ESG

Fundos ESG aumentam exposição a energia com alta do petróleo

Investidores criteriosos avaliam redefinir seus conceitos de ESG para conseguir obter retorno mais positivo

Fossil Fuels Fly Past ESG Stocks
Por Geoffrey Morgan
01 de mayo, 2022 | 11:08 AM

As ações de energia em alta deixam de fora investidores focados em questões ambientais, sociais e de governança, também conhecidas como ESG.

O que fazem então gestores ávidos por esses retornos, mas preocupados em manter seus rótulos ESG, enquanto o petróleo é negociado acima de US$ 100 por barril e as ações de energia registram alta de mais de 100% desde o início de 2021? Eles flexibilizam seus critérios ambientais para permitir produtores de energia em seus portfólios, o que pode dar um impulso adicional ao grupo, de acordo com o JPMorgan (JPM).

“Com as restrições contra energia provavelmente diminuindo devido à crescente pressão pelo desempenho de ESG, e com muitos reconsiderando a definição de ESG, esperamos um impacto positivo nos fluxos de capital para ações de energia nos próximos meses”, disseram analistas do JPMorgan liderados por Dubravko Lakos-Bujas em nota.

PUBLICIDAD

O índice S&P 500 ESG registrou desempenho inferior ao do S&P 500 Energy em nada menos que 88 pontos percentuais desde o início de 2021. As maiores participações do índice ESG incluem os favoritos do setor de tecnologia Apple (AAPL), Microsoft (MSFT), Amazon (AMZN) e Tesla (TSLA).

  dfd

Ironicamente, o único grande banco que entrou na lista dos 10 principais investimentos do índice ESG é o JPMorgan, que foi um dos primeiros a prever um superciclo de commodities e agora aponta para os retornos fracos do ESG.

Ficou cada vez mais difícil ser um gestor de fundos livre de combustíveis fósseis, de baixo carbono ou ESG com critérios de investimento rigorosos após os preços do petróleo e do gás natural dispararem.

PUBLICIDAD

Dados da Morningstar Direct mostram que apenas quatro dos 193 fundos negociados em bolsa (ETFs) de baixo carbono e livres de combustíveis fósseis nos EUA apresentaram retornos positivos este ano, e o grupo teve perda média de 13,5%.

A divergência entre investimentos baseados em carbono e livres de carbono provavelmente continuará de acordo com o JPMorgan, especialmente devido ao crescente interesse de fundos quantitativos e de crescimento.

A energia é o único setor que está vendo suas pontuações de qualidade, crescimento e valorização melhorarem simultaneamente, mantendo um perfil atraente de valor e renda”, escreveram Lukas-Bujas e equipe.

Os analistas observam que a energia agora passou de pontuações negativas para positivas na maioria das métricas quantitativas e passa de alocações curtas para longas, refletindo o que aconteceu com as ações de tecnologia em 2016.

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também

PUBLICIDAD