Startups

Cripto, Buy Now Pay Later, beleza, construção: os setores que captaram esta semana

Entre startups que captaram rodadas de menor tíquete na América Latina nesta semana estão a UME, a B4A, YoCripto e mais

Segundo o Crunchbase, o capital total investido em early-stage na América Latina cresceu mais de 2,5 vezes do primeiro trimestre de 2021 para 2022
06 de Maio, 2022 | 09:29 am

Bloomberg Línea — Bem-vindo às rodadas da semana. Em um momento em que os investidores de venture capital estão sendo atraídos para o early-stage, startups do Brasil, Chile, Bolívia e Argentina receberam suas primeiras rodadas nesta semana.

PUBLICIDAD

Dados do Crunchbase mostram que o capital total investido em early-stage na América Latina cresceu mais de 2,5 vezes, de US$ 500 milhões no primeiro trimestre de 2021 para US$ 1,3 bilhão no primeiro trimestre de 2022.

“É importante ressaltar que as expectativas de diluição neste estágio não mudaram no mesmo período, sinalizando que as avaliações aumentaram em sincronia,” disse Santiago Danino, investidor da Picus Capital na América Latina. “É claro que outros investidores podem ter uma visão diferente, mas achamos que há uma confluência de fatores e razões para isso acontecer”.

PUBLICIDAD

Segundo Danino, dado o cenário atual do mercado, startups de estágio mais avançado têm uma convergência e aumento da concorrência em relação às empresas tradicionais consolidadas que têm unit economics mais fortes, margens atraentes e uma linha de visão clara para lucratividade.

Com o aumento da concorrência no nível superior, a quantidade de capital que já foi comprometida e os obstáculos de retorno que cada um desses investidores possui leva investidores que anteriormente se concentravam nesses estágios mais avançados a revisarem suas estratégias e entrarem nos aportes “mais cedo”.

PUBLICIDAD

“De forma mais ampla, chegamos a um ponto de maturação do mercado latino-americano em que há pontos de prova suficientes para dar aos investidores o conforto necessário para avançar mais cedo, principalmente por meio de vários fundos globais anunciando publicamente seu foco revisado em oportunidades em estágio inicial, aumentando ainda mais o impulso mais amplo dos investidores na mesma direção”, disse Danino.

Além disso, ele considera que a confiança dos investidores em relação a equipes fundadoras mais experientes e de segunda geração na América Latina aumentou, seguindo histórias de sucesso recentes da América Latina em nível global, que, por sua vez, “aumentam o interesse no próximo negócio definidor de categoria global vindo da região”.

Essas foram as startups early-stage que captaram nesta semana:

PUBLICIDAD

Ume

A fintech UME, de crediário digital, o chamado Buy Now, Pay Later, captou US$ 10 milhões (R$ 56 milhões), sendo US$ 5,5 milhões em equity e US$ 4,5 milhões em dívida. O aporte de equity foi liderado pelo fundo Seed venture capital do Vale do Silício NFX e pela empresa brasileira de venture capital Canary, com participação dos fundos BigBets e Clocktower Ventures.

Com a rodada, a empresa do Norte do Brasil irá investir em sua expansão para o varejo nacional, online e lojas físicas.

PUBLICIDAD

B4A

Nove meses depois de captar R$ 10 milhões, a beauty tech B4A captou uma Série A de até R$ 30 milhões. O investimento foi liderado pelo fundo de private equity brasileiro DXA, que já investiu na Zee.Dog. A AcNext, que liderou a rodada anterior, assim como todos os investidores-anjo que estiveram em 2021, participaram da nova captação.

ObraLink

O braço de corporate venture capital da CEMEX, multinacional mexicana de materiais de construção, investiu US$ 250 mil na startup chilena ObraLink, que desenvolve uma tecnologia que monitora o concreto em construções em tempo real. Segundo a Cemex, a ObraLink reduz o custo de um projeto estrutural em 15% e também reduz o tempo que seria dedicado à instalação de termopares, carregamento de cilindros, logística e coleta de dados.

PUBLICIDAD

DeltaX

A boliviana DeltaX recebeu US$ 1 milhão de investidores como Magma Partner, do Chile; Duro Ventures, da Califórnia (EUA), SC Angeles, da Bolívia, e 99 startups, do México, para expandir nos mercados sul-americanos.

É um aplicativo no qual um motorista pode agendar seus embarques e saber com antecedência quais serão as cargas dos dias seguintes para planejar sua carga de retorno e assim ter maior estabilidade em sua renda mensal.

PUBLICIDAD

Biomakers

A startup argentina Biomakers, especializada em testes genéticos e de oncologia molecular, levantou um investimento inicial de US$ 3 milhões para sua expansão no México e no Brasil. A startup fundada há 8 anos por Nicolas Kirchuk, prevê uma próxima série A de mais de US$ 10 milhões de dólares que fortalecerá sua tecnologia e inovação.

A empresa acumulou mais de 150 mil testes genéticos em 10 países da América Latina, o que a torna líder em medicina de precisão do câncer na região. A startup também colabora com empresas farmacêuticas e empresas nos Estados Unidos para fortalecer o desenvolvimento e a descoberta de medicamentos.

PUBLICIDAD

Hackmetrix

A plataforma chilena de compliance e cibersegurança anuncia seus planos de expansão para o México com o objetivo de se tornar a empresa líder do setor na região. A startup captou sua rodada inicial de US$ 1,5 milhão liderada pela Cometa, uma empresa de capital de risco focada em investir em empresas de tecnologia de alto crescimento, bem como vários investidores anjos.

O investimento servirá para continuar sua consolidação com novos clientes além daqueles que já fazem parte de seu portfólio, como Mercado Livre, Ualá, Justo, Betterfly, Sofía Salud e Truora. A Hackmetrix, fundada em 2017 por Adriel Araujo e Alejandro Parodi, está presente no Chile, Colômbia, Argentina e agora no México. Além disso, o investimento servirá para consolidar sua própria academia de hackers, com um investimento de meio milhão de dólares.

PUBLICIDAD

YoCripto

A fintech mexicana que oferece serviços financeiros para jovens entre 25 e 35 anos, anunciou que levantou uma rodada de US$ 4 milhões liderada pela DILA Capital com a qual lançará um cartão de recompensas de criptomoedas de até 3% em cada compra.

Embora no momento estejam apenas no México, eles esperam expandir para outros mercados latino-americanos, como Colômbia, Chile, Peru e Argentina.

PUBLICIDAD

Leia também:

Rodadas da semana: Ribon, Womp, Medismart, HoyTrabajas e mais

TechStartups BrasilBloomberg LíneaÚltimas BrasilFintech
Isabela  Fleischmann

Isabela Fleischmann BR

Jornalista brasileira especializada na cobertura de tecnologia, inovação e startups

Yanin Alfaro

Yanin Alfaro

Periodista con experiencia en startups y tecnología

PUBLICIDAD