Mercados

Fed terá que subir mais os juros se problema de oferta persistir

Presidente do Fed de Minneapolis, Neel Kashkari, disse que gargalos na produção podem afetar política monetária por mais tempo

Kashkari tem consistentemente externado posições como o dirigente mais dovish dentro do Fomc desde que assumiu o cargo em 2016
Por Matthew Boesler
06 de Maio, 2022 | 05:13 pm

Bloomberg — O Federal Reserve, o banco central dos EUA, provavelmente precisará apertar a política monetária mais do que faria se as cadeias de suprimentos permanecerem pressionadas devido à guerra na Ucrânia e os bloqueios na China, disse o presidente do Fed de Minneapolis, Neel Kashkari.

PUBLICIDAD

“Infelizmente, as notícias da guerra na Ucrânia e os bloqueios contra a Covid na China provavelmente estão atrasando qualquer normalização das cadeias de suprimentos”, disse Kashkari na sexta-feira em um documento publicado no site do Fed de Minneapolis.

“Se as restrições de oferta se dissiparem rapidamente, talvez precisemos apenas levar a política de volta ao neutro ou ir modestamente acima dele para reduzir a inflação”, disse ele. “Se os gargalos não relaxarem rapidamente ou se a economia realmente estiver em um equilíbrio de alta pressão, provavelmente teremos que empurrar as taxas reais de longo prazo para uma postura contracionista para equilibrar oferta e demanda.”

PUBLICIDAD

Os comentários do chefe do Fed de Minneapolis ecoaram comentários semelhantes do presidente do Fed, Jerome Powell, em entrevista à imprensa na quarta-feira, depois que o Comitê de Mercado Aberto do banco central, Fomc, votou para aumentar sua taxa de juros em meio ponto percentual, o maior aumento único desde 2000. Kashkari tem consistentemente externado posições como o dirigente mais dovish dentro do Fomc desde que assumiu o cargo em 2016.

Powell disse na quarta-feira que o Fomc provavelmente elevará em meio ponto a taxa básica de juros em cada uma de suas próximas duas reuniões de política monetária em junho e julho. Isso reflete a urgência entre as autoridades do Fed de aproximar a taxa de um cenário “neutro” para a economia, dada a alta inflação dos preços ao consumidor, em 8,5% nos 12 meses até março, maior em mais de 40 anos.

PUBLICIDAD

As taxas de juros de longo prazo têm subido nos últimos meses, à medida que os investidores precificam uma política monetária mais restritiva. O rendimento dos títulos do Tesouro dos EUA de 10 anos tocou 3,1% na sexta-feira, o maior em quase quatro anos, após um relatório do Departamento do Trabalho mostrar a criação de empregos mais forte do que o esperado para o mês de abril e ganhos salariais robustos.

“Estamos vendo o poder da estimativa para o futuro: o Fomc sinalizou para onde a política está indo no futuro e os mercados se ajustaram em antecipação a esses movimentos de política”, disse Kashkari. “Agora precisamos seguir nossa estimativa para frente, e estou confiante de que o faremos.”

Veja mais em bloomberg.com

PUBLICIDAD

Leia também

Suzano vê risco de falta de celulose que pode encarecer lenços e papel higiênico

Últimas BrasilFederal Reserve
PUBLICIDAD