PUBLICIDAD
PUBLICIDAD
Mercados

Ibovespa ignora exterior negativo e fecha no azul, enquanto dólar cai

After Hours: Mercados seguiram repercutindo sessão de cautela e preocupações com a crescente pressão inflacionária global

After hours
12 de Maio, 2022 | 05:47 pm

Bloomberg Línea — Ignorando o sentimento negativo do exterior e puxado pelo bom desempenho de ações do setor financeiro, o Ibovespa (IBOV) encerrou o pregão desta quinta-feira (12) em alta de 1,24%, retomando os 105 mil pontos. Já o dólar recuava, negociado a R$ 5,13, após ter apresentado alta pela manhã.

Entre os bancos, destaque para a alta de 4,55% do BTG Pactual (BPAC11) e de 2,54%, do Banco do Brasil (BBAS3). A maior alta do dia, contudo, veio dos papéis de Qualicorp (QUAL3), com ganhos de 10,49%, a R$ 11,59.

PUBLICIDAD

Na ponta oposta, as maiores baixas vieram das ações de Minerva (BEEF3), com queda de 7,54%, após a divulgação dos resultados do primeiro trimestre, seguida por CSN (CSNA3), que caiu 5,53%.

Confira como fecharam os mercados nesta quinta-feira (12):

O movimento da Bolsa brasileira foi contrário à queda vista hoje nas bolsas na Europa e dos Estados Unidos. Por lá, o mau humor tomou conta dos mercados em meio às preocupações de que uma política monetária restritiva por parte dos principais bancos centrais possa levar a economia global a uma recessão.

PUBLICIDAD

A cautela se manteve firme nesta quinta, pois os dados mostraram que os preços pagos aos produtores dos EUA subiram mais do que o previsto em abril, reforçando as apostas de que o Federal Reserve apertará ainda mais a política.

Embora os principais índices de ações americanos tenham perdido mais de US$ 6 trilhões desde 29 de março, o guru dos emergentes Mark Mobius disse à CNBC que o S&P 500 “provavelmente cairá”, acrescentando que “não estamos no fundo, mas podemos estar no início dele. Um fundo precisa que todos desistam da esperança.”

Para os estrategistas do Citigroup, as ações em crescimento - incluindo o setor de tecnologia prejudicado - provavelmente permanecerão sob pressão à medida que os bancos centrais apertam a política.

PUBLICIDAD

-- Com informações da Bloomberg News

Leia também:

Verdadeiro ou falso: Colapso das cripto é um risco real para El Salvador?

Turquia é a mais recente a congelar preços para controlar inflação; há risco no Brasil?

Últimas BrasilIbovespaJurosDólarBloomberg LíneaAções
Mariana d'Ávila

Mariana d'Ávila

Redatora na Bloomberg Línea. Jornalista brasileira formada pela Faculdade Cásper Líbero, especializada em investimentos e finanças pessoais e com passagem pela redação do InfoMoney.

PUBLICIDAD