PUBLICIDAD
PUBLICIDAD
Mercados

Petróleo avança para quarto ganho semanal com perspectiva de demanda

Contratos em queda nesta sexta (20) não apagavam alta acumulada dos contratos, que sobem com melhoras na China

O WTI para entrega em junho caía 0,3%, para US$ 111,84 o barril na Bolsa Mercantil de Nova York às 7h15, horário de Brasília
Por Paul Burhardt
20 de Maio, 2022 | 08:19 am

Bloomberg — Os preços do petróleo caminhavam para um modesto ganho semanal, com o otimismo sobre as perspectivas para a demanda eclipsando as preocupações com uma política monetária mais apertada e uma desaceleração econômica que se combinaram para agitar os mercados financeiros.

PUBLICIDAD

O West Texas Intermediate (WTI) era negociado perto de US$ 112 por barril após fechar em alta na quinta-feira (19), com alta acumulada de cerca de 1% até agora esta semana. O contrato está a caminho de um quarto ganho semanal consecutivo, a melhor corrida desde meados de fevereiro.

Os mercados globais de produtos combustíveis estão se restringindo, especialmente nos EUA, onde os preços da gasolina e do diesel subiram a níveis sem precedentes no período que antecede a temporada de verão. Espera-se que as viagens em todo o país se aproximem dos níveis vistos antes da pandemia de coronavírus, de acordo com uma previsão do auto club AAA.

PUBLICIDAD

O petróleo acumula alta de quase 50% este ano, à medida que a demanda se recupera do impacto da pandemia e com o ataque da Rússia à Ucrânia causando ondas de choque nos mercados globais. Enquanto os EUA e o Reino Unido anunciaram proibições às exportações russas, os fluxos para a Ásia aumentaram. A China está tentando reabastecer os estoques estratégicos com petróleo russo barato, mesmo enquanto as autoridades lutam para suprimir os surtos de Covid-19.

“O petróleo bruto permanece limitado, preso entre o foco na política monetária rígida que impulsiona uma desaceleração econômica e o aperto no mercado global de produtos combustíveis”, disse Ole Hansen, chefe de estratégia de commodities do Saxo Bank A/S. “A rigidez nos produtos globais de combustível sustentará os preços dos combustíveis, já em níveis recordes em todo o mundo.”

PUBLICIDAD

Houve sinais mistos da China nesta sexta-feira (20). Enquanto os bancos cortam um recorde na taxa de juros para empréstimos de longo prazo para impulsionar uma economia em desaceleração, Xangai encontrou os primeiros casos de Covid-19 fora da quarentena em seis dias, levantando questões sobre se a flexibilização do bloqueio da cidade será impactada.

Preços do petróleo

  • O WTI para entrega em junho caía 0,3%, para US$ 111,84 o barril na Bolsa Mercantil de Nova York às 7h15, horário de Brasília
  • O Brent para liquidação de julho recuava 0,2%, para US$ 111,79 o barril na bolsa ICE Futures Europe

O salto do petróleo contribuiu para a inflação mais rápida em décadas, levando o Federal Reserve dos EUA a prometer que continuará aumentando as taxas de juros até que haja sinais claros de que as pressões sobre os preços estão diminuindo. Isso estimulou mudanças selvagens no apetite dos investidores por risco, oscilando os mercados de ações, títulos e commodities.

Os mercados de petróleo permanecem em retrocesso, um padrão de alta em que os preços de curto prazo são negociados acima dos de longo prazo. O spread imediato do Brent, a diferença entre seus dois contratos mais próximos, foi de US$ 2,22 por barril em retrocesso em comparação com US$ 1,80 há uma semana.

--Com a colaboração de Sarah Chen e John Liu

Últimas BrasilPetróleo