Mercados

Mercados na Ásia sinalizam mais uma sessão de perdas antes do Fed

Investidores fazem o rebalanceamento do portfólio diante da expectativa de juros mais altos nos EUA

Painel com cotações do Índice Nikkei, em Tóquio: bolsas asiáticas sinalizam queda nesta abertura na terça
13 de Junho, 2022 | 09:52 PM

Bloomberg Línea — Os mercados asiáticos sinalizam estender a rodada de perdas nesta abertura de terça-feira (14), depois que o S&P 500 entrou oficialmente em bear market nesta segunda (13), os rendimentos dos títulos do Tesouro dispararam e o dólar se valorizou diante das expectativas de juros mais altos nos Estados Unidos.

PUBLICIDAD

Os futuros de ações sinalizaram queda no Japão, na Áustrália e em Hong Kong. Mas contratos dos EUA sinalizam alta depois de uma sequência de três duas em que o S&P 500 caiu perto de 9%. Resultados robustos da gigante de tecnologia Oracle dão um impulso às ações do setor.

Nesta segunda, os yields dos Treasuries de 10 anos - os títulos do Tesouro americano - subiram para o maior patamar desde 2011, como reflexo da expectativa de investidores por juros mais altos no futuro por parte do Federal Reserve e de menor crescimento econômico.

PUBLICIDAD

O Fed se reúne nesta terça e quarta (15) para decidir sobre as taxas de juros, que estão no intervalo entre 0,75% e 1%. Os dados de inflação ao consumidor mais alta do que o esperado em maio serviram como gatilho para a expectativa de juros mais altos, começando por um aumento de até 75 pontos base - 0,75 ponto percentual - no encontro do FOMC (o comitê que decide sobre a taxa) desta semana.

Até setembro, a taxa subiria ao todo 200 pontos base, o que, se confirmado, levaria os juros para o intervalo entre 2,75% e 3%.

PUBLICIDAD

Outros impactos do novo cenário são a valorização do dólar versus outras moedas, como o iene, que caiu para o menor patamar em quase 24 anos. O bitcoin chegou a ser negociado abaixo de US$ 23 mil também como reflexo da expectativa de juros mais altos na maior economia do mundo. Trata-se do menor patamar em cerca de um ano e meio.

Leia também:

Desta vez é diferente: por que queda atual do bitcoin merece atenção do mercado

Últimas BrasilAsiaFEDJurosInflação
PUBLICIDAD