chamado No Carbon.

Por enquanto, a frota nasce com apenas 31 veículos urbanos de carga (VUC), que atenderão apenas a demanda da própria JBS para a distribuição dos produtos das marcas Friboi, Seara e Swift, em um primeiro momento.

PUBLICIDAD
JBS anuncia seu novo negócio de aluguel de caminhões elétricosdfd

Em um comunicado enviado à imprensa, a JBS informou que “a expectativa é expandir essa frota no médio prazo, com a possibilidade de abrir a locação de veículos de carga elétricos para outros players do mercado com alta demanda por serviços logísticos, como redes varejistas e empresas de e-commerce”. Questionada sobre qual seria o tamanho potencial da frota e em quanto tempo ele poderia ser alcançado, a empresa não havia respondido até o fechamento desta reportagem.

A No Carbon ficará dentro da JBS Novos Negócios, que reúne os negócios da empresa que possuem uma correção com o core business do grupo. Um desses negócios é a TRP Seminovos, responsável por negociar a compra dos caminhões utilizados na operação da JBS e, posteriormente, revendê-los ao mercado.

Leia também

Últimas BrasilBloomberg LíneaJBSVamos
Alexandre Inacio

Alexandre Inacio

Jornalista brasileiro, com mais de 20 anos de carreira, editor da Bloomberg Línea. Com passagens pela Gazeta Mercantil, Broadcast (Agência Estado) e Valor Econômico, também atuou como chefe de comunicação de multinacionais, órgãos públicos e como consultor de inteligência de mercado de commodities.

PUBLICIDAD