Mercados

Ibovespa segue exterior e cai à espera de ata do Fed e com sanções à Rússia

Investidores esperam o aperto monetário mais acentuado em quase três décadas nos EUA, após falas ‘duras’ de dirigente do Fed na véspera

Mercados têm sessão de cautela, à espera de ata do Federal Reserve, nos EUA.
06 de Abril, 2022 | 11:14 AM

Bloomberg Línea — A sessão desta quarta-feira (6) é de cautela para os mercados globais, que aguardam a divulgação da ata da última reunião do Federal Reserve, o banco central americano. O Ibovespa (IBOV) segue o desempenho do exterior e opera em queda nesta manhã, na casa dos 117 mil pontos.

PUBLICIDAD

A expectativa é de que o Fed realize o aperto monetário mais acentuado em quase três décadas, dada a forte alta da inflação e valorização das commodities.

Ontem, Lael Brainard, que dirige o Fed de Minneapolis, afirmou que o banco central americano elevará os juros de forma constante e que reduzirá o balanço patrimonial em ritmo acelerado a partir de maio. A fala mais dura da dirigente contrariou o esperado pelo mercado financeiro, que previa uma redução do balanço patrimonial do Fed para um pouco mais adiante.

PUBLICIDAD

Os investidores temem que um banco central mais restritivo possa inibir o crescimento da economia americana, conduzindo-a até mesmo a uma recessão.

Também contribuía para o sentimento de maior aversão ao risco nesta quarta as novas sanções à Rússia, após alegações de assassinatos de civis em cidades ucranianas agora recapturadas das forças russas.

PUBLICIDAD

Até o momento, comenta-se a intenção da União Europeia de proibir a importação de carvão mineral russo. Os ministros das Relações Exteriores da Otan estão reunidos em Bruxelas enquanto os EUA e seus aliados coordenam uma nova rodada de sanções para punir o Kremlin.

Em meio à expectativa de novas restrições, o preço do petróleo avançava nesta quarta, sendo negociado acima dos US$ 100.

Por aqui, as atenções recaem sobre o noticiário corporativo e sobre a Petrobras (PETR3; PETR4). Segundo um empresário ouvido pela Bloomberg Línea sob a condição de não ser identificado, o nome de Caio Paes de Andrade, cotado para presidir a estatal, sofre oposição de lideranças do setor de óleo e gás.

PUBLICIDAD

Ainda no radar, o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), afirmou ontem que não vê no momento qualquer motivo para que se discuta uma eventual privatização da petroleira.

Confira o desempenho dos mercados nesta manhã:

PUBLICIDAD
  • Às 11h13 (horário de Brasília), o Ibovespa operava em queda de 1,08%, aos 117.596 pontos;
  • O dólar à vista subia cerca de 1%, negociado aos R$ 4,70;
  • Entre os contratos de juros futuros, o DI para 2025 avançava 14 pontos-base, a 11,46%;
  • Nos EUA, o Dow Jones recuava 0,8%, o do S&P 500 recuava 1,1%, enquanto o da Nasdaq cedia mais de 2,4%;
  • Na Europa, o movimento também era de queda: o índice Dax, da Alemanha, recuava cerca de 2%, enquanto o CAC-40, de Paris, caía 2,3%.

Leia também:

Flutuação das commodities veio para ficar, diz chefe da Cargill

Últimas BrasilBloomberg LíneaAçõesIbovespaJurosDólar
Mariana d'Ávila

Mariana d'Ávila

Redatora na Bloomberg Línea. Jornalista brasileira formada pela Faculdade Cásper Líbero, especializada em investimentos e finanças pessoais e com passagem pela redação do InfoMoney.

PUBLICIDAD