Mercados

Petrobras e estatais puxam Ibovespa para baixo em sessão com menor liquidez

After Hours: em dia de mercados fechados em Nova York por causa de feriado nos EUA, noticiário doméstico ditou o rumo dos ativos brasileiros

After hours
30 de Maio, 2022 | 06:08 PM

Bloomberg Línea — O Ibovespa (IBOV) cedeu à pressão baixista das ações da Petrobras (PETR3; PETR4) nesta segunda-feira (30) e encerrou o pregão no vermelho, em queda de 0,81%, depois de ter avançado no período da manhã. Já o dólar passou a subir ao longo do dia e foi negociado próximo de R$ 4,75.

PUBLICIDAD

O movimento das ações da estatal foi contrário ao apresentado no mercado de commodities, em que o petróleo subiu quase 2%, com o tipo Brent negociado próximo de US$ 121 o barril. A commodity avançou com a notícia da redução do número de casos de covid-19 na China, bem como com as discussões entre os líderes da União Europeia sobre a possibilidade de proibir a importação do petróleo da Rússia.

Além da petroleira, pesou sobre a Bolsa brasileira papéis de outras estatais, como Banco do Brasil (BBAS3) e Eletrobras (ELET3; ELET6), em um dia de menor liquidez nos mercados por causa do feriado do Memorial Day nos Estados Unidos. O cenário local acabou ditando o rumo dos negócios.

PUBLICIDAD

Confira como fecharam os mercados nesta segunda-feira (30):

Estatais ditam rumo dos mercados

De acordo com Rodrigo Crespi, analista da Guide Investimentos, o movimento negativo das estatais nesta segunda deve-se, entre outros fatores, a pesquisas eleitorais mais recentes que mostram uma distância maior entre o ex-presidente Lula e os demais candidatos. “Lula é visto pelo mercado como um nome mais anti-privatização e mais intervencionista – o que pesa sobre as estatais”, diz.

PUBLICIDAD

As ações BBAS3 caíram 2,65%, a R$ 36,07, enquanto ELET3 e ELET6 tiveram baixas de 3,36% e 3,44%, respectivamente, a R$ 42 e R$ 41,29. Já as ações ordinárias (PETR3) da Petrobras caíram 2,16%, a R$ 33,01, e as preferenciais (PETR4) cederam 1,99%, negociadas a R$ 29,99.

“No caso da Petrobras, os investidores também repercutem a dança das cadeiras promovida pelo governo e que pode colocar em xeque o preço de paridade de importação (PPI) – com as interferências prejudicando tanto a governança quanto o operacional da companhia”, afirma Crespi.

Naor Coelho, trader de renda variável da Infinity Asset, lembra ainda que a aprovação do novo presidente da Petrobras, Caio Paes de Andrade, pode levar um tempo maior do que o esperado, o que aumenta as incertezas com relação à estatal.

PUBLICIDAD

Coelho, contudo, não vê a queda desta segunda como justificável. Para ele, investidores aproveitaram que o investidor estrangeiro não estava segurando o mercado para embolsar o lucro com as ações da companhia depois da alta recente.

A avaliação é compartilhada por Ilan Arbetman, analista de research da Ativa Investimentos. “Uma liquidez reduzida somada à efervescência política, com todas as mudanças vistas nos últimos dias, e o fato de as ações terem subido bastante no mês, leva a um ambiente de maior realização de ganhos”, diz.

PUBLICIDAD

Leia também:

Um mercado de US$ 50 bi (ou mais). O que está em jogo com a lei dos criptoativos

Últimas BrasilIbovespaJurosDólarBloomberg LíneaAçõesPetrobras
Mariana d'Ávila

Mariana d'Ávila

Redatora na Bloomberg Línea. Jornalista brasileira formada pela Faculdade Cásper Líbero, especializada em investimentos e finanças pessoais e com passagem pela redação do InfoMoney.

PUBLICIDAD