Internacional

Finlândia se candidata à OTAN para impedir ataques russos

A Finlândia ainda está puxando a Suécia para a OTAN, país deve decidir a adesão ainda neste domingo

Suecos e finlandeses são cada vez mais a favor da adesão ao bloco militar OTAN após a invasão da Ucrânia pela Rússia.
Por Kati Pohjanpalo y Leo Laikola
15 de Maio, 2022 | 08:32 AM

Bloomberg — A Finlândia está se candidatando para se juntar à OTAN (Organização do Tratado do Atlântico Norte) para impedir uma possível agressão da Rússia, enquanto sua vizinha trava uma guerra em grande escala na Ucrânia.

PUBLICIDAD

A decisão formal foi tomada no domingo e requer aprovação do parlamento, disse o presidente Sauli Niinisto em entrevista coletiva em Helsinque. Isso ocorre poucos dias depois que Niinisto e a primeira-ministra Sanna Marin disseram que o país nórdico “deve solicitar a adesão à OTAN sem demora”.

O plano tem amplo apoio no parlamento de Helsinque.

PUBLICIDAD

A Finlândia foi levada para a Organização do Tratado do Atlântico Norte pela invasão da Ucrânia pela Rússia em 24 de fevereiro, e está puxando a vizinha Suécia, com uma decisão do partido no poder naquele país prevista para ainda hoje em Estocolmo. O ataque mudou a opinião popular da noite para o dia, com os formuladores de políticas iniciando rapidamente o processo de adesão.

“É uma mudança absolutamente monumental politicamente nesses países, porque eles tiveram a oportunidade há três décadas de se juntar à OTAN, e a Suécia por mais tempo do que isso, mas optaram por permanecer de fora”, Elisabeth Braw, pesquisadora sênior do American Enterprise Institute, disse por telefone antes da decisão. “Este é realmente um passo extraordinário e um enorme desenvolvimento, politicamente.”

PUBLICIDAD

A mudança foi considerada o terceiro momento decisivo na história finlandesa, completando a aspiração secular da nação nórdica de ser considerada uma parte de pleno direito do ocidente.

Tendo conquistado a independência em 1917 após mais de 100 anos como Grão-Ducado do Império Russo, os finlandeses travaram duas guerras com a União Soviética, cedendo partes de seu território em 1944. A Finlândia então entrou na ponta dos pés por uma era de neutralidade durante a Guerra Fria -- por necessidade, não por escolha - encolhendo-se em Moscou, mantendo a independência em uma política que veio a ser conhecida como finlandização.

Após o colapso da União Soviética, o país nórdico imediatamente buscou entrar na dobra europeia na esteira da Suécia, com os dois se juntando à União Europeia em 1995.

PUBLICIDAD

Sobrevivência

Certa vez, perguntaram a um ex-presidente, Mauno Koivisto, qual era a ideia da Finlândia, se não parte da Rússia. Sua famosa resposta de uma palavra: “Sobrevivência”.

Nesse espírito, o país de 5,5 milhões de habitantes sempre permaneceu em alerta. A Finlândia está guardando uma fronteira de aproximadamente 1.300 quilômetros (800 milhas) de comprimento, com uma reserva de 900.000 soldados e é capaz de implantar 280.000 deles em tempo de guerra. O país é mantido em um sistema baseado em recrutamento, onde a maioria dos homens e algumas mulheres passam por treinamento militar com duração de seis meses a um ano.

PUBLICIDAD

O equipamento militar da Finlândia é compatível com o equipamento da OTAN e inclui um grande número de artilharia e tanques. Em dezembro, o país decidiu comprar 64 caças F-35A da Lockheed Martin Corp.

“A Finlândia maximizará sua segurança e isso não está longe de ninguém”, disse Niinisto.

PUBLICIDAD

Os vizinhos sociais-democratas no poder da Suécia planejam no domingo divulgar sua posição para a adesão à OTAN, assim como os formuladores de políticas estão tentando acalmar as preocupações de que a Turquia possa inviabilizar sua candidatura, citando preocupações com “terroristas” curdos. Os países nórdicos foram recebidos com amplo apoio pelos ministros das Relações Exteriores da OTAN reunidos em Berlim no sábado e o secretário-geral Jens Stoltenberg disse repetidamente que os dois seriam calorosamente recebidos. O bloco militar traz novos membros por unanimidade.

O presidente Niinisto ligou para o presidente russo, Vladimir Putin, no sábado, para dizer que o país nórdico planeja buscar a adesão à Otan. A medida seria um “erro porque não há ameaças à segurança da Finlândia”, disse Putin ao seu colega finlandês, segundo um comunicado do Kremlin, acrescentando que poderia prejudicar as relações entre os países.

PUBLICIDAD

A Rússia deu a entender a perspectiva de mais tropas na fronteira, ou trazer armas nucleares para seu enclave báltico de Kaliningrado em resposta.

“Esta é uma carta que os russos jogam desde 2014 em diante”, disse Anna Wieslander, diretora para o norte da Europa no Atlantic Council. “Acreditamos que eles já possuíam essas armas em Kaliningrado desde 2018 e tomaram precauções por causa disso.”

PUBLICIDAD

De acordo com uma pesquisa recente, 84% dos finlandeses acham que a Rússia representa uma ameaça militar significativa e são quase unânimes em dizer que seu vizinho é “instável e imprevisível”, com apenas 2% rejeitando essa caracterização da Rússia. Os formuladores de políticas dizem que não há ameaça imediata.

“Não há nada de novo na Rússia que se oponha à adesão da Finlândia à OTAN e também à Suécia”, disse Atte Harjanne, legislador dos Verdes e membro do comitê de defesa do parlamento, em entrevista à Bloomberg TV na sexta-feira. “É natural que, à medida que avançamos, eles demonstrem algum tipo de protesto”, mas “não estou muito preocupado, estamos preparados”.

PUBLICIDAD

--Com assistência de Chris Miller e Ott Tammik.

Leia também:

Ásia: Empresas alimentícias não esclarecem origem da carne

FinlândiaRússiaUcrâniaÚltimas Brasil
PUBLICIDAD