Internacional

Alta do juro na Europa e outros 4 fatos para você saber para começar o dia

Veja os assuntos que devem marcar o sentimento dos mercados ao redor do mundo nesta quinta-feira (16)

Futuros dos EUA eram negociados em queda nesta manhã, com os investidores digerindo a maior alta de juros do Fed desde 1994
Por Eddie van del Walt
16 de Junho, 2022 | 10:30 AM

Bloomberg — A quinta-feira (16) começa com os futuros em queda com investidores ainda digerindo a decisão do Federal Reserve de um aumento agressivo, de 75 pontos base (0,75 ponto percentual) na taxa básica de juros. O banco central americano sinalizou mais aumentos adiante e o risco de recessão está no radar dos economistas e investidores. No Brasil, a bolsa está fechada com o feriado de Corpus Christi.

PUBLICIDAD

1. Mercados na defensiva

Os mercados estão na defensiva mais uma vez, depois da euforia de ontem à espera da decisão de juros do Federal Reserve e logo depois do comunicado. Os futuros americanos caíam na manhã de hoje, enquanto os rendimentos dos títulos do Tesouro de 10 anos subiram 15 pontos base, para cerca de 3,4%. O franco suíço avançou mais de 1% em relação ao dólar depois que o Banco Nacional Suíço surpreendeu com uma alta de juros de 0,5%. Já a libra era negociada sem muitas alterações também diante do aumento da taxa básica pelo Banco da Inglaterra. No Brasil, a bolsa está fechada por causa do feriado de Corpus Christi, com as negociações retomando normalmente nesta sexta-feira (17).

2. Risco de recessão

O Federal Reserve elevou as taxas de juros em 75 pontos base - o maior aumento desde 1994 - e o presidente Jerome Powell indicou outro grande aumento para o próximo mês. Com isso, os formuladores de políticas monetárias elevaram as expectativas sobre o ponto em que a taxa de referência do Fed terminará no próximo ano para uma média de 3,8%, ante 2,8%. Uma recessão pode ser necessária para domar a inflação, e é provável que isso aconteça ainda durante o mandato do presidente Joe Biden.

PUBLICIDAD

3. Aumento generalizado

Mais cedo, o Banco Nacional Suíço surpreendeu os mercados com uma alta de 50 pontos base, a primeira alta de juros desde 2007. Todos os economistas consultados pela Bloomberg antes da decisão disseram que nenhuma mudança seria anunciada na reunião de hoje pelo banco central do país europeu. Na esteira, a Hungria também aumentou inesperadamente as taxas, assim como o Banco da Inglaterra, que elevou a taxa em 25 pontos base, para 1,25%, o quinto aumento consecutivo. É improvável que o Banco do Japão anuncie quaisquer mudanças de política em sua reunião, mesmo com o iene sendo negociado perto das mínimas de 24 anos em relação ao dólar.

4. Criptos em queda

Uma possível alta das criptomoedas foi interrompida hoje pela perspectiva crescente de um prolongamento do aumento das taxas de juros do Fed. Todos os ativos, do bitcoin aos menores e menos conhecidos – os chamados altcoins – anularam seus ganhos anteriores. Uma queda do bitcoin abaixo da faixa de US$ 20 mil pode desencadear grandes liquidações de posições alavancadas, disseram executivos do mercado de criptomoedas. Além disso, a plataforma de empréstimo de criptoativos Celsius Network agora tem opções limitadas para permanecer solvente depois que sua decisão de congelar saques desencadeou uma das maiores falhas de tokens digitais em anos, de acordo com a empresa de pesquisa Kaiko.

PUBLICIDAD

5. Também hoje...

A agenda econômica de hoje inclui dados de habitação e licenças de construção de maio, além de perspectivas comerciais do Fed da Filadélfia de junho e pedidos semanais de desemprego. Vários membros do BCE devem falar ao longo do dia. Os dados de armazenamento de gás natural da EIA serão divulgados às 11h30. A Adobe e a Kroger estão entre as empresas programadas para divulgar seus resultados.

– Esta notícia foi traduzida por Melina Flynn, Content Producer da Bloomberg Línea.

Veja mais em Bloomberg.com

PUBLICIDAD

Leia também:

Como ficam os investimentos com juros em alta no Brasil e no mundo?

Homem confessa assassinato de indigenista e jornalista desaparecidos, diz PF

Últimas BrasilMercadosInflaçãoFederal Reserve
PUBLICIDAD