Internacional

Afeganistão: quais estragos o pior desastre natural em anos deixou no país?

Terremoto foi a pior catástrofe a atingir o país desde deslizamento de terra em 2014, que deixou dois mil mortos

País já afetado pela fome e pela economia em colapso terá de enfrentar busca por corpos e tratamento de feridos
Por Eltaf Najafizada
22 de Junho, 2022 | 06:15 pm

Bloomberg — Pelo menos mil pessoas foram mortas e centenas de outras ficaram feridas após um forte terremoto que atingiu o sudeste do Afeganistão durante a madrugada de quarta-feira (22), desencadeando uma nova crise humanitária em um país que já enfrenta uma economia em colapso e a fome.

PUBLICIDAD

A província de Paktika, ao leste, foi a mais afetada, disse Sharafuddin Muslim, o vice-ministro estadual de Gestão de Desastres. A agência de notícias estatal Bakhtar News disse que pelo menos mil pessoas haviam morrido e outras 1,5 mil ficaram feridas – e que o número de mortos poderia aumentar. Helicópteros e equipes de resgate foram enviados para as áreas afetadas, acrescentou.

Também foram relatados óbitos e danos nas províncias vizinhas de Khost e Nangahar, que fazem fronteira com o Paquistão, disse o porta-voz do Taliban, Bilal Karimi. O terremoto foi a pior calamidade a atingir o país desde que um deslizamento de terra matou 2 mil pessoas na província de Badakhshan, no nordeste do país, em 2014.

PUBLICIDAD

Karimi instou as agências de ajuda internacional a ajudar a resgatar os que ainda estão presos nos escombros das casas após o tremor de magnitude 5,9, registrado por volta das 2h30 da manhã no horário local (19h30 da terça-feira pelo horário de Brasília).

A economia do Afeganistão já está em crise depois que a ajuda internacional, que representava cerca de 40% de seu produto interno bruto, foi interrompida desde que o Taliban assumiu o país após a retirada das tropas americanas em agosto do ano passado. Os Estados Unidos também decidiram bloquear o acesso do banco central a cerca de US$ 9 bilhões em reservas no exterior.

PUBLICIDAD

Mais de 24 milhões de pessoas precisam de ajuda humanitária no país, ante cerca de 18,4 milhões no ano passado, disse o Inspetor Geral Especial dos EUA para a Reconstrução do Afeganistão (Sigar, na sigla em inglês) em relatório do mês passado. Mais de 70% das famílias afegãs não têm dinheiro suficiente para comprar alimentos e outros produtos essenciais, acrescentou o estudo.

Relatos mencionam mil mortos e 1,5 mil feridosdfd

O país, na pior seca em três décadas, também foi duramente atingido pelo recente aumento dos preços dos alimentos gerado pela guerra na Ucrânia. A ONU alertou que mais da metade dos 40 milhões de habitantes do país está enfrentando uma fome aguda e que 1 milhão de crianças pode morrer de fome.

O primeiro-ministro interino, Mullah Mohammad Hassan, realizou uma reunião de gabinete de emergência na quarta-feira e destinou US$ 1,1 milhão para ajudar as vítimas, disse Muslim, acrescentando que as famílias dos mortos receberiam US$ 1.116 cada e que os feridos receberiam US$ 558 cada.

PUBLICIDAD

O líder espiritual do Taliban, Haibatullah Akhundzada, pediu a todos os funcionários do governo e cidadãos comuns interessados que viajem às áreas atingidas pelo terremoto para ajudar nos esforços de resgate e socorro, disse Karimi em uma declaração enviada via Whatsapp.

As áreas afetadas são algumas das mais pobres do país, com casas simples de barro e tijolos, e a maioria das pessoas ganha a vida com pequenas fazendas ou com a criação de gado.

PUBLICIDAD

O epicentro do terremoto foi a cerca de 46 km da cidade de Khost, perto da fronteira com o Paquistão, a uma profundidade de 10 km, segundo o Serviço Geológico dos Estados Unidos.

--Com a colaboração de Jane Pong e Unni Krishnan.

PUBLICIDAD

--Este texto foi traduzido por Bianca Carlos, localization specialist da Bloomberg Línea.

Veja mais em Bloomberg.com

PUBLICIDAD

Leia também

Suíça importa ouro da Rússia pela primeira vez desde invasão na Ucrânia

Copa do Mundo pode levar US$ 17 bilhões à economia do Catar

Últimas BrasilAfeganistão
PUBLICIDAD