Brasil

Brasília em off: Guedes cede à pressão sobre subsídios para os combustíveis

Técnicos da equipe econômica atribuem, nos bastidores, a reação ruim do mercado à forma considerada confusa como o governo explicou a PEC

Vista da Esplanada dos Ministérios: governo deve fechar o ano no vermelho com os gastos previstos para segurar os preços dos combustíveis
Por Martha Beck
10 de Junho, 2022 | 04:38 pm

Bloomberg — A equipe econômica já sabia que seria uma questão de tempo até que fosse preciso conceder subsídios aos preços dos combustíveis, incluindo a gasolina, algo que o próprio ministro da Economia, Paulo Guedes, dizia não fazer o menor sentido, pois favoreceria especialmente a alta renda. Diante do inevitável, com a pressão crescente do presidente Jair Bolsonaro e do Congresso a quatro meses das eleições, restou aos técnicos do governo esperar que o mercado compreenda a necessidade da medida.

PUBLICIDAD

Nos bastidores, eles atribuem a reação negativa de investidores à forma considerada atabalhoada como o governo explicou a PEC dos combustíveis e a desoneração de PIS/Cofins e Cide para a gasolina e o etanol. Os técnicos esperam que a retirada de quase R$ 30 bilhões em despesas do teto de gastos neste ano seja compreendida por investidores como algo que não afetará estruturalmente o equilíbrio das contas públicas, uma vez que, em tese, a medida tem data para acabar, no fim deste ano.

Governo central no vermelho

Mesmo assim, o fato é que, para além do teto, as novas medidas vão piorar o desempenho das contas públicas neste ano. A equipe econômica esperava que tanto o governo central quanto o setor público consolidado fechassem 2022 no azul. Agora, com as novas medidas, a previsão para o governo central já virou para um novo déficit. Já o setor público talvez termine o ano com um pequeno superávit.

PUBLICIDAD

Lula apresenta diretrizes

Em documento encaminhado esta semana a partidos aliados, a coordenação da pré-campanha do ex-presidente Lula, apresentou diretrizes preliminares de um futuro programa de governo. Aliados de Lula admitem que muito pode ser mudado ali na hora de negociar com os demais partidos da coligação. No entanto, na economia, uma coisa já é certa: o fim do teto de gastos. Segundo um aliado do ex-presidente, depois da PEC dos precatórios e da nova PEC dos combustíveis é difícil até admitir que o Brasil tem um teto de gastos.

Mais sobre combustíveis

À frente das negociações com o governo sobre propostas para baixar os preços dos combustíveis, o senador Fernando Bezerra Coelho havia anunciado no início da semana o líder do governo no Congresso, senador Eduardo Gomes (PL-TO), como pai da PEC dos combustíveis. Só esqueceram de avisar ao próprio Gomes, que se surpreendeu ao ser procurado por jornalistas para falar sobre o assunto. Gomes chegou a ligar para sua chefe de gabinete para saber do que se tratava. A paternidade acabou sendo dada ao novo líder do governo no Senado, Carlos Portinho (PL-RJ).

Tweets da semana

Veja mais em bloomberg.com

Últimas BrasilBrasíliaPaulo GuedesJair BolsonaroLula
PUBLICIDAD