Mercados

Alívio a restrições na China anima os mercados da Europa e dos EUA

Contudo, no mercado pairam incertezas como a reação das economias à inflação e aos juros maiores e impacto do novo cenário nos balanços do 2T22

As variáveis que orientarão os mercados
28 de Junho, 2022 | 06:31 am

Barcelona, Espanha — As nuvens não se dissiparam, há mais incertezas que certezas, mas o relaxamento dos protocolos da China para deter os contágios por Covid-19 anima os mercados. Com o gigante asiático voltando à normalidade, diminuem as preocupações em torno das interrupções nas cadeias de abastecimento e do crescimento global.

PUBLICIDAD

→ Leia o Breakfast, uma newsletter da Bloomberg Línea: É hora de ajustar o portfólio?

🛤️ Voltando aos trilhos. A China reduziu pela metade o tempo que os recém-chegados devem passar isolados - a maior mudança até agora em uma política de restrição que deixou o país isolado e fez crescer as ameaças à economia mundial. A ideia de um novo impulso à demanda levantava tanto as cotações do petróleo como das moedas sensíveis às commodities.

PUBLICIDAD

🤕 Fragilidade. Contudo, ainda que a China tenha soprado um ar de otimismo, o cenário continua incerto e o mercado, suscetível - especialmente no setor de renda variável. O contexto de juros cada vez mais altos, remédio dos bancos centrais para paliar a inflação recorde, acende o temor de uma recessão. Além disso, é grande a expectativa quanto aos balanços empresariais, cuja temporada do segundo trimestre já está começando.

🏊‍♀️ Na contracorrente. Enquanto isso, o Banco Popular da China se comprometeu a manter uma política monetária expansionista. Enquanto os demais bancos centrais mundiais têm apertado os cintos com juros mais altos, a instituição chinesa acena com novos estímulos, os quais provavelmente privilegiariam o aumento do crédito, em vez de redução dos juros.

PUBLICIDAD

→ Também move os mercados

🔮 Direção sobre o futuro. A atenção do mercado também está dirigida ao evento promovido em Portugal pelo Banco Central Europeu (BCE). O destaque de hoje é a presidente Christine Lagarde, de quem o mercado espera ouvir alguma pista sobre o pacote para evitar fragmentações no mercado de dívida do bloco. Mas o dia forte será amanhã, quando, além de Lagarde, discursam o presidente do Federal Reserve (Fed), Jerome Powell, e do Bank of England (BoE), Andrew Bailey.

💶 Juro mais alto na Europa. Esta manhã, Lagarde voltou a falar de seu seu plano de aplicar uma primeira alta das tasas de juros em julho, de 0,25 ponto percentual, mas disse que a autoridade monetária estaria disposta a intensificar a ação para fazer frente à inflação recorde, se o julgar necessário.

Um panorama desta manhã de terça-feiradfd
🟢 As bolsas ontem: Dow Jones Industrials (-0,20%), S&P 500 (-0,30%), Nasdaq Composite (-0,72%), Stoxx 600 (+0,52%), Ibovespa (+2,12%)

As bolsas norte-americanas iniciaram a última semana do mês com quedas, em um dia de baixo volume financeiro e com os investidores recalibrando suas carteiras para o próximo semestre. O mercado continua atento à possibilidade de uma recessão e à agressividade com a qual o Fed decide aumentar suas taxas de juros para conter a inflação mais alta em décadas. Os pedidos de bens duráveis às fábricas dos EUA aumentaram mais do que o esperado em maio, sugerindo que o investimento empresarial mantém-se firme até agora.

PUBLICIDAD

Na agenda

Esta é a agenda prevista para hoje:

EUA: Balança Comercial de Bens/Mai; Nível de Estoques do Varejo excluindo Automóveis/Mai, Estoques no Atacado; Índice Redbook; Índice de Preços de Imóveis/Abr; Estoques de Petróleo Bruto Semanal - API

Europa: Alemanha (Clima do Consumidor GfK/Jul); França (Confiança do Consumidor/Jun)

PUBLICIDAD

Ásia: Japão (Vendas no Varejo/Mai)

América Latina: Brasil (Empréstimos Bancários/Mar); México (Taxa de Desemprego/Mai); Argentina (Transações Correntes/1T22)

PUBLICIDAD

Bancos centrais: Pronunciamentos de Christine Lagarde (presidente do BCE), Philip Lane (BCE), Frank Elderson (BCE), Fabio Panetta (BCE), Mary Daly (Fed de São Francisco), Jon Cunliffe (BoE)

📌 Para a semana:

Quarta-feira: PIB dos EUA e discursos de presidentes em evento do Banco Central Europeu: Christine Lagarde (BCE), Jerome Powell (Fed) e Andrew Bailey (BoE). Loretta Mester (Fed Cleveland) e James Bullard (Fed St Louis) também têm previstos pronunciamentos.

PUBLICIDAD

Quinta-feira: PMI da China. Renda do consumidor americano, deflator PCE, reivindicações iniciais de seguro-desemprego

Sexta-feira: CPI da Zona Euro; gastos com construção nos EUA, Índice ISM de Manufatura

(Com informações da Bloomberg News)

MercadosÚltimas BrasilEuropaEstados UnidosNo radar dos mercadosBloomberg Línea
Michelly Teixeira

Michelly Teixeira

Jornalista com mais de 20 anos como editora e repórter. Em seus 12 anos de Espanha, trabalhou na Radio Nacional de España/RNE e colaborou com a agência REDD Intelligence. No Brasil, passou pelas redações do Valor, Agência Estado e Gazeta Mercantil. Tem um MBA em Finanças, é pós-graduada em Marketing e cursa um mestrado em Digital Business na Esade.

PUBLICIDAD