Opinião

As pessoas devem deixar o dinheiro junto ou separado depois do casamento?

Os casais de hoje têm mais opções quando se trata de como administrar seu dinheiro, escreve Erin Lowry em Bloomberg Opinion

Se você estiver constantemente brigando sobre finanças, talvez o banco conjunto seja o método para você
Por Erin Lowry
01 de Maio, 2022 | 09:31 AM

Bloomberg Opinion — Existe uma maneira de um casal lidar com o dinheiro: em conjunto. Bem, era assim que costumava ser – afinal, as mulheres precisavam de um co-signatário masculino para acessar crédito até 1974.

PUBLICIDAD

Os casais de hoje têm mais opções quando se trata de como administrar seu dinheiro.

O clássico de ser completamente conjunto permanece. É simplificado, é simples, é com o que você pode ter crescido. A segunda opção é algum nível de separação. Isso às vezes foi aconselhado em segredo: as mães avisavam as filhas para guardar algum dinheiro no caso de precisarem escapar de um casamento ruim.

PUBLICIDAD

Hoje em dia, ter contas separadas está mais frequentemente ligado aos aspectos práticos de se casar depois que ambas as partes estão estabelecidas profissionalmente e talvez desejem um certo nível de independência. Para alguns, isso significa um modelo híbrido de ter contas conjuntas e individuais. Para outros, é uma separação completa das finanças.

Nenhuma das escolas de pensamento está errada, mas um estudo recente descobriu que os casais que fazem transações bancárias em conjunto são mais propensos a experimentar satisfação no relacionamento e são menos propensos a terminar, principalmente quando se trata de pessoas com menos recursos financeiros.

PUBLICIDAD

Uma teoria para o porquê era que os casais “que agrupavam suas contas bancárias usavam mais pronomes como ‘nós’ e menos pronomes como ‘eu’”. Satisfação conjugal, em parte por causa da dependência mútua um do outro. Em outras palavras, a transição de “meu dinheiro e seu dinheiro” para “nosso dinheiro” pode estabelecer algumas bases para se tornar uma equipe.

É um estudo interessante, e existem várias maneiras de questionar e interpretar os resultados. Afinal, é difícil determinar a causalidade. (E se a pressão social foi o que levou os casais a combinar toda a sua riqueza? E se algum outro fator foi o que fez os casais ficarem juntos?)

Eu diria que fortes habilidades de comunicação podem ser desenvolvidas tanto, se não mais, quando os parceiros têm finanças separadas. Ter pelo menos uma conta bancária separada do seu cônjuge não exclui a necessidade de ser uma equipe em torno das finanças. Na verdade, manter alguma autonomia no casamento pode promover um ambiente saudável para ambos os parceiros e apoiar a satisfação do relacionamento a longo prazo.

PUBLICIDAD

Meu marido e eu nos referimos a 90% do nosso dinheiro (renda, poupança e investimentos) como “nosso dinheiro”. Eu até mudei minha linguagem depois do casamento para me referir aos empréstimos estudantis que ele carregava como “nossos empréstimos estudantis” enquanto trabalhávamos para pagá-los juntos. (Tivemos muitas conversas antes do noivado e depois do casamento sobre como lidaríamos com o dinheiro depois de dizer “sim”. Na minha opinião, não importa de quem seja a renda para pagá-los, esses empréstimos afetariam nossa situação financeira geral como casal, tornando nosso problema resolver.)

Os 10% do nosso dinheiro que vão para contas separadas não desfaz todo o trabalho que fizemos para construir uma vida juntos. Na verdade, ajuda a reduzir o nitpicking fútil. Ainda queremos gastar dinheiro de maneiras que o outro pode não conseguir totalmente, por isso ajuda cada um ter dinheiro para gastos discricionários depositado em nossas contas correntes individuais todos os meses.

PUBLICIDAD

Ter uma única conta separada por pessoa pode criar um território perigoso para alguns casais, dependendo de como essas contas são financiadas. Não importa quem ganha o quê, o dinheiro para gastos discricionários mensais deve ser o mesmo por pessoa. O rateio com base na renda pode criar uma sensação de direito e separação. Por exemplo, atualmente ganho mais do que meu marido, mas ambos temos a mesma quantia de dinheiro para gastar todos os meses, e isso se baseia no que faz sentido para nosso orçamento doméstico geral e outras metas financeiras.

É fundamental que você coloque as necessidades financeiras de sua parceria antes do financiamento de contas individuais para promover a união. Caso contrário, é fácil se tornar territorial e autoritário.

PUBLICIDAD

Por outro lado, estar 100% separado é um desafio. Funciona para alguns casais, especialmente aqueles que já foram casados ou têm filhos de outros relacionamentos. Mas, no geral, ter famílias financeiras separadas sob o mesmo teto requer um tipo diferente de confiança, muita comunicação e boa gestão. Se os gastos forem completamente isolados, pode ser um terreno fértil para conflitos se uma pessoa começar a ganhar e gastar significativamente mais.

Há outra razão simples pela qual eu argumentaria para manter algum dinheiro separado: as finanças são uma das maneiras pelas quais os abusadores podem tentar controlar suas vítimas e impedi-las de sair. A dependência financeira, com ou sem abuso, é uma razão comum pela qual muitas pessoas – mas mais frequentemente mulheres – permanecem em casamentos que preferem terminar. Embora as contas secretas sejam frequentemente consideradas infidelidade financeira, sua segurança tem precedência. Se você se encontrar em uma situação em que precisa sair, ter uma conta que você não contou é perfeitamente aceitável.

PUBLICIDAD

Em um relacionamento saudável e não abusivo, você deve discutir abertamente seu desejo de ter uma conta apenas em seu nome. Explique a história da família ou experiências pessoais que fazem você sentir a necessidade de ter alguma separação. Não é uma reflexão sobre o seu parceiro atual, mas sim o que é melhor para o seu bem-estar.

É mais fácil falar sobre dinheiro se tudo estiver completamente simplificado em contas conjuntas que ambas as partes podem acessar facilmente. Ter qualquer nível de separação exige mais comunicação, principalmente se cada pessoa for responsável por contas diferentes. Acompanhar o que foi pago ou quais investimentos foram financiados pode, é claro, ser tedioso. Então, se você se encontrar constantemente brigando sobre finanças, talvez o banco conjunto seja o método para você.

PUBLICIDAD

A conclusão é que você precisa se comunicar para encontrar uma estratégia que funcione para você. E uma vez que você tomar essa decisão, fique com ela.

Esta coluna não reflete necessariamente a opinião do conselho editorial ou da Bloomberg LP e de seus proprietários

FinançasEstilo de vida
PUBLICIDAD