Agro

Países africanos mudam dieta e trocam o trigo por alternativas mais baratas

Arroz, mandioca e sorgo são algumas alternativas utilizadas por empresas como Nestlé, Unga Group, Egyptian Swiss, entre outras em substituição ao cereal que já subiu 40% este ano

Empresas que atuam em países africanos começam a substituir o trigo por alternativas mais baratas
Por Eamon Akil Farhat
08 de Maio, 2022 | 03:03 PM

Bloomberg — Os preços globais do trigo estão tão altos que os consumidores africanos estão começando a retirar o grão de sua dieta. Produtores de alimentos no Quênia, Egito, República Democrática do Congo, Nigéria e Camarões dizem que estão misturando alternativas mais baratas em seus pães, doces e massas. Arroz local, farinha de mandioca e sorgo estão substituindo o trigo, que aumentou cerca de 40% este ano, já que a invasão da Rússia reduziu as exportações da Ucrânia, um dos maiores exportadores.

PUBLICIDAD

Essas culturas domésticas estão menos expostas a interrupções no comércio e à inflação global, oferecendo assim alguma proteção contra os preços dos alimentos que permanecem próximos de níveis recordes. O Quênia importa cerca de 44% de seu trigo da região do Mar Negro, e os preços em alta ajudaram a aumentar a inflação para 6,5% em abril. O Unga Group, fabricante de farinha de trigo da marca Exe e farinha de milho Jogoo, com sede em Nairóbi, está vendo uma mudança nas vendas para sua linha de arroz e leguminosas Amana.

“Há um aumento no preço do milho e do trigo levando os consumidores a outras alternativas”, disse o diretor-gerente Joseph Choge. “As vendas de leguminosas e arroz estão crescendo, enquanto o trigo está caindo”. O preço do milho ao produtor dobrou, e os moleiros estão lutando para obter suprimentos suficientes, disse ele.

PUBLICIDAD

A oferta global de trigo pode encolher ainda mais, já que a Índia considera restringir as exportações depois que ondas de calor severas prejudicaram as colheitas, informou a Bloomberg News. O governo disse que não vê um caso para tais controles. Anteriormente, o país reduziu sua estimativa de produção para esta temporada, mas disse que há oferta suficiente para atender à demanda doméstica.

“Podemos estar vendo alguma pressão em direção a um maior consumo de grãos grossos produzidos internamente”, disse Shirley Mustafa, economista da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação. A FAO cortou sua previsão de 2022 para a produção global de trigo, dizendo que a previsão para a Ucrânia permanece abaixo da média. A guerra provavelmente reduzirá a área colhida em pelo menos um quinto.

PUBLICIDAD

O Egito é o maior comprador de trigo do mundo, com mais de 80% das importações provenientes da Ucrânia e da Rússia. As compras do governo estão 13% atrás no ano passado. Diante desse tipo de pressão, o fabricante de massas Egyptian Swiss Group está experimentando novas receitas com farinha de arroz, milho e lentilha. “O preço é o nome do jogo”, disse Ahmed El-Sebaie, gerente geral.

A Nestlé Nigeria, fabricante do cereal Golden Morn, está introduzindo mais culturas produzidas localmente em sua linha, de acordo com o relatório anual da empresa para 2021. Isso inclui sorgo e soja. No Congo, o governo aprovou um programa de apoio à produção de farinha de mandioca para fazer pão e pastelaria. A farinha é feita de mandioca, uma raiz amilácea. Isso pode ajudar o Congo a reduzir sua dependência do trigo importado, que custa cerca de US$ 87 milhões por ano, disse o ministro da Indústria, Julien Paluku, no Twitter.

“Se a maioria desses produtos fosse feita no local, sofreríamos menos com a crise ucraniana”, disse Andre Wameso, vice-chefe de gabinete do presidente para questões econômicas.

PUBLICIDAD

Camarões importa cerca de 1 milhão de toneladas de trigo anualmente, classificando-se entre os 10 maiores compradores da África Subsaariana, segundo dados do Departamento de Agricultura dos EUA. O declínio da produção doméstica levou a suspender as exportações de farinha de trigo, arroz e cereais para os países vizinhos.

A medida ocorreu depois que o governo aumentou os preços do pão em 20% em março. Em resposta, algumas empresas de alimentos estão migrando para as batatas. “A demanda por batatas irlandesas por produtores de pão aumentou tremendamente”, disse Sylvanus Nsaichia Kiyung, agricultor da cidade de Santa, no noroeste. “Estou planejando adquirir mais terras agrícolas e plantar mais batatas para atender à demanda. Todas as sete toneladas de batatas que produzi este ano foram desmatadas.”

PUBLICIDAD

Veja em Bloomberg.com

Leia também

Últimas BrasilAgronegócioAlimentosInflaçãoGuerra na Ucrânia
PUBLICIDAD