PUBLICIDAD
PUBLICIDAD
Internacional

Macron e Orban discutem energia enquanto UE pressiona por acordo de sanções

Sexto pacote de sanções da UE contra a Rússia por sua invasão da Ucrânia proibiria o petróleo bruto russo nos próximos seis meses

Primeiro-ministro húngaro está bloqueando o plano de eliminar gradualmente as compras de petróleo russo pela UE, citando a dependência da Hungria da energia russa.
Por Zoltan Simon y John Follain
10 de Maio, 2022 | 11:40 am

Bloomberg — O presidente francês, Emmanuel Macron, e o primeiro-ministro húngaro, Viktor Orban, discutiram a segurança energética nesta terça-feira (10), enquanto a União Europeia tenta persuadir Budapeste a abandonar sua oposição às sanções propostas às importações de petróleo da Rússia.

“Eles falaram sobre questões relacionadas à segurança energética europeia”, disse o chefe de imprensa do líder húngaro, Bertalan Havasi, à Bloomberg.

PUBLICIDAD

Enquanto isso, a UE adiou uma videochamada planejada com a Hungria e seus vizinhos. Um porta-voz do bloco não explicou imediatamente por que essa ligação, que a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, anunciou na noite de segunda-feira, foi adiada.

Essa ligação tinha como objetivo se concentrar em garantir a segurança de suprimentos e em mecanismos de solidariedade, disse um porta-voz francês, observando que Macron planejava participar porque a França detém a presidência rotativa da UE.

O ministro das Relações Exteriores da Hungria, Peter Szijjarto, disse nesta terça-feira que a pressão de tempo do lado da UE para um acordo rápido de sanções é “artificial”, já que levaria de seis a oito meses para que a proibição entre em vigor.

PUBLICIDAD

Von der Leyen e Orban se encontraram para um jantar de trabalho na segunda-feira, onde fizeram progressos, mas não conseguiram um avanço, de acordo com ambos os lados. Orban está bloqueando o plano de eliminar gradualmente as compras de petróleo russo pela UE, citando a dependência da Hungria da energia russa.

“Fizemos algum progresso, podemos dizer que demos um pequeno passo à frente”, disse o ministro das Relações Exteriores, Peter Szijjarto, em um vídeo no Facebook após a conclusão das negociações de segunda-feira. “Muito mais precisa ser feito, no entanto, para que possamos potencialmente mudar nossa posição.”

Von der Leyen disse após a reunião que convocaria uma conferência virtual para “fortalecer a cooperação regional em infraestrutura de petróleo”.

PUBLICIDAD

As conversas com Orban foram “úteis para esclarecer questões relacionadas a sanções e segurança energética”, disse ela no Twitter. “Fizemos progressos, mas é necessário mais trabalho.”

O sexto pacote de sanções da UE contra a Rússia por sua invasão da Ucrânia proibiria o petróleo bruto russo nos próximos seis meses e os combustíveis refinados no início de janeiro. A UE já havia oferecido à Hungria e à Eslováquia até o final de 2024 para cumprir as sanções e à República Tcheca até junho do mesmo ano, uma vez que dependem fortemente do petróleo russo.

A Hungria está buscando garantias técnicas que garantam sua segurança energética, dada a dependência do país em relação aos suprimentos russos, segundo pessoas familiarizadas com as discussões.

PUBLICIDAD

A importância dos suprimentos do Cazaquistão é central para a discussão, juntamente com garantias sobre os investimentos necessários para financiar a transição para longe da Rússia, inclusive para infraestrutura na Croácia, disseram as pessoas.

Veja mais em bloomberg.com

Leia também:

Guerra de Putin pode ajudar EUA a focar em rivalidade com China

Últimas BrasilEmmanuel MacronUnião EuropeiaEnergia BRFrançaHungria
PUBLICIDAD