Mercados

Mercados mergulham em semana crucial para bancos centrais

Queda é generalizada: contratos futuros de índices nos EUA, bolsas europeias, petróleo, ouro e bitcoin. Títulos soberanos também perdem valor

As variáveis que orientarão os mercados
13 de Junho, 2022 | 08:13 AM

Barcelona, Espanha — (Esta é a versão atualizada e ampliada da nota publicada originalmente às 6h46)

PUBLICIDAD

Os investidores começaram o dia com os nervos à flor da pele. A onda vendedora, que começou na quarta-feira e se intensificou com o golpe da inflação nos Estados Unidos, é generalizada nos negócios com renda variável e títulos soberanos, cujos prêmios atingiram máximas de vários anos. O sentimento negativo afeta, também, o mercado de criptomoedas, com o Bitcoin caindo para abaixo de US$ 24 mil, no menor nível em mais de 18 meses.

Os contratos futuros S&P 500 chegaram a superar os 2,5% de queda e os contratos Nasdaq 100 também caíram com força durante a manhã desta segunda-feira, mais de 3%. O S&P 500 flerta com um mercado de baixa (bear market). Na Europa, o Stoxx 600 era negociado no menor patamar desde o início de março. O sentimento negativo também afeta o mercado de criptomoedas, com o Bitcoin caindo abaixo de US$ 24.000, em seu nível mais baixo em mais de 18 meses.

PUBLICIDAD

Enquanto isso, o dólar subia e o iene se enfraquecia para um mínimo de 24 anos. O petróleo e o minério de ferro lideravam o declínio entre as commodities mais sensíveis ao crescimento econômico.

🏦 Política monetária no foco. Esta será uma semana crucial para os mercados. O Federal Reserve (Fed) encabeça a lista de encontros de bancos centrais na semana (Inglaterra, Japão, Suíça e Brasil são outros pares). A espiral inflacionária nos EUA, com os preços ao consumidor subindo 8,6% em maio, contra expectativas de que se mantivesse nos 8,3% da leitura anterior, convida os operadores a esperarem um tom mais duro do Fed na quarta-feira.

PUBLICIDAD

🆒 Para esfriar a inflação. Aumentam as apostas em uma alta de 0,75 ponto percentual ao menos em uma das próximas três reuniões do Fed. Antes, o mercado considerava meio ponto de alta dos juros em cada um dos encontros do Fed. A última subida de 0,75 pontos pelo Fed foi feita em novembro de 1994. Os economistas do Barclays Plc e Jefferies LLC acreditam que um aumento dessa magnitude poderia chegar logo.

📉 Saída em bloco. O êxodo das ações é orientado pela perspectiva de que os bancos centrais comprometam o crescimento econômico ao aplicar juros cada vez mais altos para conter a inflação. Na sexta-feira, a liquidação de posições no mercado acionário superou o US$ 1 trilhão. O S&P 500 está, mais uma vez, se aproximando do mercado de baixa (bear market), situação em que a mão pesada do urso leva os indicadores a acumular um declínio de ao menos 20% desde sua pontuação máxima de fechamento.

☁️ Nas nuvens. Não só as ações estão perdendo valor. Ao redor do globo, os títulos soberanos exibem prêmios cada vez mais elevados, corroendo o seu valor nominal. Nos EUA, o prêmio dos títulos do Tesouro a 10 anos atingiu 3,24%, o mais alto desde outubro de 2018. Já na Europa, a venda de títulos do governo europeu também aumentou, com o rendimento da dívida pública alemã a dois anos subindo acima de 1% pela primeira vez em mais de uma década.

PUBLICIDAD

→ Leia o Breakfast, uma newsletter da Bloomberg Línea: R$ 10 mi em salário: realidade de bancos, apesar da crise

Um panorama dos mercados, arrastados pelas preocupações em torno da inflação e do crescimentodfd
🟢 As bolsas na sexta: Dow Jones Industrial (-2,73%), S&P 500 (-2,91%), Nasdaq Composite (-3,52%), Stoxx 600 (-2,69%), Ibovespa (-1,51%)

Uma leitura inesperadamente alta da inflação norte-americana arrastou para baixo os mercados acionários da maior economia do mundo, que sofreu sua maior queda em três semanas. Os dados sugerem que o Fed terá que ser mais contundente em seu ciclo de aperto monetário. A inflação atingiu uma alta de 40 anos em maio, quando os preços ao consumidor aceleraram para 8,6% frente ao ano anterior. Um relatório separado mostrou que a confiança dos consumidores americanos caiu no início de junho para um nível recorde. Já o petróleo bruto apresentou seu sétimo ganho semanal.

PUBLICIDAD

Na agenda

Esta é a agenda prevista para hoje:

EUA: Não há eventos relevantes previstos

Europa: Reino Unido (Produção Industrial e do Setor de Construção/Abr, PIB, Balança Comercial/Abr); Espanha (Confiança do Consumidor)

PUBLICIDAD

Ásia: Japão (Índice BSI de confianza de grandes empresas manufactureras/2T22)

América Latina: Brasil (Boletim Focus)

PUBLICIDAD

Bancos centrais: Discurso de Lael Brainard (vice-presidente do Fed/FOMC) e de Luis De Guindos (vice-presidente do BCE)

• Outros: Primeira reunião ministerial da OMC em quase cinco anos - vai até 15 de junho.

PUBLICIDAD

📌 Para a semana:

Terça-feira: Índice de Preços ao Produtor (IPP) dos EUA. Produção Industrial e Percepção Econômica da Zona do Euro. IPC da Alemanha. Japão: Produção Industrial

Quarta-feira: Decisão sobre juros pelo Fed e entrevista do presidente Jerome Powell. Ainda nos EUA: Estoques comerciais, Índice Empire de Atividade Industrial, Vendas no Varejo. China: operações de liquidez, dados sobre empréstimos de médio prazo. Discurso da presidente do BCE, Christine Lagarde. Decisão de política monetária do Banco Central do Brasil.

PUBLICIDAD

Quinta-feira: Decisão sobre juros do Banco da Inglaterra. Nos EUA: Venda de Casas Novas, Pedidos Iniciais de Seguro-Desemprego

Sexta-feira: Decisão sobre juros do Banco do Japão. IPC da Zona do Euro. EUA: Índice do Conference Board, Produção Industrial

--Com informações da Bloomberg News

MercadosÚltimas BrasilEuropaEstados UnidosNo radar dos mercadosBloomberg Línea
Michelly Teixeira

Michelly Teixeira

Jornalista com mais de 20 anos como editora e repórter. Em seus 12 anos de Espanha, trabalhou na Radio Nacional de España/RNE e colaborou com a agência REDD Intelligence. No Brasil, passou pelas redações do Valor, Agência Estado e Gazeta Mercantil. Tem um MBA em Finanças, é pós-graduada em Marketing e cursa um mestrado em Digital Business na Esade.

PUBLICIDAD