Mercados

Ibovespa recua com exterior em semana agitada para bancos centrais

Início da semana ainda é marcado por cautela, com aumento no número de casos de covid na China e continuidade da guerra na Ucrânia

Semana é marcada por cautela e por decisões de política monetária em diversos países em meio à forte pressão inflacionária.
02 de Maio, 2022 | 10:58 AM

Bloomberg Línea — O Ibovespa (IBOV) recuava na manhã desta segunda-feira (2), seguindo o sentimento de maior aversão ao risco no exterior. Já o dólar avançava e era negociado acima de R$ 5.

PUBLICIDAD

A semana é marcada pela decisão de política monetária no Brasil e nos Estados Unidos – com os investidores acompanhando as reuniões de perto em meio à forte inflação. A expectativa é de aumento de juros nos dois países, de forma a conter o aumento dos preços.

Por aqui, o relatório Focus, do Banco Central, mostrou piora nas projeções para a inflação neste e no próximo ano. Agora, as expectativas apontam para IPCA de 7,89% em 2022, ante 7,65%, e alta de 4,10% em 2023, ante projeção de 4,00% anteriormente.

PUBLICIDAD

Além das reuniões do Comitê de Política Monetária (Copom), no Brasil, e do Federal Open Market Committee, nos EUA, a semana também conta com encontros do Banco Central Europeu (BCE) para decidir a taxa de juros do bloco. Noruega, Reino Unido e Austrália também têm reuniões de política monetária agendadas.

O ambiente é de cautela, com os investidores acompanhando o impacto das restrições na China em meio ao avanço da covid-19 e a continuidade da guerra na Ucrânia. A temporada de resultados corporativos do primeiro trimestre também segue no radar.

PUBLICIDAD

Entre as commodities, a sessão era de perdas para o petróleo, que recuava cerca de 3%, negociado próximo de US$ 100 o barril.

Confira o desempenho dos mercados na manhã desta segunda-feira (2):

  • Por volta das 10h15 (horário de Brasília), o Ibovespa (IBOV) recuava 0,25%, aos 107.601 pontos;
  • O dólar à vista subia quase 1% e era negociado acima de R$ 5,00;
  • Entre os contratos de juros futuros, o DI para 2025 subia seis pontos-base, a 12,09%;
  • Nos EUA, os índices futuros operavam sem direção definida: o futuro do Dow Jones subia 0,08%, o futuro do S&P 500 cedia 0,15%, enquanto o futuro do Nasdaq recuava 0,26%;
  • Na Europa, o índice Dax, da Alemanha, cedia 0,9%, enquanto o FTSE, do Reino Unido, subia 0,5%;

Leia também:

Os Faria Limers estão obcecados com beach tennis - e não são só eles

Últimas BrasilBloomberg LíneaAçõesIbovespaDólarJuros
Mariana d'Ávila

Mariana d'Ávila

Redatora na Bloomberg Línea. Jornalista brasileira formada pela Faculdade Cásper Líbero, especializada em investimentos e finanças pessoais e com passagem pela redação do InfoMoney.

PUBLICIDAD