PUBLICIDAD
PUBLICIDAD
Mercados

Ibovespa fecha estável com mercado medindo impacto do pacote de combustíveis

After Hours: Medida proposta pelo governo para baratear combustíveis pode até aliviar pressões sobre a inflação, mas amplia risco fiscal

After hours
07 de Junho, 2022 | 05:44 pm

Bloomberg Línea — O Ibovespa (IBOV) encerrou o pregão desta terça-feira (7) próximo da estabilidade, negociado na casa dos 110 mil pontos. O índice, que caiu pela manhã, passou a oscilar à tarde em meio à melhora do humor em Wall Street, com investidores avaliando os riscos para o crescimento econômico em meio aos esforços para conter a inflação descontrolada.

PUBLICIDAD

No âmbito doméstico, as atenções recaíram sobre o pacote de medidas do governo para reduzir o preço dos combustíveis, que até podem aliviar as pressões sobre a inflação, mas implicam grande risco fiscal. Isso levou à alta dos juros e do dólar, que subiu mais de 1% nesta terça, negociado a R$ 4,87.

Na Bolsa, os maiores ganhos vieram da mineradora Vale (VALE3), com alta de 2,34%, a R$ 90,62, e de brMalls (BRML3), que subiu 1,93%, a R$ 8,45.

PUBLICIDAD

Já as maiores perdas foram lideradas por ações do setor de tecnologia, pressionadas pelo aumento do risco fiscal e alta dos juros. Os papéis de Cielo (CIEL3) recuaram 4,28%, a R$ 3,80, os de Positivo Tecnologia (POSI3) caíram 4,07%, a R$ 7,78, enquanto os de Banco Pan (BPAN4) fecharam em baixa de 3,52%, negociados a R$ 7,13.

Confira como fecharam os mercados nesta terça-feira (7):

PUBLICIDAD

Cena externa

Os mercados seguem no aguardo da decisão de juros do Banco Central Europeu (BCE) na quinta-feira (9), bem como da divulgação, na sexta (10), do Índice de Preços ao Consumidor (CPI, na sigla em inglês) dos Estados Unidos em maio.

A expectativa é que o BCE comece uma nova era de política monetária nesta semana para enfrentar a ameaça de uma inflação fora de controle. Os investidores agora especulam que o fim da política de juros abaixo de zero poderia se materializar já em julho, com um aumento de 0,5 ponto percentual. O resultado seria o primeiro aumento da taxa básica em mais de uma década, depois que a compra líquida de títulos for reduzida.

Nos EUA, os dados de inflação de maio, a serem divulgados na sexta, podem ajudar os traders a discernir a trajetória do Federal Reserve e se a autoridade monetária continuará a subir os juros em incrementos de 50 pontos-base. Dados fortes de emprego na semana passada forneceram alguma justificativa para uma abordagem agressiva.

PUBLICIDAD

Leia também:

Pacote do governo mira alvo errado e pode ‘matar’ o etanol, diz Adriano Pires

Musk: desistir da compra do Twitter não vai ser tão fácil, dizem especialistas

Últimas BrasilIbovespaJurosDólarBloomberg LíneaAçõesPetrobras
Mariana d'Ávila

Mariana d'Ávila

Redatora na Bloomberg Línea. Jornalista brasileira formada pela Faculdade Cásper Líbero, especializada em investimentos e finanças pessoais e com passagem pela redação do InfoMoney.