Internacional

Pedidos de seguro-desemprego nos EUA caem mais do que o previsto

Pedidos contínuos de benefícios estaduais subiram para 1,35 milhão na semana encerrada em 14 de maio

As reivindicações iniciais permanecem em um nível historicamente baixo, apontando para um mercado de trabalho forte com poucas demissões
Por Olivia Rockman
26 de Maio, 2022 | 10:34 AM

Bloomberg — Os pedidos de seguro-desemprego nos EUA caíram mais do que o previsto na semana passada, ressaltando um mercado de trabalho persistentemente apertado no país.

PUBLICIDAD

Os pedidos iniciais de seguro-desemprego diminuíram em 8.000 para 210.000 na semana encerrada em 21 de maio, mostraram dados do Departamento do Trabalho nesta quinta-feira (26). A estimativa mediana em uma pesquisa da Bloomberg com economistas apontou uma queda para 215.000.

Os pedidos contínuos de benefícios estaduais subiram para 1,35 milhão na semana encerrada em 14 de maio.

PUBLICIDAD

As reivindicações iniciais permanecem em um nível historicamente baixo, apontando para um mercado de trabalho forte com poucas demissões. Dito isso, o Federal Reserve começou a aumentar as taxas de juros para conter a demanda excepcionalmente alta na economia, o que pode desacelerar as contratações ou levar a demissões ainda este ano.

Após um grande aumento de sinistros no período anterior, a queda nos pedidos pode amenizar as preocupações de que um arrefecimento na demanda de mão de obra já tenha se instalado.

PUBLICIDAD

Os dados vêm antes do relatório de empregos de maio do governo, que deve mostrar uma queda na taxa de desemprego quando divulgado na próxima semana.

Em uma base não ajustada, as reivindicações iniciais caíram para 183.927 na semana passada.

Califórnia e Kentucky, que registraram alguns dos maiores aumentos no período anterior, reverteram para mostrar uma queda nas reivindicações na semana passada. Illinois também registrou um declínio considerável.

PUBLICIDAD

--Com a colaboração de Chris Middleton

Leia também

Oferta da Eletrobras já atrai demanda de R$ 13 bilhões, segundo fontes

Últimas BrasilEUA
PUBLICIDAD