PUBLICIDAD
PUBLICIDAD
Internacional

Otan se prepara para o reforço da Finlândia e da Suécia ao grupo

A etapa mais longa deste processo pode levar até um ano. A adesão simboliza um novo suporte para o cenário de segurança europeu

“Uma das principais tarefas da Finlândia dentro da OTAN seria garantir suas próprias defesas”, disse a primeira-ministra finlandesa, Sanna Marin
Por Kati Pohjanpalo, Niclas Rolander y Natalia Drozdiak
16 de Maio, 2022 | 10:59 am

Bloomberg — Os membros da Otan se reuniram em torno da Finlândia e da Suécia no domingo (15) depois dos países anunciarem planos de adesão à aliança, marcando outra grande mudança na arquitetura da segurança da Europa, desencadeada pela guerra da Rússia na Ucrânia.

PUBLICIDAD

Os parlamentos das nações nórdicas estão se preparando para debater a adesão nesta segunda-feira (16) ainda pela manhã, com a grande maioria de legisladores em cada país agora apoiando a proposta. No fim de semana, a maioria dos ministros das Relações Exteriores da OTAN que se reuniram em Berlim abraçou a ampliação do bloco ao norte, processo que exige unanimidade entre os 30 aliados.

Com a adesão à OTAN “se formos atacados, teremos ajuda. Se outro estado membro for atacado, ajudaremos”, disse a primeira-ministra finlandesa Sanna Marin aos legisladores na segunda-feira (16). “As garantias de segurança da OTAN aumentariam consideravelmente o impacto dissuasor das defesas da Finlândia.”

PUBLICIDAD

“Uma das principais tarefas da Finlândia dentro da OTAN seria garantir suas próprias defesas”, disse Marin.

O único país a expressar preocupações ao admitir a dupla foi a Turquia, com o ministro das Relações Exteriores, Mevlut Cavusoglu, insatisfeito com o fato de a Finlândia e, particularmente, a Suécia, terem tido interações com militantes curdos que atuam no leste da Turquia.

PUBLICIDAD

A Suécia está enviando uma equipe de diplomatas a Ancara, na Turquia, para conversas nesta semana e o secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg, disse que espera trabalhar com eventuais rusgas de última hora no plano de ampliação.

“A Turquia deixou claro que sua intenção não é bloquear a adesão”, disse Stoltenberg a repórteres em Berlim. Ele disse estar confiante de que as preocupações da Turquia não atrasarão o processo de adesão e que sua aspiração “ainda é ter um processo rápido e ágil”.

Os governos de Helsinque e Estocolmo devem entregar seus pedidos formais na sede da OTAN em Bruxelas no final da semana, assim que seus respectivos parlamentos assinarem. Falando a repórteres na capital finlandesa na segunda-feira (16), o líder da minoria no Senado, Mitch McConnell, disse que o Congresso pretende ratificar a adesão da Finlândia à Otan antes do recesso de agosto.

PUBLICIDAD

Há um “forte” apoio bipartidário para sua entrada e uma votação “não será apertada”, disse ele, após se reunir com o presidente Sauli Niinisto, acrescentando que “a Finlândia supera o peso de muitos membros existentes da Otan”.

A Turquia causou um tremor tardio de ansiedade para os dois novos candidatos na sexta-feira, quando de repente chamou a atenção para o que chamou de apoio aos “terroristas” curdos. O governo do presidente Recep Tayyip Erdogan havia indicado anteriormente que teria uma visão favorável de sua candidatura.

PUBLICIDAD

O país reclama da cooperação insuficiente da OTAN e de aliados europeus em sua luta com o Partido dos Trabalhadores do Curdistão, ou PKK, que é classificado como organização terrorista pelos EUA e União Europeia, e o YPG, um grupo relacionado que opera principalmente em Síria.

“A Turquia transmitiu suas preocupações durante a reunião de expansão da OTAN”, disse Cavusoglu a repórteres em Berlim. “Para ser específico, representantes desses dois países estavam realizando reuniões com membros do PKK e YPG e a Suécia também estava fornecendo armas.”

PUBLICIDAD

O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, disse estar “muito confiante” de que os aliados concordarão em apoiar a expansão. A ministra das Relações Exteriores do Canadá, Melanie Joly, disse que “a oportunidade é maior do que qualquer questão bilateral” e pediu um processo rápido para admitir os candidatos.

A medida é outro suporte para o cenário de segurança europeu depois que o ataque da Rússia à Ucrânia levou a Alemanha a abandonar suas reticências pós-guerra sobre os gastos com defesa e embarcar em uma reformulação maciça de suas forças armadas.

PUBLICIDAD

“É difícil imaginar uma mudança maior no ambiente de segurança do que nosso país vizinho atacando uma nação de 40 milhões de pessoas para derrubar violentamente seu governo”, disse o ministro das Relações Exteriores da Finlândia, Pekka Haavisto, no domingo. “Isso nos demonstrou que a arquitetura de segurança na qual confiamos na Europa, como a Organização para Segurança e Cooperação na Europa, não funcionou e não foi capaz de evitar a guerra.”

Na Finlândia e na Suécia, a invasão de 24 de fevereiro provocou uma mudança na oposição pública à adesão à OTAN quase da noite para o dia, apesar de a Rússia alertar que eles podem enfrentar consequências.

PUBLICIDAD

Uma vez apresentados os pedidos formais de adesão, a OTAN tem de decidir se vai considerar o pedido. Em seguida, conversará com os países sobre suas obrigações como membros antes que o conselho da OTAN assine um possível protocolo de adesão. A etapa mais longa é a ratificação pelos 30 parlamentos nacionais e todo o processo pode levar até um ano.

Stoltenberg disse que a OTAN vai procurar maneiras de proteger os dois países enquanto sua aplicação estiver sendo ratificada.

PUBLICIDAD

Ao final do processo, a OTAN recebe equipamentos militares sofisticados e modernos compatíveis com os usados pelo bloco e uma capacidade aprimorada de defesa dos três estados bálticos - Estônia, Letônia e Lituânia. A Finlândia guarda uma fronteira com a Rússia de cerca de 1.300 quilômetros (800 milhas) de comprimento, tem uma reserva de 900 mil soldados, e é capaz de implantar 280 mil deles em tempos de conflito através de um sistema de recrutamento, onde a maioria dos homens e algumas mulheres passam por treinamento militar com duração de seis meses a um ano.

Os dois foram parceiros e treinados com as forças da OTAN no passado, permanecendo fora do escopo de suas garantias de segurança coletiva. A ministra das Relações Exteriores da Alemanha, Annalena Baerbock, chegou no domingo a dizer que eles já são de fato “membros da OTAN, apenas sem seus cartões de membro”.

PUBLICIDAD

– Esta notícia foi traduzida por Melina Flynn, Content Producer da Bloomberg Línea.

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também

Como funciona o mercado de carbono no Brasil e por que você precisa saber disso

Petróleo cai com lockdowns minguando economia chinesa

Últimas BrasilOTAN