Viagens

Airbnbs superam apartamentos disponíveis para morar em Nova York

Número total de aluguéis de curto prazo ativos nos cinco distritos da cidade atingiu mais de 22 mil, enquanto aluguéis estão em 7.500

Em Manhattan, o mercado imobiliário fica mais aquecido a cada mês, com o aluguel médio a US$ 3.870 para novos contratos assinados em abril.
Por Michael Tobin
19 de Maio, 2022 | 08:47 AM

Bloomberg — O número de aluguéis de curto prazo na cidade de Nova York supera o número de apartamentos disponíveis para moradia, com pouca oferta para quem procura espaço em um mercado imobiliário aquecido.

PUBLICIDAD

O número total de aluguéis de curto prazo ativos nos cinco distritos da cidade - aqueles listados no Airbnb (ABNB) e Vrbo da Expedia - atingiu mais de 22.000, de acordo com o rastreador de dados AirDNA.

Enquanto isso, o número de apartamentos disponíveis para inquilinos morarem em Manhattan, Brooklyn e uma parte do Queens gira em torno de 7.500, de acordo com um relatório da corretora Douglas Elliman Real Estate. A AirDNA define listagens ativas como aquelas com um dia reservado ou disponível no último mês.

PUBLICIDAD

Em Manhattan, o mercado imobiliário fica mais aquecido a cada mês, com o aluguel médio a US$ 3.870 para novos contratos assinados em abril. Havia 4.709 apartamentos para alugar no mês passado, abaixo dos 20.743 do ano anterior.

A taxa de desocupação em Manhattan ficou em pouco mais de 1,5% no mês passado, o segundo nível mais baixo já registrado, segundo a avaliadora Miller Samuel Inc.

PUBLICIDAD

Os críticos dizem que o modelo de negócios do Airbnb torna as casas inacessíveis nas grandes cidades que são atraentes para turistas. O Airbnb é especializado em mercados urbanos, enquanto seu concorrente Vrbo se concentra mais em casas para férias inteiras.

Nova York reforçou algumas restrições aos aluguéis de curto prazo, exigindo que plataformas como o Airbnb compartilhem dados de hospedagem e anúncios com a cidade se quiserem alugar sua casa por menos de 30 dias. Nova York também requer que um anfitrião esteja presente na casa se for alugada por menos de 30 dias.

O Airbnb disse que a realidade é diferente do que os números sugerem.

PUBLICIDAD

“Conforme apresentados, os dados fornecem uma visão injustamente estreita da disponibilidade de unidades de aluguel em uma parte da cidade versus dados de aluguel de curto prazo para toda a cidade”, disse um porta-voz do Airbnb em comunicado, acrescentando que a oferta da empresa diminuiu nos últimos dois anos. A maioria dos anúncios do Airbnb estão concentrados em Manhattan.

Veja mais em bloomberg.com

PUBLICIDAD

Leia também

Aposta agro do Pátria vende R$ 1 bi em insumos e será paga em soja e milho

Últimas BrasilNova YorkAirbnb
PUBLICIDAD