Internacional

Davos: Mudança climática é o problema mais fácil para ser resolvido

Diante de gargalos globais que acontecem ao mesmo tempo, a crise climática se tornou uma das questões mais fáceis de ser discutida

Na edição de 2022 do fórum, o clima finalmente parece ter ganho maior visibilidade entre líderes e autoridades
Por Akshat Rathi
25 de Maio, 2022 | 10:36 AM

Bloomberg — Guerra na Europa, escassez de alimentos e o aumento da inflação global não impediram os ricos e poderosos do Fórum Econômico Mundial, em Davos, de falar sobre a crise climática.

PUBLICIDAD

Cerca de um terço dos painéis de discussão no palco principal estão relacionados ao aquecimento global. Poucos diretores e executivos saem impunes com uma entrevista que não mencione ESG – a abordagem de investimento que leva em consideração fatores ambientais, sociais e de governança. Até o vinho servido em uma festa fora da área principal da conferência veio com a proposta do anfitrião para o aplicativo de sustentabilidade de sua empresa.

Por quê? “É uma maneira de lidar com a culpa”, disse um participante enquanto bebia o vinho que acabara de ser servido. “Eles sabem que estão bagunçando o planeta.”

PUBLICIDAD

Não faz muito tempo que as mudanças climáticas não eram sequer um tema de discussão em um único painel, lembra Laurence Tubiana, um dos nomes do Acordo de Paris e que agora é diretor executivo da European Climate Foundation. Em 2014, apenas um ano antes da assinatura do acordo histórico, todos os painéis relacionados ao clima aconteceram em um local fora da área principal da conferência. “Agora é totalmente diferente”, disse ela.

O argumento científico para atuar na redução de emissões ficou claro por mais de três das cinco décadas em que o encontro em Davos acontece, mas sempre houve algum problema que é mais urgente discutir do que as mudanças climáticas.

PUBLICIDAD

Mas muitas das crises que o mundo enfrenta hoje, incluindo a escassez de alimentos, são agravadas por causa do aumento das temperaturas globais. “A crise está aqui”, disse John Kerry, enviado climático dos EUA. “As pessoas podem ver quais são os impactos em todo o mundo.” Apenas este mês, o sul da Ásia sofreu com ondas de calor e inundações, incêndios florestais no oeste dos EUA e temperaturas extremas no Oriente Médio e o sul da Europa. Os cientistas agora são capazes de quantificar o papel da mudança climática dentro de dias ou semanas.

Isso tornou impossível para as elites do fórum ignorarem o problema. “Muitas vezes critico os poderosos em Davos”, disse Johan Rockstrom, diretor do Instituto Potsdam de Pesquisa de Impacto Climático. “Mas devo admitir que desta vez os políticos de alto nível e as maiores economias do mundo estão realmente tentando manter duas bolas no ar ao mesmo tempo.”

Isso não quer dizer que as discussões do painel levarão a soluções que mudarão o mundo imediatamente ou que sejam particularmente reveladoras. Na edição deste ano, uma rodada de conversas sobre o aumento do nível do mar e energias renováveis mais baratas colocaria qualquer um para dormir.

PUBLICIDAD

Ainda assim, a ótica importa. Entre as poucas autoridades chinesas que foram autorizadas a deixar o estrito bloqueio de covid do país, estava o enviado climático Xie Zhenhua. Ele reafirmou a promessa do maior emissor do mundo de fazer o que for necessário para cumprir as metas do Acordo de Paris, apesar da China ter dobrado a queima de carvão para combater a crise energética.

À medida que as emissões globais continuam a aumentar, a multidão de Davos concorda que o sistema atual pode eventualmente ser a solução, apenas com alguns pequenos ajustes. “Sobre o clima, há um amplo consenso aqui”, disse Adam Tooze, professor de história da Universidade de Columbia. Os participantes do fórum “imaginam que podem encontrar um monte de soluções tecnológicas e o capitalismo fará seu trabalho de destruição criativa”.

PUBLICIDAD

Passar um tempo falando sobre essas soluções pode ser uma forma de terapia. “Eles querem compartilhar”, disse Tooze. “Não querem se sentir solitários nisso.”

Focar em soluções climáticas também pode ser uma forma de evitar falar sobre assuntos realmente difíceis. “A globalização, que está no centro do Fórum Econômico Mundial, está ameaçada”, disse Tubiana. “As pessoas não entendem o tamanho da ameaça e como responder a ela.”

PUBLICIDAD

A guerra da Rússia contra a Ucrânia trouxe uma nova atenção para o risco de a China invadir o Taiwan. Mas “as pessoas que vêm a Davos não querem lidar com questões tão politicamente difíceis agora”, disse Tubiana.

Assim, a mudança climática acabou se tornando um problema global mais fácil de resolver para os frequentadores de Davos. “É uma questão de longo prazo”, disse Tooze. As soluções aqui propostas “não são radicais”, disse. “É um lugar de promessas.”

PUBLICIDAD

– Esta notícia foi traduzida por Melina Flynn, Content Producer da Bloomberg Línea.

Veja mais em Bloomberg.com

PUBLICIDAD

Leia também

Superar a varíola dos macacos será mais fácil que a covid, dizem especialistas

FBI desarmou plano para matar Bush em vingança por guerra do Iraque

Últimas BrasilDavos
PUBLICIDAD