Mercados

Mercados da Ásia sofrem pressão após quedas de ações de tech nos EUA

Futuros do Japão, Austrália e Hong Kong caíam, enquanto os contratos dos EUA oscilavam, depois que o S&P 500 caiu para uma mínima de seis semanas

Um impasse entre Moscou e a Europa sobre o fornecimento de energia e a guerra na Ucrânia se intensificou
Por Sunil Jagtiani
26 de Abril, 2022 | 08:17 PM

Bloomberg — As ações na Ásia podem ficar sob pressão na quarta-feira, depois que os índices acionários dos Estados Unidos afundaram com balanços mistos, alimentando preocupações de que o crescimento econômico desacelerará. A aversão ao risco provocou um salto nos títulos do Tesouro e impulsionou o dólar.

PUBLICIDAD

Os futuros do Japão, Austrália e Hong Kong caíam, enquanto os contratos dos EUA oscilavam, depois que o S&P 500 caiu para uma mínima de seis semanas e o Nasdaq 100, pesado em tecnologia, caiu a níveis vistos pela última vez em 2021.

Os vencimentos mais curtos lideraram o rali nos títulos do Tesouro, enquanto um indicador do dólar avançou para uma alta de quase dois anos e o euro enfraqueceu para o menor desde 2017. O rendimento dos EUA de 10 anos recuou 10 pontos-base para 2,72%.

PUBLICIDAD

Nos mercados de commodities, o petróleo fechou acima de US$ 100 o barril. Isso seguiu-se a garantias de autoridades da China de apoio econômico, à medida que a economia do país luta com os bloqueios do covid.

Uma série de balanços de empresas como Alphabet (GOOG) e Texas Instruments incluíam algumas decepções, semeando dúvidas sobre se os lucros corporativos podem resistir ao aperto agressivo da política do Federal Reserve para domar a inflação descontrolada. Os ganhos da Microsoft (MSFT) no pós-mercado aliviaram um pouco.

PUBLICIDAD

“Sabemos que o sentimento está em um estado terrível agora”, disse Lori Calvasina, chefe de estratégia de ações dos EUA na RBC Capital Markets LLC, à Bloomberg Television. “Este é um mercado muito, muito confuso. Há apenas uma verdadeira falta de convicção em qualquer coisa que as pessoas queiram comprar neste momento.”

Enquanto isso, um impasse entre Moscou e a Europa sobre o fornecimento de energia e a guerra na Ucrânia se intensificou.

A Rússia cortará o fornecimento de gás para a Polônia e a Bulgária na quarta-feira (27), cumprindo a ameaça de interromper os fluxos para países que recusam a nova exigência do presidente Vladimir Putin de pagar o combustível em rublos.

PUBLICIDAD

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também

PUBLICIDAD

Bloomberg Línea lança lista de 50 Mulheres de Impacto da América Latina em 2022

Iniciativa vai investir US$ 45 milhões em startups para proteger a Amazônia

Últimas Brasil
PUBLICIDAD