PUBLICIDAD
PUBLICIDAD
Negócios

SoftBank paga preço por apostas em tech e registra perda de US$ 20 bilhões

Maior fundo de tecnologia do mundo vem enfrentando baixas contábeis causadas pela pandemia e pela queda dos índices tech

Masayoshi Son disse que a “condução segura” do SoftBank nos últimos meses solidificou sua posição financeira
Por Min Jeong Lee e Takahiko Hyuga
12 de Maio, 2022 | 09:44 am

Bloomberg — Masayoshi Son está pagando um preço alto por suas apostas exageradas em empresas de tecnologia.

O líder do SoftBank relatou uma perda anual recorde em sua unidade Vision Fund, com a venda de ações de tecnologia derrubando o valor de suas empresas de portfólio, incluindo participações públicas como Coupang, Uber (UBER) e Didi para uma queda de 2,64 trilhões de ienes (US$ 20,5 bilhões) no ano encerrado em 31 de março, em comparação com um lucro de 4,03 trilhões de ienes no ano anterior.

PUBLICIDAD

O maior fundo de tecnologia do mundo vem enfrentando baixas contábeis causadas pela pandemia e uma derrocada do mercado que prejudicou as avaliações de empresas de tecnologia públicas e privadas. As ações do próprio SoftBank caíram 8% na quinta-feira (12), elevando o declínio acumulado no ano para 17%.

Embora Son tenha a reputação de fazer movimentos estratégicos agressivos e imprevisíveis, ele passou a maior parte de uma entrevista coletiva de 90 minutos nesta quinta assegurando aos investidores que sabe como enfrentar tempos difíceis. Ele começou com o slide intitulado “Preocupações sobre o SoftBank?” e, em seguida, abordou questões sobre sua carga de dívida, o declínio em suas participações acionárias e sua posição de caixa.

“Em termos de personalidade, gosto de jogar no ataque”, disse Son. Mas com o “pandemônio” da covid-19 e a guerra na Ucrânia, ele entende que agora é a hora de jogar na defesa. “Quando chove, você abre um guarda-chuva”, disse ele.

PUBLICIDAD

Son disse que a “condução segura” do SoftBank nos últimos meses solidificou sua posição financeira. Ele explicou em um slide que a empresa alocou 2,9 trilhões de ienes em dinheiro, ou aproximadamente o dobro dos 1,3 trilhão de ienes devidos para resgates de títulos no ano fiscal de 2022 e 2023.

A unidade Vision Fund também reduziu drasticamente seus investimentos, distribuindo apenas US$ 2,5 bilhões no trimestre de janeiro a março. Isso está abaixo dos US$ 10,4 bilhões do trimestre anterior e muito abaixo do pico de US$ 33,3 bilhões em um trimestre no ano fiscal de 2018.

Son argumentou que o SoftBank é menos vulnerável a golpes imprevisíveis agora que foi no passado. Sua relação empréstimo/valor caiu para 20,4%, confortavelmente abaixo da meta de 25% que ele considera o máximo.

PUBLICIDAD

Resultados do Softbank

O valor patrimonial líquido do SoftBank - outra métrica importante para Son - caiu para 18,5 trilhões de ienes, muito abaixo de seu pico. Mas o SoftBank é menos vulnerável à repressão do governo chinês em seu setor de tecnologia, com o Alibaba - sua participação mais valiosa - respondendo por 22% de seu NAV em comparação com 59% antes.

Son está sofrendo um golpe pessoal de cerca de US$ 2,4 bilhões com sua decisão de negociar ações públicas. O SoftBank montou um empreendimento paralelo controverso em 2020 chamado SB Northstar, que visava usar o excesso de caixa da empresa para ganhar algum dinheiro escolhendo ações. Son assumiu uma participação pessoal de 33% na unidade, enquanto a empresa detinha o restante do capital.

Com as ações de tecnologia caindo no último trimestre, a Northstar foi martelada. O SoftBank disse que reconheceria uma perda de 670 bilhões de ienes no último ano fiscal, enquanto Son está no gancho por 315 bilhões de ienes.

PUBLICIDAD

O portfólio do SoftBank está cheio de empresas de tecnologia que perderam dinheiro e foram negociadas a valores altíssimos durante os anos de dinheiro fácil. As listagens de grandes sucessos de empresas como a gigante sul-coreana de comércio eletrônico Coupang, a pioneira de caronas na China Didi e a plataforma chinesa de propriedades online KE deixaram de ser o principal impulsionador do crescimento dos lucros para se tornarem os maiores obstáculos.

As ações da Coupang caíram 40% no primeiro trimestre, a Didi caiu 50% e a KE Holdings caiu 39%. Escândalos e erros da WeWork, Wirecard e Greensill Capital também prejudicaram a reputação de Son na escolha por startups.

“As pessoas achavam que Son poderia tomar boas decisões de investimento”, disse Mio Kato, analista da LightStream Research que publica no SmartKarma. “Agora há menos evidências de que as decisões de investimento da administração do SoftBank são boas. Wirecard e WeWork estão entre os exemplos. Quando o ambiente muda, eles não são mais eficazes.”

PUBLICIDAD

Há um ano, o SoftBank estabeleceu um recorde de maior lucro trimestral da história japonesa e a empresa obteve um lucro anual de 5 trilhões de ienes. Este ano, com as perdas do Vision Fund, o SoftBank Group teve um prejuízo líquido anual de 1,71 trilhão de ienes.

Son mudou de tom perto do final da entrevista coletiva, no entanto, e começou a falar sobre as oportunidades de jogar no ataque. Ele expressou otimismo sobre as perspectivas da Arm, a designer de chips que está se preparando para uma oferta pública inicial. Ele detalhou como o negócio está crescendo e que a empresa pode muito bem se tornar o ativo mais valioso de seu portfólio.

Son apontou que o caminho para um IPO foi aberto pela remoção do CEO desonesto dos negócios da Arm na China, uma controvérsia que perdurou por dois anos depois que o conselho demitiu o executivo e ele se recusou a sair. Pressionado sobre o momento preciso para o IPO da Arm, Son apontou que os mercados agora estão tumultuados e hesitaram em dar detalhes porque seus advogados se oporiam.

“Vamos nos proteger completamente enquanto jogamos no ataque”, disse Son.

PUBLICIDAD

Leia também

Mais de US$ 200 bilhões foram varridos do mercado de criptomoedas em um dia

Últimas BrasilSoftbankTech
PUBLICIDAD