Mercados

Wall Street tem forte sell-off com tom mais agressivo do que o esperado pelo Fed

Dados econômicos cruciais e desenvolvimentos globais previstos em poucos dias podem gerar dúvidas sobre a abordagem do banco central

Fed aumentou ontem a taxa de juros dos EUA pela segunda vez consecutiva de forma a conter a inflação.
Por Rita Nazareth
05 de Maio, 2022 | 03:25 PM

Bloomberg — A valorização das ações nos Estados Unidos que se seguiu à decisão do Federal Reserve teve vida curta, pois a preocupação com a inflação persistentemente alta e o crescimento econômico mais lento ressurgiu.

PUBLICIDAD

As ações caíam com força nesta quinta-feira (5), com o S&P 500 interrompendo um rali de três dias e recuando 3,4% perto das 15h. O dólar também deu uma reviravolta, subindo ao lado dos rendimentos do Tesouro.

O presidente do Fed, Jerome Powell, superou as previsões mais agressivas do mercado para o caminho das taxas de juros. No entanto, ele também pode ter inadvertidamente preparado o cenário para mais turbulência daqui para frente.

PUBLICIDAD

Ainda é um caminho muito difícil, com dados econômicos cruciais e desenvolvimentos globais previstos em poucos dias que podem gerar dúvidas sobre a abordagem do banco central.

Com isso, os principais papéis de tecnologia dos EUA despencavam, levando o índice Nasdaq para a maior queda no ano, acima de 5%.

PUBLICIDAD
  • O índice Dow Jones recuava 3%
  • Entre as maiores quedas estavam a Tesla (TSLA), com recuo de 7,24%, e a Meta (FB), caindo 6,64%

Veja alguns comentários de economistas e estrategistas consultados pela Bloomberg:

“Não havia nada de dovish na mensagem do Fomc”, escreveu Michael Shaoul, diretor executivo da Marketfield Asset Management, referindo-se ao Federal Open Market Committee. “Mesmo assim, a entrega da certeza de uma alta de 50 pontos-base atuou como um catalisador para um violento desmoronamento de posições lotadas.”

“Ficamos surpresos que ele tenha descartado uma alta de 75 bp, pois acreditamos que o Fed deve sempre manter todas as opções em aberto”, escreveu Win Thin, chefe global de estratégia cambial da Brown Brothers Harriman, referindo-se a Powell. “Não se engane, o Fed está nos estágios iniciais do que acreditamos ser um ciclo de aperto muito agressivo.”

PUBLICIDAD

“Como Powell observou em sua entrevista coletiva, a guerra na Ucrânia e os bloqueios relacionados à covid na China representam choques adicionais do lado da oferta que estão aumentando a pressão inflacionária, tornando o trabalho do Fed de reduzir a inflação muito mais difícil. No entanto, de acordo com a visão de Powell, ainda acreditamos que há um caminho para um pouso suave”, escreveu Mark Haefele, diretor de investimentos do UBS Global Wealth Management.

A produtividade dos Estados Unidos caiu no primeiro trimestre para a maior queda desde 1947, à medida que a economia encolheu, enquanto os custos trabalhistas aumentaram e ilustraram um mercado de trabalho extremamente apertado. Números separados mostraram que os pedidos de auxílio-desemprego do estado subiram para 200.000 na semana passada, de 181.000. Os dados precedem o relatório mensal de empregos do governo na sexta-feira, que atualmente deve mostrar que as folhas de pagamento aumentaram 380.000 em abril.

PUBLICIDAD

Em outros lugares, o petróleo saltou depois que um relatório disse que os EUA planejam buscar ofertas neste outono para reabastecer suas reservas de petróleo de emergência.

Veja mais em bloomberg.com

PUBLICIDAD

Leia também:

Cerveja e carros mais caros? Consumidores parecem de boa com isso

Últimas BrasilEstados UnidosWall StreetAçõesFederal ReserveInflaçãoJuros
PUBLICIDAD