Mercados

Pedidos de seguro-desemprego nos EUA sobem para o nível mais alto desde janeiro

Pedidos iniciais aumentaram em 21 mil, para 218 mil na semana encerrada em 14 de maio, acima dos 200 mil pedidos previstos

Segundo o Departamento de Trabalho dos EUA, resultado foi puxado pelo aumento de pedidos nos estados de Kentucky e da Califórnia.
Por Vince Golle
19 de Maio, 2022 | 10:50 AM

Bloomberg — Os pedidos de seguro-desemprego dos Estados Unidos subiram inesperadamente na semana passada para o nível mais alto desde janeiro, liderados pelo aumento de pedidos em Kentucky e Califórnia.

PUBLICIDAD

Os pedidos iniciais de seguro-desemprego aumentaram em 21.000, para 218.000 na semana encerrada em 14 de maio, de acordo com os dados do Departamento do Trabalho divulgados nesta quinta-feira (19). A estimativa mediana em uma pesquisa da Bloomberg com economistas previa 200.000 pedidos iniciais.

Os pedidos contínuos de benefícios estaduais caíram para 1,32 milhão na semana encerrada em 7 de maio, o menor desde 1969.

PUBLICIDAD

Embora os números de pedidos contínuos ressaltem um mercado de trabalho ainda sólido, um aumento sustentado nos pedidos iniciais pode sinalizar algum abrandamento. À medida que o Federal Reserve aperta a política monetária de forma mais agressiva para conter a inflação galopante, espera-se que taxas de juros mais altas reduzam a demanda por mão de obra.

“O nível de reivindicações permanece relativamente baixo – indicativo de condições apertadas no mercado de trabalho – mas está subindo, sinalizando alguma moderação nas contratações líquidas à frente”, disse a economista da Bloomberg Eliza Winger.

PUBLICIDAD

Em uma base não ajustada, os registros aumentaram mais de 6.700 em Kentucky e subiram 3.315 na Califórnia. Pensilvânia, Illinois e Ohio também mostraram aumentos de mais de 1.000.

-- Com a colaboração de Chris Middleton.

Veja mais em bloomberg.com

PUBLICIDAD

Leia também:

Aposta agro do Pátria vende R$ 1 bi em insumos e será paga em soja e milho

Últimas BrasilEstados UnidosEmpregoInflaçãoJuros
PUBLICIDAD