Internacional

Lituânia é o primeiro membro da União Europeia a cortar importações de gás russo

País tem sido um dos mais vocais há anos para que os Estados membros da UE que se afastem do gás russo

Planta de GNL en Yamal
Por Milda Seputyte
04 de Abril, 2022 | 04:44 PM

Bloomberg — A Lituânia se tornou o primeiro membro da União Europeia a encerrar sua dependência do gás natural da Rússia, o maior fornecedor do combustível do bloco, segundo o ministro da Energia do país báltico.

PUBLICIDAD

As empresas lituanas reduziram seus fluxos de gás através de gasodutos russos para zero no fim de semana, sem a necessidade de uma proibição do governo, disse o ministro da Energia Dainius Kreivys. Ele acrescentou que o governo imporia tal medida se necessário.

No ano passado, a Rússia forneceu diretamente cerca de 26% das necessidades de gás da Lituânia e outros 12% vieram do armazenamento na Letônia, segundo a operadora de gasodutos da Lituânia. O país, que está estudando opções para expandir seu terminal de gás natural liquefeito no mar Báltico, agora contará com importações de GNL dos EUA e da Noruega, segundo Kreivys.

PUBLICIDAD

Os membros da UE estão correndo para acabar com a dependência da energia russa, após a invasão da Ucrânia pelo país em fevereiro. A UE disse que também está trabalhando em sanções adicionais à Rússia pelo que parecem ser crimes de guerra na Ucrânia.

“Caros amigos da UE, desliguem”, disse o ministro das Relações Exteriores da Lituânia, Gabrielius Landsbergis, no Twitter no domingo. “Não sejam cúmplices.”

PUBLICIDAD

A retirada de Bucha do exército russo de assassinos em massa revela uma escala completa de atrocidades. Podemos apenas imaginar o que está acontecendo em outros territórios ocupados. Não há outra maneira - comprar petróleo e gás é financiar crimes de guerra. Caros amigos da UE, despluguem. Não sejam cúmplices.

— Gabrielius Landsbergis (@GLandsbergis) 3 de abril de 2022

Apenas oito anos atrás, a Lituânia dependia totalmente da Gazprom da Rússia para seu fornecimento de gás. Em dezembro, o governo recomendou que o país mudasse para o GNL quando surgiram os primeiros avisos de uma possível invasão russa da Ucrânia. A Lituânia há muito pede aos Estados membros da UE que se afastem do gás russo.

PUBLICIDAD

Autoridades do Báltico alertaram em janeiro sobre possíveis interrupções no fornecimento de energia depois que um navio russo de GNL apareceu inesperadamente na região, alimentando especulações sobre se a Rússia estava se preparando para um corte no fornecimento de gás.

Leia também

PUBLICIDAD

Como investir no Metaverso: conheça os produtos que já existem no Brasil

As ações mais recomendadas por analistas de 14 corretoras para abril

Últimas BrasilUcrâniaRússiagas
PUBLICIDAD