PUBLICIDAD
PUBLICIDAD
Mercados

Alta de juros nos EUA puxa venda generalizada em emergentes como o Brasil

Mesmo os ativos que poderiam se beneficiar da alta de juros tem sido puxados pelo sell-off no exterior

Euronext NV, París
Por Srinivasan Sivabalan y Amelia Pollard e Emily Graffeo
09 de Maio, 2022 | 05:11 pm

Bloomberg — O aperto de política monetária mais agressivo do Federal Reserve em duas décadas puxa os mercados emergentes para uma liquidação generalizada, em que não ficam ilesos nem mesmo os ativos que deveriam se sair bem quando juros sobem.

PUBLICIDAD

Tome as chamadas ações de valor. Esses papéis de empresas maduras com dividendos altos e valuations baratos têm demanda crescente nos EUA e na Europa, onde investidores atualmente as preferem a ações mais caras em setores de rápida expansão, como tecnologia.

Essa rotação de crescimento para valor não está acontecendo em países em desenvolvimento, onde ambos os tipos de ações caem. O contraste sugere que os mercados emergentes podem estender seu baixo desempenho contra ações dos EUA para um quinto ano consecutivo.

PUBLICIDAD

Embora ciclos de aperto monetário anteriores tenham coincidido com altas nos países em desenvolvimento, desta vez pode ser mais difícil porque o Fed não atenuou seu aperto com uma retórica de acomodação como fez, por exemplo, em 2016.

Na verdade, a liquidez está secando em todo o mundo, deixando investidores com pouco apetite até por ações baratas.

PUBLICIDAD

“Isso remonta à filosofia básica de investimento em mercados emergentes: você geralmente não quer estar comprado neles até que o Fed tenha terminado” seu aperto, disse Nick Colas, cofundador da DataTrek Research.

As ações de valor geralmente são favorecidas no início dos ciclos de aperto porque seus lucros e dividendos superiores ajudam os investidores a amortecer o impacto de custos de empréstimos mais altos e a consequente revisão dos valuations.

Mas agora, essa conexão está quebrada. O MSCI EM Value Index caiu 16% nos últimos três meses, acompanhando um declínio de 20% no indicador correspondente para ações de crescimento.

PUBLICIDAD

A história mostra situações diferentes. Durante o ciclo de aperto do Fed de 2004 a 2007, o indicador de ações de valor saltou 216%. Nos dois anos até janeiro de 2018, sua alta de 61% coincidiu com as altas do Fed.

Um fator chave por trás da baixa indiscriminada agora é a força do dólar. O dólar impõe o mesmo risco cambial a todos os ativos, independentemente dos valuations. Isso deixa pouco espaço para traders distinguirem entre eles.

PUBLICIDAD

Reversão de Commodities

Os principais componentes do universo de ações de valor, commodities e finanças, começaram a vacilar. O Bloomberg Commodity Index vem caindo desde o pico de 18 de abril, enquanto o petróleo caiu 13% desde o início de março. Traders desfazem suas apostas em moedas, títulos e ações dependentes de commodities, o que levou a uma queda de 6% nos fluxos de capital para o mundo em desenvolvimento nas últimas cinco semanas.

“Os fluxos para mercados emergentes tendem a seguir a força do dólar”, disse Arte Hogan, estrategista-chefe de mercado da National Securities. “A alta prejudica bastante os fluxos.”

PUBLICIDAD

Veja mais em bloomberg.com

Leia também

PUBLICIDAD

Frenesi das meme stocks contribui para arrecadação recorde de impostos nos EUA

Traders acertam na América do Sul ao duvidar de bancos centrais

Últimas BrasilJurosEmergentes