Mercados

Mercados voltam do feriado nos EUA no azul, mas incerteza ainda ronda os negócios

Sobem as bolsas europeias e os futuros de índices; operadores estão no aguardo de pronunciamento do presidente do Fed amanhã

As variáveis que orientarão os mercados
21 de Junho, 2022 | 08:45 AM

Barcelona, Espanha — (Esta nota atualiza a versão originalmente publicada às 6h44)

PUBLICIDAD

Os mercados aproveitam para um respiro nesta terça-feira pós-feriado nos Estados Unidos. Bolsas da Europa, futuros de índices norte-americanos e a imensa maioria das asiáticas - a manhã é azul entre os ativos. Mas a dose de cautela continua, pelo cenário macroeconômico conturbado e pelas declarações, programadas para amanhã e quinta-feira, do presidente do Federal Reserve (Fed), Jerome Powell, ante o Congresso dos EUA.

Mesmo com as cotações inclinando-se para o campo positivo (vide tabela abaixo), se mantêm a inconstância dos mercados e as preocupações em torno do jogo de forças entre inflação elevada + alta dos juros + ritmo de crescimento econômico.

PUBLICIDAD

🌫️ Incerteza (ainda) no ar. Vários executivos, do CEO da Tesla, Elon Musk, passando por Nouriel Roubini e por Bob Diamond, da Atlas Merchant Capital, advertiram esta terça do risco de recessão durante o segundo Fórum Econômico Anual de Qatar. “Uma recessão (nos EUA) é inevitável em algum momento, sobre se haverá uma recessão no curto prazo, o mais provável é que não”, disse Musk a John Micklethwait, redator-chefe da Bloomberg News.

Já Roubini, conhecido por suas opiniões desalentadoras para os mercados, prognosticou uma recessão para os EUA no final do ano, enquanto Diamond afirmou que esse destino é quase inevitável.

PUBLICIDAD

→ Leia o Breakfast, uma newsletter da Bloomberg Línea: Se avizinha o fim da tempestade?

🏦 Alerta também entre as instituições. O presidente do Fed de St. Louis, James Bullard, advertiu ontem que as expectativas de inflação dos EUA poderiam se desvanecer “sem uma ação crível do Fed”. Já o ex-secretário do Tesouro Lawrence Summers argumentou que a taxa de desemprego do país precisaria subir acima de 5% por um período sustentado para conter a pressão sobre os preços. Mas o presidente dos EUA, Joe Biden, depois de uma conversa telefônica com Summers, tratou de transmitir sua sensação de que a recessão seria algo evitável.

🇬🇧 Apertem os cintos. O economista-chefe do Banco da Inglaterra (BoE), Huw Pill, disse hoje que os responsáveis pela política monetária do Reino Unido sacrificariam o crescimento econômico com vistas a reduzir a inflação. Segundo ele, existe o risco de os preços desenvolverem um “impulso autossustentável”. Pill disse que será necessário um aperto monetário ainda mais intenso nos próximos meses, e o BoE estaria pronto para agir “de forma mais agressiva”.

PUBLICIDAD

🇪🇺 No Velho Mundo. A presidente do Banco Central Europeu, Christine Lagarde, voltou a se posicionar sobre os juros, enviando sinais de que está por chegar um aumento das taxas em julho e setembro. Ainda é grande a expectativa em torno do mecanismo que o BCE criará para evitar a fragmentação do mercado de dívida do bloco. Do continente, notícias importantes no âmbito do comércio exterior: a União Europeia e a China planejam para as próximas semanas duas reuniões com membros do alto escalão dos governos. Devem abordar questões bilaterais reais e proporcionar benefícios tangíveis, de acordo com Nicolas Chapuis, embaixador da UE na China.

⬆️⬇️ Vaivém. As relações chegaram a um auge no final de 2020, quando os dois lados assinaram um tratado de investimento largamente esperado. Porém, se deterioraram rapidamente depois que a UE sancionou as autoridades chinesas por acusações de violação dos direitos humanos em Xinjiang. Recentemente, a Europa também teve que repensar seus laços com a China, já que o país asiático não se posicionou com firmeza e contra a guerra da Rússia na Ucrânia

PUBLICIDAD
Um retrato desta manhãdfd
🟢 As bolsas ontem: Feriado nos EUA, Stoxx 600 (+0,96%), Ibovespa (+0,03%)

As bolsas norte-americanas não abriram na segunda-feira devido a feriado. Os contratos S&P 500 ganharam cerca de 1,1%, após a pior semana para o indicador desde o início da pandemia. Os futuros Nasdaq 100 também subiram em torno de 1,1%.

Na agenda

Esta é a agenda prevista para hoje:

EUA: Índice de Atividade Nacional Fed Chicago/Mai, Vendas de Casas Usadas/Mai

PUBLICIDAD

Europa: Zona do Euro (Transações Correntes/Abr)

América Latina: Brasil (Ata do Copom ); Argentina (Balanço Orçamentário/Mai)

PUBLICIDAD

Bancos centrais: Atas da Reunião de Política Monetária do Banco do Japão (BoJ). Discursos de Thomas Barkin e Loretta Mester (FOMC/Fed), Andre Enria (BCE), Sabine Mauderer (Bundesbank), Silvana Tenreyro e Huw Pill (BoE)

📌 Para a semana:

Quarta-feira: Testemunho semestral do presidente do Fed Jerome Powell no Senado. Minuta de política monetária do Banco do Japão (BoJ)

PUBLICIDAD

Quinta-feira: Powell se pronuncia ante a Câmara dos Representantes. Pedidos Iniciais de Seguro-Desemprego. PMIs para a Zona Euro, França, Alemanha, Reino Unido e Austrália. Boletim econômico do BCE

Sexta-feira: Confiança do consumidor dos EUA medido pela Universidade de Michigan dos EUA

MercadosÚltimas BrasilEuropaEstados UnidosNo radar dos mercadosBloomberg Línea
Michelly Teixeira

Michelly Teixeira

Jornalista com mais de 20 anos como editora e repórter. Em seus 12 anos de Espanha, trabalhou na Radio Nacional de España/RNE e colaborou com a agência REDD Intelligence. No Brasil, passou pelas redações do Valor, Agência Estado e Gazeta Mercantil. Tem um MBA em Finanças, é pós-graduada em Marketing e cursa um mestrado em Digital Business na Esade.

PUBLICIDAD