Mercados

Ata do Fed aponta para mais altas de juros e revisa previsão de inflação

Rendimentos do Tesouro flutuavam, as ações americanas subiam e o dólar reduzia ganhos após a divulgação da ata

Ata confirmou o apoio da maioria das autoridades para continuar os aumentos de juros pelo menos nas próximas duas reuniões, com a batalha inflacionária longe de ser vencida
Por Craig Torres
25 de Maio, 2022 | 03:34 PM

Bloomberg — A maioria das autoridades do Federal Reserve concordou em sua reunião deste mês que o banco central americano precisava apertar os juros em doses de meio ponto nas próximas reuniões, seguindo um conjunto agressivo de medidas que deixariam os formuladores de políticas com flexibilidade para mudar de marcha mais tarde, se necessário.

PUBLICIDAD

“A maioria dos membros julgou que aumentos de 50 pontos-base no intervalo da meta provavelmente seriam apropriados nas próximas reuniões”, mostrou a ata da reunião do Fed de 3 a 4 de maio divulgadas nesta quarta-feira em Washington. “Muitos membros julgaram que acelerar a remoção da acomodação de políticas deixaria o comitê bem posicionado no final deste ano para avaliar os efeitos da consolidação de políticas e até que ponto os desenvolvimentos econômicos justificam ajustes nas políticas”.

Os rendimentos do Tesouro flutuavam, as ações subiam e o dólar reduzia ganhos após a divulgação da ata. Os mercados continuaram a mostrar traders precificando 100 pontos base de aumentos de juros nas próximas duas reuniões.

PUBLICIDAD

Os banco central dos EUA está tentando conter a inflação mais alta em 40 anos sem levar a economia a uma recessão. Depois de aumentar as taxas de juros em meio ponto percentual na reunião de maio, a ata confirmou o apoio da maioria das autoridades para continuar esses aumentos pelo menos nas próximas duas reuniões, com a batalha inflacionária longe de ser vencida.

Autoridades do Fed “observaram que uma postura restritiva de política pode se tornar apropriada dependendo da evolução das perspectivas econômicas e dos riscos”, disse o documento. Eles disseram que a demanda de trabalho continuou a superar a oferta disponível.

PUBLICIDAD

Nas semanas que se seguiram à reunião, a volatilidade do mercado financeiro aumentou à medida que os investidores se preocupavam com o risco de uma desaceleração. As ações despencaram, os títulos do Tesouro subiram e os investidores reduziram as apostas sobre a rapidez com que as taxas de juros subirão. O presidente do Fed de Atlanta, Raphael Bostic, sugeriu na segunda-feira (23) que uma pausa em setembro “poderia fazer sentido” se as pressões de preços diminuíssem. A ata mostrou autoridades atentas às condições financeiras enquanto se preparam para aumentar ainda mais as taxas.

“Vários participantes que comentaram questões relacionadas à estabilidade financeira observaram que o aperto da política monetária pode interagir com vulnerabilidades relacionadas à liquidez dos mercados de títulos do Tesouro e à capacidade de intermediação do setor privado”, diz a ata.

A preocupação com as perspectivas de lucros das empresas e o aumento das taxas de juros também abalaram os mercados financeiros. O índice de ações S&P 500 caiu 17% no acumulado do ano até terça-feira (24), enquanto as notas de dois anos do Tesouro dos EUA renderam 2,48% contra cerca de 0,8% no início de janeiro.

PUBLICIDAD

Balanço patrimonial

Na reunião, as autoridades também finalizaram planos para permitir que seu balanço patrimonial de US$ 8,9 trilhões começasse a encolher, pressionando ainda mais os custos de empréstimos. A partir de 1º de junho, as participações em títulos do Tesouro poderão diminuir em US$ 30 bilhões por mês, aumentando em incrementos para US$ 60 bilhões por mês em setembro, enquanto as participações em títulos lastreados em hipotecas diminuirão em US$ 17,5 bilhões por mês, aumentando para US$ 35 bilhões.

A ata mostrou que a equipe do Fed revisou para cima sua previsão de inflação. Eles estimaram que o índice de preços de gastos com consumo pessoal aumentaria 4,3% em 2022, antes de desacelerar para um aumento de 2,5% no próximo ano.

PUBLICIDAD

Os EUA estão rapidamente retirando o estímulo monetário enquanto tentam conter as taxas de inflação mais altas em décadas. Os ganhos de preços foram alimentados por baixas taxas de juros, cadeias de suprimentos emaranhadas e custos mais altos de alimentos e energia após a invasão da Ucrânia pela Rússia.

A meta do Fed para seu indicador de inflação preferido, o índice de preços de gastos com consumo pessoal do Departamento de Comércio, é de 2% ao ano. A medida subiu 6,6% nos 12 meses encerrados em março, enquanto o índice de preços ao consumidor do Departamento do Trabalho subiu 8,3% em abril.

PUBLICIDAD

A alta inflação irritou os americanos e prejudicou os índices de aprovação do presidente Joe Biden, com ira também direcionada ao Fed. Mesmo assim, Jerome Powell foi confirmado pelo Senado para um segundo mandato como presidente este mês em uma votação de 80 a 19.

Até agora, o aumento nos custos de empréstimos ainda não afetou significativamente a demanda do consumidor. As vendas no varejo aumentaram em um ritmo sólido em abril, embora com a taxa de hipoteca de 30 anos agora acima de 5%, o ritmo de vendas de casas desacelerou.

PUBLICIDAD

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também

PUBLICIDAD

Apertando os cintos: segue onda de demissões em startups bilionárias

Biden convida Bolsonaro para reunião bilateral durante cúpula

Últimas BrasilFEDInflação
PUBLICIDAD