Cripto

Como ficam os NFTs em meio à queda massiva das criptomoedas

Seguindo o hype das celebridades, Snoop Dogg anunciou nesta semana a compra de dois NFTs - mas analistas alertam para ‘desaquecimento’

Como ficam os NFTs em meio à queda massiva das criptomoedas
26 de Junho, 2022 | 04:47 pm

Bloomberg — Eleito em 2021 como a palavra do ano, os ‘NTFs’ caíram no gosto de celebridades, como é o caso do rapper americano Snoop Doog, que anunciou na última quarta-feira (1) a compra de dois tokens não-fungíveis negociados em Etherium.

PUBLICIDAD

Outra entusiasta é Paris Hilton, que em 2019 lançou sua primeira coleção em NFT e afirmou publicamente investir em criptomoedas desde 2016. Mas embora este tipo de ativo colecionável digital tenha subido de valor nos últimos anos e atraído o investimento de muitos nomes conhecidos, além do gosto de colecionadores de arte e de investidores de risco, analistas chamam a atenção para uma demanda mais desaquecida, ainda que num ritmo menor e menos “traumático” do que as criptomoedas.

Segundo Felipe Medeiros, analista de criptomoedas e sócio da Quantzed Criptos, isso acontece por se tratar de um mercado com menos liquidez. “Existe esse mercado paralelo que exige menos liquidez. Por ser menor e ter explodido agora, com suporte de artistas e influências, é possível manter o mercado aceso ainda. Mesmo assim, a demanda desaqueceu”, explica Medeiros.

PUBLICIDAD

E uma pesquisa da Chainalysis confirma isso. De janeiro a abril de 2022, os NFTs movimentaram cerca de R$ 144 bilhões (US$ 30 bilhões). Embora o valor se aproxime do valor total de transações em 2021, R$ 192 bilhões (US$ 40 bilhões), as transações deste ano representam um volume muito menor, porém mais caro. A queda diária de negociações chega a 90% desde o início deste ano, segundo o NonFungible.

Brasil na “vanguarda”

Há quem faça dos NFTs um meio de vida. Adepto da comercialização de obras em NFT desde 2020, o artista digital sueco Kilian Merz, conhecido como KAM, terá uma de suas obras leiloadas em Etherium no Mobile Photo Festival 2022, que acontece de 14 de maio a 10 de julho de 2022, no Museu da Imagem e do Som (MIS), em São Paulo. “Como artista é possível fazer mais dinheiro de acordo com a oscilação dos preços, e as chances são maiores”, contou à Bloomberg Línea.

PUBLICIDAD

Ainda assim, Merz diz que a lucratividade de uma peça depende principalmente do público e do quão conhecido o artista é, e não necessariamente apenas a complexidade de uma obra, seja ela uma imagem, ilustração ou desenho - como é o caso dos NFTs adquiridos por Dogg nesta semana. “Não tem receita pronta. Muitas vezes mesmo a arte mais complexa de NFT simplesmente não vende”, conta. Sua obra será leiloada no MIS com lances a partir de 1 Etherium, o que equivale a aproximadamente R$ 8.454,77 (US$ 1.779,38).

Um exemplo da “subjetividade” de cada peça é que, em janeiro deste ano, o jogador do Paris Saint-Germain e da Seleção Brasileira, Neymar Jr, divulgou o investimento de R$ 6 milhões (pouco mais de US$ 1,2 milhões) em compra de NFTs. Na ocasião, as duas artes adquiridas faziam parte da coleção “Bored Ape Yatch Club”, dois macacos coloridos entediados, parte de uma valiosa coleção. Em março deste ano, o retorno do investimento do jogador chegou a 24%.

Para Carlos Eduardo Gomes, Head of Research da Hashdex, o Brasil “com certeza está na vanguarda” das NFTs, e justamente pela ideia de propriedade digital ser relativamente nova, muito ainda pode ser feito, tanto do ponto de vista de quem investe neste tipo de ativo quanto para quem cria.

PUBLICIDAD

Um levantamento da Hashdex sobre cultura digital afirma que “a arte digital tem sido um dos mais proeminentes entre todos os diferentes subsegmentos que surgiram no ecossistema de criptoativos”. O mesmo levantamento mostra que a maioria das negociações de NFTs vem da categoria “Artes e Colecionáveis”. Em 2021, o volume de negociação deste tipo de ativo de arte acumulou mais de US$15 bilhões, reportou o levantamento.

Medeiros, da Quantzed, reforça que NFT “não é ativo de hedge”, ou proteção, em português. “Posso afirmar que 99% das coleções criadas perdem o seu valor”, alerta.

PUBLICIDAD

Leia também

Por que CEOs americanos mudaram tom e passaram a alertar sobre a economia

Tesla deve apresentar protótipo de robô que parece humano em meses, diz Musk

Últimas BrasilNFTcripto
Melina  Flynn

Melina Flynn

Melina Flynn é jornalista naturalizada brasileira, estudou Artes Cênicas e Comunicação Social, e passou por veículos como G1, RBS TV e TC, plataforma de inteligência de mercado, onde se especializou em política e economia, e hoje coordena a operação multimídia da Bloomberg Linea no Brasil.

PUBLICIDAD